Quando a queixa é Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc28202240200

Palavras-chave:

Processos de ensino e de aprendizagem, Medicalização, Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, Educação Especial

Resumo

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) emerge como justificativa para problemas na escolarização, sendo muitas vezes resultado de uma avaliação rápida e superficial. Diante disso, neste estudo, investigou-se a variação no número de laudos de TDAH, entre 2015 e 2020, em escolas públicas, constatando-se um aumento de 594%. Questiona-se a concepção biologizante do TDAH, cuja consequência é a medicalização. Propõe-se o desenvolvimento da atenção e do controle voluntário do comportamento no conjunto das funções psicológicas. Aponta-se a importância de um planejamento fundamentado na concepção histórico-cultural e a premência de investimento público na qualificação docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lidia Sica Szymanski, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, PR, Brasil

Pós-Doutora em Psicologia, Desenvolvimento Humano e Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Docente do Programa Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Aprendizagem e Ação Docente (GPAAD-UNIOESTE). E-mail: szymanski_@hotmail.com

Andrise Teixeira, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, PR, Brasil

Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) (2021). Docente da Secretaria do Estado da Educação do Paraná (SEED-PR) e da Secretaria Municipal de Educação de Cascavel, PR (SEMED). Integrante do Grupo de Pesquisa Aprendizagem e Ação Docente (GPAAD-UNIOESTE). E-mail: andrise@hotmail.com

Referências

Alves, M. D., & Guareschi, T. (2012). Modulo II – AEE (AEE). Em A. C. P. Siluk. Formação de professores para o Atendimento Educacional Especializado (pp. 33-60). Universidade Federal de Santa Maria.

American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (5ª ed.). Artmed. http://www.niip.com.br/wp-content/uploads/2018/06/Manual-Diagnosico-e-Estatistico-de-Transtornos-Mentais-DSM-5-1-pdf

Andrade, S. L., Gomes, A. P., Nunes, A. B., Rodrigues, N. S., Lemos, O., Rigueiras, P. O., & de Farias, L. R. (2018). Ritalina, uma droga que ameaça a inteligência. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, 7(1), 99-112. https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rmsbr/article/view/8810/5727

Brasil. (2001). Resolução n.º 02 de 11 de setembro de 2001 (Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica). Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf

Brasil. (2009). Resolução 04 de 2 de outubro de 2009 (Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial). Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf

Caliman, L. V. (2008). O TDAH: entre as funções, disfunções e otimização da atenção. Psicologia em estudo, 13(3), 559-566. https://www.scielo.br/j/pe/a/dMWSQRntTwZwHpXBTswQHhv

Caliman, L. V., & Domitrovic, N. (2013). Uma análise da dispensa pública do metilfenidato no Brasil: o caso do Espírito Santo. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 23(3), 879-902. https://doi.org/10.1590/S010373312013000300012

Capellini, V. L. M. F., & Mendes, E. G. (2007). O ensino colaborativo favorecendo o desenvolvimento profissional para a inclusão escolar. Educere et Educare, 2(4), 113-128. https://doi.org/10.17648/educare.v2i4.1659

Dicionário Online de Português. (2022). Capacidade. Dicionário Online de Português. https://www.dicio.com.br/capacidade/

Eidt, N. M., & Ferracioli, M. U. (2007). O ensino escolar e o desenvolvimento da atenção e da vontade: Superando a concepção organicista do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Em A. Arce, & L. M. Martins. Quem tem medo de ensinar Educação Infantil? Em defesa do ato de ensinar (pp. 93-123). Alínea.

Eidt, N. M., & Tuleski, S. C. (2010). Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade e psicologia histórico-cultural. Cadernos de Pesquisa, 40(139), 121-146. https://doi.org/10.1590/S0100-15742010000100007

Honnef, C. (2018). O trabalho docente articulado com concepção teórico-prática para a educação especial. [Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Maria]. Repositório Institucional da UFSM. https://repositorio.ufsm.br/handle/1/15837

Leontiev, A. N. (1978). O desenvolvimento do psiquismo. Horizonte.

