Docência e vida afetiva na prisão: um mapeamento dos estudos brasileiros (2011-2021)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc29202348552

Palavras-chave:

Docência, Emoções, Educação Prisional, Revisão Bibliográfica

Resumo

O ensaio recupera as produções bibliográficas produzidas entre os anos de 2011 a 2021, com o objetivo de compreender como são apresentadas e interpretadas as narrativas afetivas sobre a docência nas prisões. Observa-se que as narrativas apresentadas pelos docentes apontam certos desafios profissionais que acionam emoções diversas e permitem ver o processo complexo e conflitivo da docência em “celas de aula”. Ao final, argumenta-se que esforços investigativos acerca da vida afetiva dos docentes podem contribuir para aprofundar a compreensão das lógicas de sofrimento e de prazer dentro do cárcere.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Henrique da Silva, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (2023). Mestrando em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá. E-mail: matheushs.soc@gmail.com

Fagner Carniel, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil

Doutor em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013). Professor do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá. E-mail: fcarniel@uem.br

Referências

Adorno, S. (1991). Sistema penitenciário no Brasil: Problemas e desafios. Revista USP, 9, 65-78. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i9p65-78

Américo, B., Carniel, F., & Takahashi, A. R. W. (2014). Gestão pública da educação especial e formalismo nas políticas públicas inclusivas - o caso do Brasil. Ensaio: Avaliação E Políticas Públicas em Educação, 22(83), 379-410,

Araújo, F. A. (2014). Das “técnicas” de fazer desaparecer corpos: desaparecimentos, violência, sofrimento e política. Lamparina.

Bessil, M. H., & Merlo, Á. R. C. (2017). A Prática Docente de Educação de Jovens e Adultos no Sistema Prisional. Psicologia Escolar e Educacional, 21(2), 285–293. https://doi.org/10.1590/2175-3539201702121115

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Congresso Nacional do Brasil. Assembleia Nacional Constituinte. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (1994). Código de Execução Penal. Presidência da República. Casa Civil. https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=520861

Brasil. (1996). Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Presidência da República. Casa Civil. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. (2010). Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=5142-rceb002-10&category_slug=maio-2010-pdf&Itemid=30192

Caetano, M. R., & Butzlaff, M. G. de S. (2020). Por entre as grades: o olhar dos docentes sobre a educação de jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Revista Pedagógica, 22. https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.4452

Carniel, F., & Américo, B. L. (2018). Rastreando os territórios da aprendizagem organizacional no Brasil. Sociologias, 20(47), 392-423, https://doi.org/10.1590/15174522-020004721

Carniel, F., & Thomaz D. (2021). Quando o campo é o estágio: etnografia e formação docente. Campos, 22(2), 115-131, https://revistas.ufpr.br/campos/article/view/72968/pdf

Carvalho, K. R. S. A., Santos, J. S., & Maldonado, D. P. (2020). A. Práticas docentes no ambiente prisional: entre a cela e a sala de aula. Revista Teias, 21(61), 218–232. https://doi.org/10.12957/teias.2020.49685

Costa S. D. F., & Carniel, F. (2022). Inclusão indígena na educação superior: perspectivas guaranis e institucionais, Revista Brasileira de Educação, 27, 1-18, https://doi.org/10.1590/S1413-24782022270019

Creswell, J. W. (2007). Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. Artmed.

Custódio, G. C. C., & Nunes, C. M. F. (2019). A docência em “celas de aula”: desafios dos professores de educação física em escolas prisionais. Reflexão e Ação, 27(2), 130-147. https://doi.org/10.17058/rea.v27i2.12600

Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN). (2019). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Ministério da Justiça e Segurança Pública. https://dados.mj.gov.br/dataset/infopen-levantamento-nacional-de-informacoes-penitenciarias

Duarte, A. J. O. (2017). Processo de construção da identidade profissional de professores da educação escolar de uma unidade prisional de Minas Gerais [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Triângulo Mineiro]. Banco Nacional de Teses e Dissertações. http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/452

Duarte, A. J. O., & Sivieri-Pereira, H. O. (2018a). Aspectos históricos da educação escolar nas instituições prisionais Brasileiras do período imperial ao século XXI. Educação Unisinos, 22(4), 344-352. https://doi.org/10.4013/edu.2018.224.14731

