Estratégias de aprendizagem no Teletandem: o que os aprendizes de língua inglesa afirmam fazer para aprender nesse contexto?

Autores

  • Bruna da Silva Campos UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Ana Cristina Biondo Salomão UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Palavras-chave:

ensino-aprendizagem de línguas, estratégias de aprendizagem, telecolaboração, teletandem, língua inglesa

Resumo

As estratégias de aprendizagem vêm sendo pesquisadas na área de ensino e aprendizagem de línguas há muitos anos, uma vez que o foco passou a ser o aluno e não o professor. Muitas pesquisas enfocaram o aprendiz em sala de aula, haja vista que ela era tradicionalmente entendida como um local de excelência para o ensino de línguas. Entretanto, com o advento das tecnologias digitais, surgiram novas ferramentas e modalidades de aprendizagem, como, por exemplo, a telecolaboração a distância orientada pelas relações interculturais. O contexto dessa pesquisa, o Teletandem, encontra-se diretamente relacionado aos recursos de comunicação síncrona com uso de vídeo e voz, que geram oportunidades de interação oral com falantes da língua alvo em propostas de ensino e aprendizagem a distância. O objetivo geral desta pesquisa foi investigar quais estratégias de aprendizagem foram utilizadas pelos participantes nas interações de Teletandem. A metodologia de pesquisa e os instrumentos de coleta de dados foram de natureza qualitativa. Os resultados revelaram que os participantes investigados afirmam utilizar principalmente as estratégias de aprendizagem dos tipos sociais e metacognitivas, que se relacionam a dois princípios do Teletandem: reciprocidade e autonomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANHA, S.; CAVALARI, S.M.S. A trajetória do projeto teletandem Brasil: da modalidade institucional não-integrada à institucional integrada. The Especialist (PUCSP), v. 35, p. 70-88, 2014.

BRAGA, J. C. F. Aprendizagem de línguas em regime de tandem via e-mail: colaboração, autonomia e estratégias sociais. 152f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) ”“ Faculdade de Letras da UFMG, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

BRAMMERTS, H. Tandem language learning via the internet and the International E-Mail Tandem Network. In Little, David; Brammerts, H. (Eds.) A Guide to Language Learning in Tandem via the Internet. CLCS Occasional Paper, 46, 1996.

BROWN, D. H. Styles and strategies. In:______(org.). Principles of language learning and teaching. New York: Pearson Education, p.118-151, 2007.

______. Teaching by principles: an interactive approach to language pedagogy. New York: Pearson Education, 2007, 569p.

BURNS, A. Collaborative research for English language teachers. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

CAVALARI, S. M. S. A auto-avaliação em um contexto de ensino-aprendizagem de línguas em tandem via chat. 2009. 243f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) ”“ Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto, 2009.

CHAMOT, A. U. Language learning strategy instruction: current issues and research. Annual review of Applied Linguistics, v.25, EUA: Cambridge University Press, p.112-130, 2005.

EVANGELISTA, M.C.R.G.; SALOMÃO, A.C.B. Mediation in Teletandem. PANDAEMONIUM GERMANICUM, v. 22, p. 153-177, 2019.

HURD, S.; LEWIS, T. Language learning strategies in independent settings. Bristol: Multilingual Matters, 2008.

KERN, R.; WARE, P.; WARSCHAUER, M. Crossing Frontiers: New Directions in Online Pedagogy and Research. Annual Review of Applied Linguistics, v. 24, n. 1, p. 243-260, 2004.

LEE, C. K. An overview of language learning strategies. ARECLS, v. 7, p.132-152, 2010.

LUZ, E. B. P. A autonomia no processo de ensino e aprendizagem de línguas em ambiente virtual (Teletandem). 2009. 279f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) ”“ Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto, 2009.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

MOITA LOPES, L. P. Pesquisa interpretativista em Lingüística Aplicada: a linguagem como condição e solução. DELTA, v. 10, n. 2, p. 329-338, 1994.

O’MALLEY, J. M.; CHAMOT, A. U. Learning strategies in second language acquisition. Georgetown: Oxford University, 1990.

OXFORD, R. L. Language learning strategies: what every teacher should know. Boston: Heinle & Heinle, 1990.

OXFORD, R. L. Teaching and researching language learning strategies. New York: Routledge, 2011.

OXFORD, R. L. et al. The learning strategy prism: Perspectives of learning strategy experts. System, v. 43, p. 30-49, 2014.

