O cinema como prática social: o gênero filme na formação crítico-reflexiva de professores de línguas

Autores

  • Lauro Sérgio Machado Pereira Universidade de Brasília
  • Maria da Glória Magalhães dos Reis Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Cinema, Filmes, Gênero discursivo, Professores de línguas, Pesquisa-ação

Resumo

A relevância pedagógica do cinema tem interessado a pesquisadores de diferentes campos das Ciências Humanas, o que reflete em pesquisas que enfocam a relação do cinema com a educação, o ensino-aprendizagem de línguas e a formação docente. Nesse sentido, com o propósito de contribuir com trabalhos já existentes, este artigo aborda a prática crítico-reflexiva na formação de professores de línguas e toma o filme como um gênero discursivo em potencial. A partir de postulados do dialogismo sociodiscursivo e da teoria de gêneros do discurso, investigamos como o filme pode ser aplicado à formação de professores de línguas, suscitando reflexões críticas sobre a prática desses profissionais. Para tanto, o modelo de sequências didáticas se apresentou pertinente, de modo que elaboramos uma proposta com o filme O Substituto (2011) e a aplicamos em um curso temático orientado pela metodologia pesquisa-ação, no qual realizamos atividades como sessão de visionamento do filme, discussões temáticas dialogadas com textos teóricos e uma entrevista focalizada. Na discussão dos dados, indicamos que as sequências didáticas são produtivas para o trabalho com filmes enquanto recurso pedagógico, visto que possibilitaram o engajamento efetivo das participantes nas reflexões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLRED, C. Critical media literacy: a 21st century teaching tool. In: GIL, G.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Educação de professores de línguas: os desafios do formador. Campinas: SP: Pontes Editores, 2008. p. 91-104.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. Trad. Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. 2. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

BAKHTIN, Mikhail; VOLOCHINOV, Valentin. N. Marxismo e filosofia da linguagem. 11. ed. São Paulo: SP: Hucitec, [1929]2004.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BARBIER, Rene. A pesquisa-ação. Brasília: Liberlivro, 2007.

BARTLET, Leo. Teacher development through reflective teaching. In: RICHARDS, J. C.; NUNAN, D. (orgs.). Second language teacher education. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

BOURDIEU, Pierre. Esquisse d’une théorie de la pratique. Genève, Droz, 1972.

CRUZ, Décio Torres Cruz. O cinema como linguagem pedagógica/ideológica para o ensino de línguas estrangeiras: (re)descobrindo a cultura do outro. In: MOTA, Kátia; SCHEYERL, Denise. (Orgs.). Recortes interculturais na sala de aula de línguas estrangeiras. Salvador: EDUFBA: Instituto de Letras, Departamento de Letras Germânicas, 2004. p. 143-172.

DEWEY, John. How we think. D.C. Heath and Company, 1933.

DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michèle; SCHNEUWLY, Bernard. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 81-108. (Coleção As Faces da Linguística Aplicada).

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & Diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 47. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970/2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996/2004.

GARCIA DE STEFANI, Viviane Cristina. O cinema na aula de língua estrangeira: uma proposta didático-pedagógica para o ensino-aprendizagem de espanhol. 2010. 238p. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/5693?show=full>. Acesso em: 29 abr. 2020.

GARCIA DE STEFANI, Viviane Cristina. Formação continuada de professores de línguas estrangeiras mediada pelo cinema: contribuições da teoria da atividade. 2015. 284p. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/7567>. Acesso em: 29 abr. 2020.

GIL, Gloria. Mapeando os estudos de formação de professores de línguas no Brasil. In: FREIRE, M. M.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H.; BARCELOS, A. M. F. Linguística Aplicada e contemporaneidade. São Paulo, SP: ALAB; Campinas, SP: Pontes Editores, 2005. p. 173-182.

GIMENEZ, Telma. Formação de professores de línguas no Brasil: avanços e desafios. In: SANTOS, L. I. S.; SILVA, K. A. da. Linguagem, ciência e ensino: desafios regionais e globais. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013.

GOMES, Francisco Wellington Borges. O uso de filmes legendados como ferramenta para o desenvolvimento da proficiência oral de aprendizes de Língua Inglesa. 2006. 132p. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2006. Disponível em: <http://www.uece.br/posla/download/dissertacoes/>. Acesso em: 29 abr. 2020.

