Estratégias de aprendizagem no Teletandem: o que os aprendizes de língua inglesa afirmam fazer para aprender nesse contexto?

Autores

  • Bruna da Silva Campos UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Ana Cristina Biondo Salomão UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Palavras-chave:

ensino-aprendizagem de línguas, estratégias de aprendizagem, telecolaboração, teletandem, língua inglesa

Resumo

As estratégias de aprendizagem vêm sendo pesquisadas na área de ensino e aprendizagem de línguas há muitos anos, uma vez que o foco passou a ser o aluno e não o professor. Muitas pesquisas enfocaram o aprendiz em sala de aula, haja vista que ela era tradicionalmente entendida como um local de excelência para o ensino de línguas. Entretanto, com o advento das tecnologias digitais, surgiram novas ferramentas e modalidades de aprendizagem, como, por exemplo, a telecolaboração a distância orientada pelas relações interculturais. O contexto dessa pesquisa, o Teletandem, encontra-se diretamente relacionado aos recursos de comunicação síncrona com uso de vídeo e voz, que geram oportunidades de interação oral com falantes da língua alvo em propostas de ensino e aprendizagem a distância. O objetivo geral desta pesquisa foi investigar quais estratégias de aprendizagem foram utilizadas pelos participantes nas interações de Teletandem. A metodologia de pesquisa e os instrumentos de coleta de dados foram de natureza qualitativa. Os resultados revelaram que os participantes investigados afirmam utilizar principalmente as estratégias de aprendizagem dos tipos sociais e metacognitivas, que se relacionam a dois princípios do Teletandem: reciprocidade e autonomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANHA, S.; CAVALARI, S.M.S. A trajetória do projeto teletandem Brasil: da modalidade institucional não-integrada à institucional integrada. The Especialist (PUCSP), v. 35, p. 70-88, 2014.

BRAGA, J. C. F. Aprendizagem de línguas em regime de tandem via e-mail: colaboração, autonomia e estratégias sociais. 152f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras da UFMG, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

BRAMMERTS, H. Tandem language learning via the internet and the International E-Mail Tandem Network. In Little, David; Brammerts, H. (Eds.) A Guide to Language Learning in Tandem via the Internet. CLCS Occasional Paper, 46, 1996.

BROWN, D. H. Styles and strategies. In:______(org.). Principles of language learning and teaching. New York: Pearson Education, p.118-151, 2007.

______. Teaching by principles: an interactive approach to language pedagogy. New York: Pearson Education, 2007, 569p.

BURNS, A. Collaborative research for English language teachers. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

CAVALARI, S. M. S. A auto-avaliação em um contexto de ensino-aprendizagem de línguas em tandem via chat. 2009. 243f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto, 2009.

CHAMOT, A. U. Language learning strategy instruction: current issues and research. Annual review of Applied Linguistics, v.25, EUA: Cambridge University Press, p.112-130, 2005.

EVANGELISTA, M.C.R.G.; SALOMÃO, A.C.B. Mediation in Teletandem. PANDAEMONIUM GERMANICUM, v. 22, p. 153-177, 2019.

HURD, S.; LEWIS, T. Language learning strategies in independent settings. Bristol: Multilingual Matters, 2008.

KERN, R.; WARE, P.; WARSCHAUER, M. Crossing Frontiers: New Directions in Online Pedagogy and Research. Annual Review of Applied Linguistics, v. 24, n. 1, p. 243-260, 2004.

LEE, C. K. An overview of language learning strategies. ARECLS, v. 7, p.132-152, 2010.

LUZ, E. B. P. A autonomia no processo de ensino e aprendizagem de línguas em ambiente virtual (Teletandem). 2009. 279f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto, 2009.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

MOITA LOPES, L. P. Pesquisa interpretativista em Lingüística Aplicada: a linguagem como condição e solução. DELTA, v. 10, n. 2, p. 329-338, 1994.

O’MALLEY, J. M.; CHAMOT, A. U. Learning strategies in second language acquisition. Georgetown: Oxford University, 1990.

OXFORD, R. L. Language learning strategies: what every teacher should know. Boston: Heinle & Heinle, 1990.

OXFORD, R. L. Teaching and researching language learning strategies. New York: Routledge, 2011.

OXFORD, R. L. et al. The learning strategy prism: Perspectives of learning strategy experts. System, v. 43, p. 30-49, 2014.

