A Administração é prescritiva, fazer o quê? Uma proposta de/para desconstrução

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.34879

Palavras-chave:

Administração, Desconstrução, Estruturalismo, Pós-Estruturalismo, Derrida

Resumo

Frente à questão a ‘Administração é prescritiva, fazer o quê?’ Nossa proposta seria: desconstruir. Fazê-lo é deslocar-se em direção à ruptura com certas hierarquias estruturalistas que marcam essa área do conhecimento desde seus autores clássicos. Para tal empreitada utilizamos como referencial teórico a desconstrução, de Jacques Derrida, uma das vertentes mais criativas do pós-estruturalismo. A originalidade deste ensaio está em refletir sobre como seria uma possível estratégia desconstrucionista aplicada ao campo da Administração, bem como propor um arranjo de saberes efetivamente transdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Greice Gomes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Pelotas (2019). Doutoranda no programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E-mail: greice.martins.gomes@gmail.com

Ney Bruck, Universidade Federal de Pelotas, Brasil

Doutor em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2007). Professor Adjunto do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas. E-mail: neybruck@gmail.com

Referências

Barros, K. S. M. (2011). Réplica 1 - O que é um Ensaio? Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 333-337. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000200011

Bertero, C. O. (2011). Réplica 2 - o que é um ensaio teórico? Réplica a Francis Kanashiro Meneghetti. Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 338-342. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000200012

Burity, J. A. (1997). Desconstrução, hegemonia e democracia: o pós-marxismo de Ernesto Laclau. Bagaço.

Derrida, J. (2001). Posições. Autêntica.

Derrida, J. (2011). Gramatologia. Perspectiva.

Derrida, J. (2019). A Escritura e a Diferença. Perspectiva.

Derrida, J. (2020). A farmácia de Platão. Iluminuras.

Fayol, H. (1994). Administração Industrial e Geral. Atlas.

Freitag, M. (1995). Le naufrage de l'université et autres essais d'épistémologie politique. La Découverte.

Goulart, A. T. (2003). Notas sobre o desconstrucionismo de Jacques Derrida. PUC Minas.

Guillén, M. F. (1994). Models of management: work, authority and organization in a comparative perspective. University of Chicago Press.

Instituto Brasileiro de Ciências e Estatísticas (IBGE). (2020). Síntese de Indicadores Sociais 2020. https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/protecao-social/9221-sintese-de-indicadores-sociais.html?edicao=17068

Japiassu, H. (1979). Introdução ao pensamento epistemológico. Alves.

Lima, C. E., Rodrigues, C. C. C., & Pereira, J. J. (2020). Replicar, publicar e perecer: produtivismo acadêmico no campo da Administração no Brasil. Linhas Críticas, 26, 1-21. https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/33889/27873

Madrid, R. (2008). Hacia una ética de la responsabilidad: Derrida y el otro "por venir" en Levinas. Sapientia, LXIII(223), 105-141. https://repositorio.uca.edu.ar/handle/123456789/4720

Mattos, P. L. C. (2008). Nós e os índices: a propósito da pressão institucional por publicação. Revista de Administração de Empresas, 48(2), 144-149. https://doi.org/10.1590/S0034-75902008000200008

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio-teórico? Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 320-332. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000200010

Meneses, R. D. B. (2013). A desconstrução em Jacques Derrida: o que é e o que não é pela estratégia. Universitas PhilosoPhica, 60(30), 177-204. http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-53232013000100009&lng=en&tlng=pt

Motta, F. C. P. (1970). O estruturalismo na teoria das organizações. Revista de Administração de Empresas, 10(4), 23-41. https://doi.org/10.1590/S0034-75901970000400002

Newman, S. (2005). Power and politics in poststructuralist thougth: new theories of the political. Routledge.

Patrus, R., Dantas, D. C., & Shigaki, H. B. (2015). O produtivismo acadêmico e seus impactos na pós-graduação stricto sensu: uma ameaça à solidariedade entre pares? Cadernos EBAPE, 13(1), 1-18. https://doi.org/10.1590/1679-39518866

Peters, M. (2012). Pós-estruturalismo e filosofia da diferença: uma introdução. Vozes.

Prado Jr., C. (2017). O que é filosofia. Brasiliense.

Reed, M. (1996). Organizational theorizing. Em S. R. Clegg, & W. R. Nord. Handbook of organization studies (pp. 31-57). Sage Publications.

Taylor, F. W. (1995). Princípios de Administração Científica. Atlas.

Vasconcelos, A. (2013). O que é a desconstrução? Revista de Filosofia 15(17), pp. 73”“78. http://doi.org/10.7213/rfa.v15i17.3421

Zanella, A. V. (2013). Perguntar, registrar, escrever: inquietações metodológicas. Sulina.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

09.03.2021

Como Citar

Martins Gomes, G., & Roberto Váttimo Bruck, N. (2021). A Administração é prescritiva, fazer o quê? Uma proposta de/para desconstrução. Linhas Críticas, 27, 1–18. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.34879