LIBERALI, Fernanda Coelho. As linguagens das reflexões. In: MAGALHÃES, M. C. C. (Org.). A formação do professor como um profissional crítico: Linguagem e reflexão. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

LIMA, Luciano Rodrigues. Movies and cartoons in the EFL classroom: for a critical cultural immersion. In: LIMA, Diógenes Cândido. Language and its cultural substrate: perspectives for a globalized world. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012. V. 21, p. 173-191. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada).

MAGALHÃES, M. C. C. (Org.). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

MAYRINK, Mônica Ferreira. Luzes... Câmera... Reflexão: Formação inicial de professores mediada por filmes. 2007. 286p. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: <https://tede2.pucsp.br/handle/handle/13837>. Acesso em: 29 abr. 2020.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. (1994) Pesquisa interpretativista em Lingüística Aplicada: a linguagem como condição e solução. D.E.L.T.A.,v. 10, n. 2, . p. 329-338, 1994. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/delta/article/view/45412>. Acesso em: 29 abr. 2020.

MOURA FILHO, Augusto Cesar Luitgards. A. C. L. Basta de clamarmos inocência: a formação reflexiva do professor contemporâneo de línguas. In: In: SILVA, Kléber Aparecido da. et al. (Orgs.). A formação de professores de línguas: novos olhares. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011. V. 1, p. 49-72.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

PEREIRA, Lauro Sérgio Machado. O professor de línguas vai ao cinema: ressignificando a identidade profissional sob a perspectiva da formação crítico-reflexiva. 2014, 228p. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, Universidade de Brasília. Brasília, 2014. Disponível em: <https://repositorio.unb.br/handle/10482/17969>. Acesso em: 29 abr. 2020.

PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PIMENTA, Selma Garrido. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. p. 17-52.

PROCÓPIO, Renata Bittencourt; SOUZA, Patrícia Nora de. Os recursos visuais no ensino-aprendizagem de vocabulário em língua estrangeira. Acta Scientiarum Language and Culture. Maringá, v. 31, n. 2. p. 139-146, 2009. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/view/8421>. Acesso em: 29 abr. 2020.

RODRIGUES, Rosângela Hammes. Os gêneros do discurso na perspectiva dialógica da linguagem: a abordagem de Bakhtin. In: MEURER, José Luiz; BONINI, Adair; MOTTA-ROTH, Désirée. (orgs.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. p. 152-183.

ROJO, Roxane. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER, José Luiz; BONINI, Adair; MOTTA-ROTH, Désirée. (orgs.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. p. 184-207.

SANTIAGO VIGATA, Helena. Linguacultura em foco: material audiovisual legendado como mecanismo para o ensino intercultural de espanhol para brasileiros. 2011. 224p. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, Universidade de Brasília. Brasília, 2011. Disponível em: <https://repositorio.unb.br/handle/10482/18547>. Acesso em: 29 abr. 2020.

SCHÖN, Donald. A. The reflective practitioner. Nova York: Basic Books, 1983.

SIGNORINI, Inês. Prefácio. In: PENTEADO, Ana Elisa de Arruda [et al.]. Gêneros catalisadores: letramento e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 7-16.

SILVA, Kléber Aparecido da. Linguística aplicada, crenças e formação de professores na contemporaneidade. In: SANTOS, Leandra Ines Seganfredo; SILVA, Kléber Aparecido da. Linguagem, ciência e ensino: desafios regionais e globais. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013. p. 19-40.

VIEIRA-ABRAHÃO, Maria Helena. A formação de professores de línguas: passado, presente e futuro. In: SILVA, Kléber Aparecido da. (Org.) Ensinar e aprender línguas na contemporaneidade: linhas e entrelinhas. Campinas: Pontes Editores, 2010. V. 1, p.225-232. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada).

VIEIRA-ABRAHÃO, Maria Helena. A formação de professores de línguas de uma perspectiva sociocultural. Signum: Estud. Ling., v. 15, n. 2 p. 457-480, 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/12736>. Acesso em: 29 abr. 2020.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1978/2007.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. Pensamento e linguagem. Martins Fontes, 1934/1999.

Publicado

2020-06-23

Como Citar

Pereira, L. S. M., & Reis, M. da G. M. dos . (2020). O cinema como prática social: o gênero filme na formação crítico-reflexiva de professores de línguas. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 19(1), 159-196. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/horizontesla/article/view/25102

Edição

Seção

Artigos