Submissões

O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • A contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por outro periódico.
  • O artigo trata de um dos assuntos mencionados nas Políticas Editoriais da revista.
  • O texto é redigido em português, inglês, espanhol ou francês. (Em qualquer um destes casos deve conter um resumo e palavras-chave em português e inglês. Se o trabalho for escrito em espanhol ou francês, começa com um resumo no respectivo idioma.) Solicita-se que, antes de ser submetido à revista , o texto (incluindo resumos) em uma língua estrangeira, ser revisado por falantes nativos do respectivo idioma ou por falantes não nativos competentes com alta proficiência no idioma na tela.
  • O artigo utiliza o template fornecido pelo Journal. Ele está no formato .docx e contém aproximadamente entre 25.000 e 40.000 caracteres (com espaços).
  • O título está no mesmo idioma do artigo e em inglês. Se o artigo for escrito em inglês, o título também é trazido em português.
  • O resumo não pode ultrapassar 200 palavras. Entre 3 e 6 palavras-chave são apresentadas em cada idioma. O Resumo está organizado da seguinte forma: Introdução (opcional), Objetivo / Abordagem, Metodologia / Base de análise teórica, Resultados / Conclusões e Recomendações (opcional).
  • O ORCID de todos os autores é inserido no campo Detalhes do usuário, na seção sobre autores.
  • Os links para os currículos lattes de todos os brasileiros ou pesquisadores estrangeiros vinculados a instituição de ensino e pesquisa brasileira são fornecidos no campo URL.
  • O autor responsável pela submissão fornece, nos campos de metadados da submissão, todas as informações necessárias de todos os coautores (nome completo apenas com o sobrenome no campo SOBRENOME, e-mail, ORCID). Trabalhos cuja autoria tenha sido informada erroneamente no momento da submissão (ausência do co-autor) serão recusados.
  • O texto segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos das normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), de acordo com a revista.
  • As citações diretas em língua estrangeira são traduzidas para o corpo do texto, sendo o original apresentado apenas em nota de rodapé.
  • Tabelas e Figuras (fotos, desenhos, gráficos) são numeradas em algarismos arábicos, seguidos do título, na seqüência em que aparecem no texto, e não ultrapassam as dimensões da página impressa (10x17cm), no “retrato "orientação. Sua fonte é trazida embaixo.
  • As figuras (fotos, desenhos, gráficos) são inseridas no texto, bem como enviadas em arquivos separados, no formato JPG, com resolução de 300 dpi.
  • Se houver símbolos fonéticos, estes são salvos através da incorporação de fontes "True Type". Os arquivos fonte devem ser enviados como documentos complementares.
  • As notas estão apenas na parte inferior.
  • Não possui letras em negrito ou sublinhados. Os destaques de palavras ou frases estão em itálico.
  • Resenhas de livros: abordar tópicos de interesse para esta revista em livros publicados no máximo um ano antes do envio da resenha; não exceda 6.000 caracteres com espaços.

Diretrizes para Autores

Template para a Submissão

Baixe aqui

 

Normas da ABNT

1. Citações (NBR-10520, de 2002)

1.1 Citação direta (textual): significa que se citam as palavras do autor.

1.1.1 Citações curtas (de até três linhas) .Exemplos:

a) Segundo Almeida Filho (2005, p. 93), "são 6 os formantes do construto da abordagem que se equacionam de algum modo em cada caso de ensino/aprendizagem".

b) [Entre parênteses, o nome deve estar em maiúsculas.] "são 6 os formantes do construto da abordagem que se equacionam de algum modo em cada caso de ensino/aprendizagem" (ALMEIDA FILHO, 2005, p. 93).

c) Nomes de autores fora de parênteses: dois autores: ... Binon e Verlinde (2000, p. 129); três autores: ... Abaurre, Mayrink-Sabinson e Fiad (2003, p. 302); mais de três autores: ... Binon et al. (2008, p. 117)

d) Nomes de autores dentro de parênteses (usa-se ponto-e-vírgula): dois autores: ... (BINON; VERLINDE, 2000, p. 129); três autores: ... (ABAURRE; MAYRINK-SABINSON; FIAD, 2003, p. 302); mais de três autores: ... (BINON et al., 2008, p. 117)

1.1.2 Citações de mais de três linhas (recuadas, em corpo menor [11]). Os nomes dos autores são colocados entre parênteses após a citação. Veja 1.1.1 (b) e (d). Exemplo:

Um levantamento das investigações realizadas sobre aprendizagem incidental e intencional do léxico, tanto em L1 como em L2, parece indicar que há um contínuo entre os dois, sem uma fronteira precisa onde começa um e termina o outro. A aprendizagem incidental, por definição, deveria ocorrer de modo automático, abaixo do nível da consciência, mas normalmente não é assim. (LEFFA, 2000, p. 33)

1.2 Citação indireta (livre): significa que se reproduzem idéias, opiniões ou informações do(s) autor(es) sem que se transcreva o texto literalmente.Vale o mesmo modo de apresentação visto em 1.1. Exemplos:

a) Segundo Leffa (2000, p. 33), a aprendizagem incidental normalmente não ocorre de modo automático.

b) Não há uma fronteira precisa entre aprendizagem incidental e intencional do léxico (LEFFA, 2000, p. 33).

Tendo-se encontrado as mesmas idéias, opiniões e informações em mais de uma fonte, os autores devem ser citados - dentro de parênteses - em ordem alfabética, separados por ponto-e-vírgula. Exemplos: (BLOOME, 1983; WALLACE, 1993). Observe que nesse caso há ponto-e-vírgula tanto entre vários autores de um mesmo texto quanto entre os autores dos diversos textos (por exemplo: BLACHOWICZ; FISHER, 2002; MCCARTHY, 1990; SCHMITT, 1997). Os nomes podem ser precedidos de "cf.": (cf. BLOOME, 1983; WALLACE, 1993). Citação de vários autores fora de parênteses; exemplo: Segundo Blachowicz e Fisher (2002), McCarthy (1990) e Schmitt (1997), ....

 

1.3 Citação de citação: significa que não se leu o documento original, tendo encontrado uma citação em um documento lido. Podem ser usadas as palavras ou expressões "apud", "citado(s) por", "conforme" ou "segundo", mas preferimos "apud". Exemplo:

a) Fishman (1972, apud BORTONI, 1981, p. 56) ...;

b) Weinrich (1966, p. 24, apud SZENDE, 1996, p. 111); [entre parênteses] ... (WEINRICH, 1966, p. 24, apud SZENDE, 1996, p. 111).

Os dados bibliográficos do documento original podem ser indicados em nota de rodapé ou nas referências bibliográficas. Caso opte-se pela segunda solução, devem-se indicar os dados do texto original seguido de "apud" e dos dados do texto lido (cujos dados serão indicados no lugar que lhes cabem na ordem alfabética).

Observação: Segundo a ABNT, a indicação das páginas nas citações livres é opcional. Solicitamos que, na medida do possível, tanto nas citações diretas quanto nas indiretas as páginas sejam indicadas. Isso visa possibilitar que o leitor encontre facilmente os trechos citados caso ele queira conferir o original.

 

2. Referências bibliográficas (NBR-6023, de 2002)

Detalhes:

Sobrenomes de autores: Consideram-se como sobrenomes: sobrenome simples (KOCH); sobrenomes ligados por hífen (SERRANI-INFANTI); sobrenome + palavra que significa parentesco (ALMEIDA FILHO); substantivo + adjetivo (CASTELO BRANCO). No caso de autores de língua espanhola, usam-se os dois últimos sobrenomes (a não ser que o próprio autor use apenas um).

Vários autores: dois ou três: separam-se por ponto-e-vírgula; mais de três: indica-se apenas o primeiro, seguido de "et al.".

Editor(es)/Organizador(es)/Coordenador(es): após o(s) nome(s), escreve-se "(Ed.).", "(Org.)." ou "(Coord.).".

Título: de artigo ou capítulo: digitado em corpo normal; de livro ou revista: digitado em itálico.

Número de edição: indicar a edição de uma publicação (a partir da segunda), usando-se o idioma da publicação: 3. ed. (português, espanhol); 2nd ed. (inglês); 2e ed. (francês); 2. Aufl. (alemão); 2ª ed. (italiano).

Local de publicação e editora: Exemplos:

a) Brasília: Thesaurus

b) (indica-se o estado quando o nome da cidade existir em mais de um) Campo Grande, MS: Ed. UFMS

c) (havendo duas editoras) Campo Grande, MS: Ed. UFMS; São Paulo: Humanitas

Dados Completos

Dissertações, teses, monografias

AUTOR. Título (em itálico): subtítulo (se houver). Ano de apresentação. Número de folhas. Tipo (p.ex.: Dissertação) (entre parênteses: nível e área de concentração; p.ex.: Mestrado em Lingüística Aplicada) - Nome da Faculdade, Nome da Universidade, Cidade, Ano da defesa.