RUBIN, J. What the ‘good language learner’ can teach us. TESOL Quarterly, v. 9, p. 41-51, 1975.

SALOMÃO, A. C. B. A cultura e o ensino de língua estrangeira: perspectivas para a formação continuada no Projeto Teletandem Brasil. 2012. 270f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto.

______. A formação do formador de professores: perspectivas de colaboração entre graduandos e pós-graduandos no projeto Teletandem Brasil. Revista Brasileira de Linguistica Aplicada, v. 11, n. 3, p. 653-677, 2011.

SALOMÃO, A. C. B.; SILVA, A. C.; DANIEL, F. G. A aprendizagem colaborativa in-tandem: Um olhar sobre seus princípios. In: JOÃO A. TELLES. (Org.). Teletandem: um contexto virtual, autônomo e colaborativo para a aprendizagem de línguas no século XXI. 1ed. Campinas: Pontes, 2009, p. 75-92.

SILVA, A. C. O desenvolvimento intra-interlinguístico in tandem a distância (Português e Espanhol). 2008. 358f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto, 2008.

SILVA, G. B. A. Estratégias de aprendizagem na aula de língua estrangeira: um estudo com formandos em Letras. 2006. 125 p. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006.

SOARES, C. M. B. Reflexões Críticas sobre Processos de Aprendizagem de Universitários. 2013. Dissertação (Dissertação: Mestrado Profissional em Educação) - Universidade Federal de Lavras, p.51-63.

SOUZA, R. A. Telecolaboração e divergência em uma experiência de aprendizagem de português e inglês como línguas estrangeiras. Revista Brasileira de Lingüística Aplicada, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 73-96, 2003.

STERN, H. H. What can we learn from the good language learner? Canadian Modern Language Review, 34, p. 304-318, 1975.

TELLES, J. A. Learning foreign languages in Teletandem: Resources and strategies. DELTA, v. 31, p. 603-632, 2015.

TELLES, J. A. Teletandem: Metamorfoses impostas pela tecnologia sobre o ensino de línguas estrangeiras. In:______(Org.). Teletandem: um contexto virtual, autônomo e colaborativo para aprendizagem de línguas estrangeiras no século XXI. Campinas: Pontes Editores, 2009, p. 63-74.

TELLES, J. A. Projeto Teletandem Brasil: línguas estrangeiras para todos - ensinando e aprendendo línguas estrangerias in-tandem via MSN Messenger. Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP, 2006. Disponível em: http://www.Teletandembrasil.org/site/docs/TELETANDEM_BRASIL_completo.pdf

TELLES, J. A.; VASSALLO, M. L. Foreign language learning in-tandem: Teletandem as an alternative proposal in CALLT. The ESPecialist, v. 27, n. 2, p. 189-212, 2006..

THORNE, S. L. Pedagogical and praxiological lessons from internet-mediated intercultural foreign language education research. In: BELZ, J. A.; THORNE, S. L. (Eds.). AAUSC 2005: Internet-mediated intercultural foreign language education. Boston: Thomson Heinle, 2006.

VASSALLO, M.L.; TELLES, J. A. Foreign language learning in-tandem: Theoretical principles and research perspectives. The ESPecialist, v. 27, n. 1, p. 83-118, 2006.

VILAÇA, M. L. C. A importância de pesquisas em estratégias de aprendizagem no ensino de línguas estrangeiras. Cadernos do CNLF (CiFEFil), v. 15, p. 208-220, 2010.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WHITE, C. Language Learning Strategies in Independent Language Learning: An Overview. In: HURD, S.; LEWIS, T. Language learning strategies in independent settings. Bristol: Multilingual Matters, 2008, p. 3-24.

WILLIAMS M.; BURDEN, R.L. How does the learner deal with the process of learning? In: ______. (Org.). Psychology for language teachers. 6 ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. p. 143-166.

ZARE, P. Language learning strategies among EFL/ESL learners: a review of literature. International journal of humanities and social science, v. 2, p.162-169, 2012.

Publicado

2019-06-01

Como Citar

Campos, B. da S., & Salomão, A. C. B. (2019). Estratégias de aprendizagem no Teletandem: o que os aprendizes de língua inglesa afirmam fazer para aprender nesse contexto?. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 18(1), 133-160. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/horizontesla/article/view/25100

Edição

Seção

Artigos