Gilberto Freyre e a educação: raça, democracia e ensino de história e cultura afro-brasileiras

Autores

  • Amurabi Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v21i44.4500

Palavras-chave:

Gilberto Freyre. Ley 10.639/03;, Enseñanza de la historia y la cultura afro-brasileña;, Antropología de la educación

Resumo

O advento da Lei n.º 10.639/03 tem nos levado a uma série de problematizações em torno de nossa cultura e identidade, revisitando um questionamento que foi corriqueiro no pensamento social brasileiro nos anos de 1920-30: quem nós somos? Para nos auxiliar na tentativa de responder a esta pergunta, proponho neste artigo a realização de uma reflexão em torno das contribuições da obra de Gilberto Freyre (1900-1987) para esta questão, o que será desenvolvido a partir de dois eixos: no primeiro, buscarei explanar a relação entre raça e educação no pensamento do autor; no segundo, o foco recairá sobre a interpretação de Freyre em torno da cultura africana na constituição da sociedade brasileira, e neste ponto farei um esforço em indicar como tal interpretação pode contribuir para a discussão que vem sendo trazida por meio da Lei n.º 10.639/03.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMADO, Gilberto et al. Gilberto Freyre - sua ciência, sua filosofia, sua arte: ensaios sobre o autor de “Casa-Grande & Senzala” e sua influência na moderna cultura do Brasil, comemorativos do 25º aniversário da publicação deste seu livro. Rio de Janeiro: José Olympio, 1962.

ANDRADE, Manuel Correia de. Gilberto Freyre e os grandes desafios do século XX.Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BASTOS, Elide Rugai. As criaturas de prometeu: Gilberto Freyre e a formação da sociedade brasileira. São Paulo: Global, 2006.

BRASIL. Lei nº 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 10 de janeiro 2003.

BRASIL. Orientações e ações para educação das relações etnico-raciais. Brasília: SECAD, 2006.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações etnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana s. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 003/2004. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de maio 2004.

BURKE, Peter. Gilberto Freyre e a nova história. Tempo soc., 1997, v.9, n.2, pp.1-12.

CARDOSO, Fernando Henrique. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CONSORTE, Josildeth Gomes. Culturalismo e educação nos anos 50: O desafio da diversidade. Cad. CEDES, 1997, v.18, n. 43, pp.26-37.

LARRETA, Enrique Rodríguez; GIUCCI, Guilhermo. Gilberto Freyre: uma biografia cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

LEHMANN, David. Gilberto Freyre: a reavaliação prossegue. Horiz. antropol., 2008, v.14, n. 29, pp.369-385.

LEVI-STRAUSS, Claude. O Cru e o cozido. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

FREYRE, Gilberto. Açúcar: uma sociologia do doce, com receitas de bolos e doces do nordeste do Brasil. São Paulo: Global, 2007.

_______. Além do apenas moderno: sugestões em torno de possíveis futuros do homem, em geral, e do homem brasileiro, em particular. São Paulo: Global, 2001a.

_______. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economina patriarcal. São Paulo: Global, 2005.

_______. Como e porque sou e não sou sociólogo. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1968.

_______. Interpretações do Brasil: aspectos da formação social brasileira como processo de amalgamento de raças e culturas. São Paulo: Companhia das Letras, 2001b.

_______. Novo mundo nos trópicos. São Paulo: Global, 2011.

_______. O anarquista de apipucos. [15 de março, 1980]. Recife: Parceiros do Tempo. Entrevista concedida a Lêda Rivas. Disponível em: http://bvgf.fgf.org.br/portugues/vida/entrevistas/anarquista.html: Acesso em: 16 de abr. 2014.

_______. Ordem & progresso: processo de desintegração das sociedades patriarcal e semipatriarcal no Brasil no Brasil sob o regime de trabalho livre: aspectos de um quase meio-século de transição do trabalho escravo para o trabalho livre; e da monarquia para a república. São Paulo: Global, 2004.

_______. Palavras à s professoras rurais do nordeste. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1957.

_______. Palavras repatriadas. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2003.

_______. Problemas brasileiros de antropologia. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1973.

_______. Sobrados & mucambos: decadência do patriarcado e desenvolvimento do urbano. Global: São Paulo, 2006.

_______. Vida social no Brasil nos meados do século XIX. São Paulo: Global, 2008.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

GOMES, Nilma Lino; JESUS, Rodrigo E.. As práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva de Lei 10.639/2003: desafios para a política educacional e indagações para a pesquisa. Educar em Revista, s/v., n. 47, pp. 19-33, 2013.

_______. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educação & Sociedade, v. 33, n. 120, pp. 727-744, 2012.

GUSMÃO, Neusa Mendes de. Africanidades e Brasilidades: desafio da formação docente. REALIS - Revista de Estudos Antiutilitaristas e poscoloniais, v. 2, n. 2, pp. 93-108, 2012.

MEUCCI, Simone. Gilberto Freyre e a sociologia no Brasil: da sistematização à constituição do campo científico. 2006. Tese (Doutorado em Sociologia) ”“ Iinstituto do Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

_______. Gilberto Freyre e o tema da educação: o Centro Regional de Pesquisas Educacionais do Recife. In: 36o Encontro Anual da ANPOCS, 2012, Águas de Lindóia. Disponível em: <http://portal.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=do c_view&gid=8160& Itemid=217>. Acesso em: 12 abr. 2014.

MOTTA, Roberto. Paradigmas de interpretação das relações raciais no Brasil. Estudos Afro-Asiáticos, s/v., n. 38, pp. 113-134, 2000.

_______. Reação a Max Weber no pensamento brasileiro: O caso de Gilberto Freyre. Estudos de Sociologia, v. 13, n. 1, pp. 185-206, 2008.

MOTTA, Roberto; FERNANDES, Marcionilia. Gilberto Freyre: região, tradição, trópico e outras aproximações. Rio de Janeiro: Instituto Miguel de Cervantes, 2013.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia. Gilberto Freyre ”“ um vitoriano nos trópicos. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia; BURKE, Peter. Repensando os trópicos: um retrato intelectual de Gilberto Freyre. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

RODRIGUES, Tatiane Cosentino; ABRAMOWICZ, Anete. O debate contemporâneo sobre a diversidade e a diferença nas políticas e pesquisas em educação. Educ. Pesqui., 2013, v.39, n.1, pp.15-30.

SCHWARCZ, Lilia Mortiz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SOUZA, Jessé. Gilberto Freyre e a singularidade cultural brasileira. Tempo Social. v. 12, n. 1, 2000.

WEBER, Silke. O Professor e o papel da educação na sociedade. Papirus: Campinas, 1996.

Downloads

Publicado

18.05.2015

Como Citar

Oliveira, A. (2015). Gilberto Freyre e a educação: raça, democracia e ensino de história e cultura afro-brasileiras. Linhas Crí­ticas, 21(44), 159–177. https://doi.org/10.26512/lc.v21i44.4500

Edição

Seção

Dossiê 2015 - Antropologia e Educação

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)