Livro:

LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and principles in language teaching. Oxford: Oxford University Press, 2002.

Livro traduzido:

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. Tradução de Freda Indursky. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

Capítulo de livro:

NUNES, M. B. C. Redescobrindo o papel do professor de leitura em língua estrangeira. In: CELANI, Maria A. A. (Org.). Ensino de segunda língua: redescobrindo as origens. São Paulo: EDUC, 1997. p. 107-132.

Capítulo em livro organizado pelo próprio autor:

CELANI, M. A. A. Ensino de línguas estrangeiras: olhando para o futuro. In: _____. (Org.). Ensino de segunda língua: redescobrindo as origens. São Paulo: EDUC, 1997. p. 147-161.

Artigo de periódico:

DAVIS, J. Reading literature in the foreign language: the comprehension/response connection. The French Review, v. 65, n. 3, p. 359-370, 1992.

Artigo de periódico online:

CANTERO, F. J. Complejidad y competência comunicativa. Revista Horizontes de Lingüística Aplicada, Brasília, v. 7, n. 1, 2008. Disponível em: Ë‚www.revistahorizontes.org.br˃. Acesso em 9 nov. 2009.

Dissertação:

CERVO, I. Z. S. Tradução e ensino de línguas. 2003. 220f. Dissertação (Mestrado em Lingüística Aplicada) - Instituto de Letras, Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

Trabalhos do mesmo autor são colocados em ordem cronológica; sobrenome e nome devem ser repetidos em entradas diferentes:

CELANI, M. A. A. Afinal, o que é lingüística aplicada? In: ______; PASCHOAL, Mara Z. de. (Orgs.). Lingüística aplicada: da aplicação da lingüística à lingüística transdisciplinar. São Paulo: EDUC, 1992. p. 15-25.

CELANI, M. A. A. Ensino de línguas estrangeiras: olhando para o futuro. In: _____. (Org.). Ensino de segunda língua: redescobrindo as origens. São Paulo: EDUC, 1997. p. 147-161.

Artigos

Política padrão de seção

Propostas de organização de dossiês temáticos

NORMAS PARA PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO DE DOSSIÊ TEMÁTICO

 

Do editor convidado (proponente)

O proponente, nomeado EDITOR CONVIDADO no dossiê temático, deve possuir título de doutor e ter experiência em pesquisa comprovada no tema proposto.

Poderão ser editores convidados pesquisadores doutores vinculados a instituições de ensino e/ou pesquisa do Brasil ou de outros países.

Uma mesma proposta pode incluir até três editores convidados, que dividirão as responsabilidades descritas abaixo.

Cada editor convidado poderá contribuir com apenas um artigo para o dossiê, em autoria ou coautoria.

 

Das responsabilidades do editor convidado

- Redigir e encaminhar a proposta à Comissão Editorial, incluindo toda a documentação necessária

- Redigir a prévia da chamada para trabalhos ao dossiê temático, que poderá ser editada pela Comissão Editorial

- Indicar lista de possíveis pareceristas que pesquisem no tema proposto e possam ser convidados a avaliar as submissões

- Captar textos em potencial, fazendo convites específicos a pesquisadores que trabalhem com o tema para que submetam manuscritos ao dossiê

- Avaliar e emitir parecer (quanto ao conteúdo) sobre todas as submissões previamente aprovadas pela Comissão Editorial na fase 1

- Utilizar a plataforma do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas para acessar, registrar e comunicar suas avaliações

- Assessorar a Comissão Editorial na seleção de pareceristas para cada submissão, bem como na tomada de decisão após a avaliação por pareceristas (fase 3)

- Redigir a Apresentação ao dossiê, segundo o gênero ensaio teórico, previamente ao lançamento do dossiê

 

Das responsabilidades da Comissão Editorial

A Comissão Editorial é compreendida pelos editores permanentes do periódico. São suas atribuições:

- analisar as propostas de organização de dossiês temáticos

- decidir o calendário de publicação dos dossiês, bem como o calendário das chamadas para trabalhos

- mediar todo o processo de editoração desde o recebimento eletrônico das submissões até sua publicação final, incluindo os estágios de avaliação, revisão de texto e diagramação

- solicitar ajustes aos autores e conferir as alterações nas novas versões

- tomar a decisão editorial subsidiada pelos pareceres do editor permanente responsável pela submissão, do editor convidado e do(s) parecerista(s) membros do Conselho ou ad hoc

- registrar os metadados e efetivamente publicar os artigos e o dossiê

- indexar o dossiê nas bases de dados

 

Da documentação para a proposta

O proponente enviará a proposta pelo sistema da revista.

