Educação e diversidade: a caçada antigênero e o caso da Escola Eccoprime

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc28202240568

Palavras-chave:

Gênero, Educação, Conservadorismo, Redes sociais, LGBTfobia

Resumo

O objetivo deste trabalho é de analisar a construção de uma ofensiva antigênero pela instituição educacional Eccoprime, que se operou em contraponto ao mês do Orgulho Lésbico, Gay, Bissexual, Travesti, Transexual e Intersexual (LGBTI+). Adotamos a abordagem qualitativa e nos valemos de uma pesquisa documental e bibliográfica, que se ancora metodologicamente na análise de conteúdo, subsidiada pela análise de redes sociais virtuais. Constatamos que os avanços de políticas públicas educacionais, no que se refere ao respeito à diversidade, têm sido fortemente combatidos por uma ofensiva moralista, neoconservadora e fundamentalista religiosa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Alice Rodrigues Araújo Costa, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil

Mestra em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Pernambuco (2020). Doutoranda em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Membra do grupo de pesquisa Avaliação da Educação Superior. E-mail: re.rodrigues.araujo@gmail.com

Marcia Andréa Mata Coêlho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil

Especialista em Gestão Pública pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2020). Mestranda em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Membra do Grupo de pesquisa Cidades Inclusivas, Seguras, Resilientes E Sustentáveis: O que as Ciências Sociais têm a dizer? E-mail: marciacoelhodamata@gmail.com

Maria das Graças Gonçalves Vieira Guerra, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) (2007). Professora Associada III do Centro de Educação da UFPB. Líder do Grupo de Pesquisa em Avaliação da Educação Superior. E-mail: gracinhavieira@yahoo.com.br

Referências

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Edições 70.

Bento, B. (2011). Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, 19(2), 549-559. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000200016

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais, orientação sexual. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro102.pdf

Brasil. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais – terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pdf

Brasil. (2002). Plano Nacional de Direitos Humanos II. Ministério da Justiça. Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. http://www.dhnet.org.br/dados/pp/edh/pndh_2_integral.pdf

Brasil. (2004). Programa Brasil sem Homofobia. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_sem_homofobia.pdf

Brasil. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. http://portal.mec.gov.br/docman/junho-2013-pdf/13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf

Brasil. (2014). Plano Nacional de Educação. Ministério da Educação. Diretoria de Estudos Educacionais. http://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014

Brasil. (2015). Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. https://observatoriogeohistoria.net.br/primeira-versao-da-bncc/

Brasil. (2016). Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. https://www.educacao.ma.gov.br/files/2015/11/MEC_BNCC_versao2_abr2016-1.pdf

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Brasil. (2019). Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão nº 26. Supremo Tribunal Federal. https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=754019240

Britzman, D. P. (1996). O que é esta coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Educação & Realidade, (21), 71-96. https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/232048/000175902.pdf?sequence=1

Burger King BR. (2021, junho 23). Como explicar? [vídeo]. YouTube. https://www.youtube.com/watch?v=301GMPrHt7M

César, M. R. de A., & Duarte, A. de M. (2017). Governamento e pânico moral: corpo, gênero e diversidade sexual em tempos sombrios. Educar em Revista, (66), 141–155. https://doi.org/10.1590/0104-4060.54713

Costa, R. R. (2019). Pânico moral e a abordagem de gênero nas escolas. Cadernos de Gênero e Diversidade, 5(3), 53-66. https://doi.org/10.9771/cgd.v5i3.28811

Durkheim, E. (2011). Educação e Sociologia. Vozes.

Eccoprime. (2021a, junho 26). Nossas crianças estão sob ataque. Instagram @escolaEccoprime. https://www.Instagram.com/p/CQlZTTuB3Lg/

Eccoprime. (2021b, junho 28). Nota oficial de posicionamento. Instagram @escolaEccoprime. https://www.Instagram.com/p/CQrPOO1rJOz/

Eccoprime. (2021c, julho 15). 5 prejuízos do feminismo para a criação de filhos. Instagram @escolaEccoprime. https://www.Instagram.com/p/CRXrvpKgqTc/

Freire, P. (1999). Educação como prática da liberdade. Paz e Terra.

Junqueira, R. D. (2009). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Em R. D. Junqueira (org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas (pp. 455-455). http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/bib_volume32_diversidade_sexual_na_educacao_problematizacoes_sobre_a_homofobia_nas_escolas.pdf

Junqueira, R. D. (2012). A Pedagogia do Armário: heterossexismo e vigilância de gênero no cotidiano escolar. Revista Educação On-line PUC, (10), 64-83. https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/20040/20040.PDF

Junqueira, R. D. (2018). A invenção da “ideologia de gênero”: a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Revista Psicologia Política, 18(43), 449-502. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2018000300004

Miguel, L. F. (2016). Da “doutrinação marxista” à" ideologia de gênero”: Escola sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Revista Direito e práxis, 7(15), 590-621. https://doi.org/10.12957/dep.2016.25163

Minayo, M. C. de S. (2009). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade (28 ed.). Vozes.

Miskolci, R. (2018). Exorcizando um fantasma: os interesses por trás do combate à “ideologia de gênero”. Cadernos Pagu, (53). https://doi.org/10.1590/18094449201800530002

Monteiro, S. D. (2007). O ciberespaço: o termo, a definição e o conceito. DataGramaZero-Revista de Ciência da Informação, 8(3). https://brapci.inf.br/index.php/res/download/45007

Moura, F. P. de, & Silva, R. da C. A. da. (2020). 6 anos de projetos “Escola sem Partido” no Brasil: levantamento dos projetos de lei estaduais, municipais, distritais e federais que censuram a liberdade de aprender e ensinar. Frente Nacional Escola sem Mordaça.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). (2014). Orientações técnicas de educação em sexualidade para o cenário brasileiro: tópicos e objetivos de aprendizagem. https://crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/unesco/orientacoes_tecnicas_sexualidade_unesco_2014.pdf

Vieira, H. (2018). Fundamentalismo e extremismo não esgotam experiência do sagrado nas religiões. Em E. S. Gallego (org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil (pp. 94-100). Boitempo.

Downloads

Publicado

07.04.2022

Como Citar

Costa, R. A. R. A., Coêlho, M. A. M., & Guerra, M. das G. G. V. (2022). Educação e diversidade: a caçada antigênero e o caso da Escola Eccoprime. Linhas Crí­ticas, 28, e40568. https://doi.org/10.26512/lc28202240568

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.