RUBIN, J. What the ‘good language learner’ can teach us. TESOL Quarterly, v. 9, p. 41-51, 1975.

SALOMÃO, A. C. B. A cultura e o ensino de língua estrangeira: perspectivas para a formação continuada no Projeto Teletandem Brasil. 2012. 270f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) ”“ Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto.

______. A formação do formador de professores: perspectivas de colaboração entre graduandos e pós-graduandos no projeto Teletandem Brasil. Revista Brasileira de Linguistica Aplicada, v. 11, n. 3, p. 653-677, 2011.

SALOMÃO, A. C. B.; SILVA, A. C.; DANIEL, F. G. A aprendizagem colaborativa in-tandem: Um olhar sobre seus princípios. In: JOÃO A. TELLES. (Org.). Teletandem: um contexto virtual, autônomo e colaborativo para a aprendizagem de línguas no século XXI. 1ed. Campinas: Pontes, 2009, p. 75-92.

SILVA, A. C. O desenvolvimento intra-interlinguístico in tandem a distância (Português e Espanhol). 2008. 358f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) ”“ Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto, 2008.

SILVA, G. B. A. Estratégias de aprendizagem na aula de língua estrangeira: um estudo com formandos em Letras. 2006. 125 p. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) ”“ Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006.

SOARES, C. M. B. Reflexões Críticas sobre Processos de Aprendizagem de Universitários. 2013. Dissertação (Dissertação: Mestrado Profissional em Educação) - Universidade Federal de Lavras, p.51-63.

SOUZA, R. A. Telecolaboração e divergência em uma experiência de aprendizagem de português e inglês como línguas estrangeiras. Revista Brasileira de Lingüística Aplicada, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 73-96, 2003.

STERN, H. H. What can we learn from the good language learner? Canadian Modern Language Review, 34, p. 304-318, 1975.

TELLES, J. A. Learning foreign languages in Teletandem: Resources and strategies. DELTA, v. 31, p. 603-632, 2015.

TELLES, J. A. Teletandem: Metamorfoses impostas pela tecnologia sobre o ensino de línguas estrangeiras. In:______(Org.). Teletandem: um contexto virtual, autônomo e colaborativo para aprendizagem de línguas estrangeiras no século XXI. Campinas: Pontes Editores, 2009, p. 63-74.

TELLES, J. A. Projeto Teletandem Brasil: línguas estrangeiras para todos - ensinando e aprendendo línguas estrangerias in-tandem via MSN Messenger. Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP, 2006. Disponível em: http://www.Teletandembrasil.org/site/docs/TELETANDEM_BRASIL_completo.pdf

TELLES, J. A.; VASSALLO, M. L. Foreign language learning in-tandem: Teletandem as an alternative proposal in CALLT. The ESPecialist, v. 27, n. 2, p. 189-212, 2006..

THORNE, S. L. Pedagogical and praxiological lessons from internet-mediated intercultural foreign language education research. In: BELZ, J. A.; THORNE, S. L. (Eds.). AAUSC 2005: Internet-mediated intercultural foreign language education. Boston: Thomson Heinle, 2006.

VASSALLO, M.L.; TELLES, J. A. Foreign language learning in-tandem: Theoretical principles and research perspectives. The ESPecialist, v. 27, n. 1, p. 83-118, 2006.

VILAÇA, M. L. C. A importância de pesquisas em estratégias de aprendizagem no ensino de línguas estrangeiras. Cadernos do CNLF (CiFEFil), v. 15, p. 208-220, 2010.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WHITE, C. Language Learning Strategies in Independent Language Learning: An Overview. In: HURD, S.; LEWIS, T. Language learning strategies in independent settings. Bristol: Multilingual Matters, 2008, p. 3-24.

WILLIAMS M.; BURDEN, R.L. How does the learner deal with the process of learning? In: ______. (Org.). Psychology for language teachers. 6 ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. p. 143-166.

ZARE, P. Language learning strategies among EFL/ESL learners: a review of literature. International journal of humanities and social science, v. 2, p.162-169, 2012.

Downloads

Publicado

2019-06-01

Como Citar

Campos, B. da S., & Salomão, A. C. B. (2019). Estratégias de aprendizagem no Teletandem: o que os aprendizes de língua inglesa afirmam fazer para aprender nesse contexto?. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 18(1), 133–160. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/horizontesla/article/view/25100

Edição

Seção

Artigos