Duarte, A. J. O., & Sivieri-Pereira, H. O. (2018b). Docência na prisão: relação professor-aluno e identidade docente. Educação, 41(2), 300–312. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2018.2.31938

Duarte, A. J. O., & Sivieri-Pereira, H. O. (2018c). Especificidades da docência em uma escola de unidade prisional: impactos sobre a identidade docente. Cadernos de Pesquisa, 25(1), 109-128. http://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/8763

Duarte, A. J. O., & Sivieri-Pereira, H. O. S. (2019). Identidade profissional de professores da educação escolar de uma unidade prisional. Educação e Cultura Contemporânea, 16(45), 151-177. http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/viewArticle/3453

Fernandes, R. B. (2020). Identidade docente: emoções e atuação profissional. 32ª Reunião da Associação Brasileira de Antropologia. Rio de Janeiro.

Flores, M. A. (2010). Algumas reflexões em torno da formação inicial de professores. Educação, 33(3), 182-188. https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8074

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas.

Julião, E. F. (2012). Sistema penitenciário Brasileiro: política de execução penal. FAPERJ.

Koury, M. G. P. (2020). O Covid-19 e as emoções: pensando na e sobre a pandemia. RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, 19(55), 13-26.

Le Breton, D. (2009). As Paixões Ordinárias: Antropologia das Emoções. Editora Vozes.

Leme J. A. G. (2002). A cela de aula: tirando a pena com letras - uma reflexão sobre o sentido da educação nos presídios. [Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. Repositório PUCSP. https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22458

Lima, R. S. (2005). Contando crimes e criminosos em São Paulo: uma sociologia das estatísticas produzidas e utilizadas entre 1871 e 2000 [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo], Repositório da Universidade de São Paulo. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-04022006-201043/pt-br.php

Lourenço, A. S. (2011). O espaço de vida do agente segurança penitenciária no cárcere: entre gaiolas, ratoeiras e aquários. Juruá.

Monteiro, F. M., & Cardoso, G. R. (2013). A seletividade do sistema prisional Brasileiro e o perfil da população carcerária: Um debate oportuno. Civitas - Revista de Ciências Sociais, 13(1), 93-117. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2013.1.12592

Onofre, E. M. C. (2012). Desafio histórico na educação prisional Brasileira: ressignificando a formação de professores... Um quê de utopia? Revista HISTEDBR, 12(47), 205-219. https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640048

Onofre, E. M. C. (2015). Educação escolar para jovens e adultos em situação de privação de liberdade. Cadernos CEDES, 35(96), 239-255. https://doi.org/10.1590/CC0101-32622015723761

Onofre, E. M. C., Fernandes, J. R., & Ferreira Godinho, A. C. (2019). A EJA em contextos de privação de liberdade: desafios e brechas à educação popular. Educação, 42(3), 465–474. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2019.3.33770

Rocha, A. S. & Bernardo, D. G. (2011). Pesquisa Bibliográfica: entre conceitos e fazeres. Em C. A. A. Toledo & M. T. Claro. Metodologia e técnica de pesquisa nas áreas de ciências humanas. EDUEM.

Rocha, F. V. da. (2016) A escola por trás das grades: educação escolar no sistema prisional do Estado do Paraná, 1990-2016 [Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Maringá], Repositório Institucional da Universidade Estadual de Maringá. http://repositorio.uem.br:8080/jspui/handle/1/3146

Scarfó, F. J., Cuellar, M. E., & Mendoza, D. S. (2016). Debates: sobre el rol de la escuela y de los educadores de adultos en las cárceles. Cadernos CEDES, 36(98), 99-107. https://doi.org/10.1590/CC0101-32622016162883

Sobral, C. C., & Macêdo, P. L. P. (2018). Antropologia das emoções em arquivos pessoais: a interdisciplinaridade como instrumento. Informação Arquivística, 6(2), 101-121. http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/93353

Souza, O. N. B. de., & Oliveira, N. C. M. de. (2017). A realidade e os desafios do trabalho docente no ambiente das prisões: um olhar sobre o contexto paraense. Trabalho & Educação, 26(1), 183–201. https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9612

Downloads

Publicado

28.08.2023

Como Citar

Silva, M. H. da, & Carniel, F. (2023). Docência e vida afetiva na prisão: um mapeamento dos estudos brasileiros (2011-2021). Linhas Crí­ticas, 29, e48552. https://doi.org/10.26512/lc29202348552

Edição

Seção

Ensaios

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.