Luengo, F. C. (2010). A vigilância punitiva: a postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância. Cultura Acadêmica. http://hdl.handle.net/11449/109138

Meira, E. M. M. (2019). Medicalização na e da educação: processos de produção e ações de enfrentamento. Em S. C. Tuleski, & A. F. Franco. O lado sombrio da medicalização da infância: possibilidades de enfrentamento (pp. 225-258). Nau.

Mendes, E. G., Almeida, M. A., & Toyoda, C. Y. (2011). Inclusão escolar pela via da colaboração entre educação especial e educação regular. Educar em Revista, 41, 80-93. https://doi.org/10.1590/S01040602011000300006

Moysés, M. A. A., & Collares, C. A. L. (2010). Dislexia e TDAH: uma análise a partir da ciência médica. Em Conselho Regional de Psicologia de São Paulo (CRP-SP) (Org). Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos (pp. 71-110). Casa do Psicólogo.

Paraná. (2016). Deliberação n.º 02 de setembro de 2016 (Dispõe sobre as Normas para a Modalidade Educação Especial no Sistema Estadual de Ensino do Paraná). Conselho Estadual de Educação. http://www.cee.pr.gov.br/sites/cee/arquivos_restritos/files/migrados/File/pdf/Deliberacoes/2016/Dl_02_16.pdf

Paraná. (2018a). Instrução n.º 09 de 23 de abril de 2018 (Estabelece critérios para o Atendimento Educacional Especializado por meio da Sala de Recursos Multifuncionais, nas áreas da deficiência intelectual, deficiência física neuromotora, transtornos globais do desenvolvimento e para os estudantes com transtornos funcionais específicos nas instituições de ensino do Sistema Estadual de Ensino). Secretaria Estado de Educação. https://www.educacao.pr.gov.br/sites/default/arquivos_restritos/files/documento/2019-12/instrucao_092018.pdf

Paraná. (2018b). Orientação n.º 04 de 2018 (Orientação pedagógica para o Atendimento Educacional Especializado nas Salas De Recursos Multifuncionais nas Escolas Da Rede Pública Estadual). Secretaria de Estado da Educação. Departamento de Educação Especial.

Pelizzetti, I. G., & Carvalho, M. A. (2007). Percurso e desafios dos 10 anos do CRAPE – Centro Regional de Apoio Pedagógico Especializado. Anais do IV Congresso brasileiro multidisciplinar de Educação Especial, Londrina, Paraná, Brasil. http://www.uel.br/eventos/congressomultidisciplinar/pages/arquivos/anais/2007/209.pdf

Santos, C. G. (2019). Relação entre o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e a aprendizagem na produção do conhecimento em programas de pós-graduação em educação no Brasil. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Sergipe]. Repositório Institucional da Universidade Federal do Sergipe. https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/11488

Silva, N. C., & Loos-Sant’Ana, H. (2017). Desenvolvendo Autorregulação Psíquica em Crianças mediante Portfólios de Autoavaliação na Interação Escolar. Paidéia, 27(1), 475-483. https://doi.org/10.1590/1982-432727s1201713

Szymanski, M. L. S., & Teixeira, A. (2021). O Trabalho Colaborativo entre o professor de Educação Especial que atua na Sala de Recursos Multifuncionais e o do ensino comum. Anais da 40ª Reunião Nacional da ANPEd, Belém, Pará, Brasil. http://anais.anped.org.br/p/40reuniao/trabalhos?field_prog_gt_target_id_entityreference_filter=25

Vigotski, L. S. (1995). Obras Escogidas III: Problemas del desarrollo de la psique. Visor.

Publicado

23.02.2022

Como Citar

Szymanski, M. L. S., & Teixeira, A. (2022). Quando a queixa é Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Linhas Crí­ticas, 28, e40200. https://doi.org/10.26512/lc28202240200

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.