Todos os coeditores deverão estar cadastrados no sistema.

 

Preencher título e resumo da proposta (até 200 palavras).

Anexar arquivo docx  contendo:

- Nome e sobrenome, instituição de afiliação e orcid de todos os coeditores

- Link para o currículo lattes de todos os coeditores (no caso de brasileiros)

- Tema e título prévio do dossiê

-  Justificativa e relevância temática,

- Áreas de concentração e/ou linhas de pesquisa nas quais o dossiê se insira

- Perspectivas: informações adicionais (por ex, relação com eventos, grupos de pesquisa, volume de submissões esperado, período pretendido entre o início e o encerramento dos trabalhos, considerando 6 meses)

Dossiê: Português e outras línguas de herança

Esta edição temática tem o objetivo de apresentar trabalhos de pesquisa que mostrem as especificidades de ensino e aprendizagem para falantes de herança em contextos multilíngues e multiculturais, que incluam tópicos sobre metodologias, práticas e práxis de professores, avaliação do desempenho de falantes de herança, materiais didáticos desenhados para esse público alvo, políticas de incentivo para a manutenção do PLH, sobre o papel da família para a preservação desse patrimônio linguístico – cultural, sobre as características de cada ambiente no desenvolvimento de competências e a elaboração de planejamento de cursos, de aulas e de currículos específicos que orientem o processo de ensino aprendizagem de PLH, de acordo com as particularidades de cada ambiente.
Assim, a nossa missão com a presente proposta de número temático é trazer à tona pesquisas com foco nas discussões teórico-práticas, relacionadas à realidade do ensino de Português língua de herança na diáspora.

 

Os autores devem atentar para o escopo da revista e as políticas e normas de publicação disponíveis em nossa página: https://periodicos.unb.br/index.php/horizontesla/about/submissions

No momento da submissão, no campo Seção (do formulário online) deve ser selecionado o dossiê para o qual o trabalho está sendo enviado.

São aceitos para avaliação: artigos teóricos e resultantes de pesquisa aplicada, resenhas inéditas de livros recentes e entrevistas

Dossiê: Translinguagem e educação linguística crítica em contexto (pós)pandêmico

No contexto (pós)pandemia da Covid-19, depara-se com a diversidade cultural e a desigualdade social presentes no Brasil, sobretudo, na prática educativa. O presente dossiê tem por objetivo apresentar estudos e reflexões decoloniais sobre a educação linguística crítica, tendo como foco a translinguagem, em consonância ao pensamento freiriano, no que concerne à multiculturalidade.

Para Freire (1992; 1997), a multiculturalidade corresponde a uma ação de resistência às ideologias reprodutoras de discriminação e de construção de atitudes democráticas possibilitadoras de convivências sociais humanizadas entre as diversas culturas, na intenção da concretização da unidade na diversidade. É uma construção histórica, fruto de um processo de luta e embate social, não sendo, portanto, um fenômeno natural, espontâneo, uma vez que representa a convivência democrática de diversas culturas num mesmo espaço social.

Dessa perspectiva, a pretensão desse dossiê temático é a de mostrar iniciativas da prática de e/ou fora de sala de aula, que considerem a educação linguística crítica como práxis social. Assim, objetiva-se apresentar práticas docentes, em um contexto educacional desafiador e (pós)pandêmico, na tentativa de propiciar discussões em relação ao trabalho com a translinguagem, sobretudo, os repertórios linguísticos, imagéticos e espaciais, no que tange à diversidade linguística e cultural, alicerçada em praxiologias decoloniais, advindas de uma educação linguística crítica.

São aceitos para avaliação: artigos, resenhas e entrevistas

 

Os autores devem atentar para o escopo da revista e as políticas e normas de publicação disponíveis em nossa página: https://periodicos.unb.br/index.php/horizontesla/about/submissions

No momento da submissão, no campo Seção (do formulário online) deve ser selecionado o dossiê para o qual o trabalho está sendo enviado.

Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados nesta revista serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.