Pensamento ecossistêmico e transdisciplinar

trilhando caminhos na perspectiva da Ecologia dos Saberes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.34338

Palavras-chave:

Educação, Paradigma, Saberes, Complexidade, Pensamento Ecossistêmico

Resumo

Vivemos em uma época marcada por transformações de ordem social e cultural. Na base dessas mudanças, presenciamos uma transição paradigmática na forma de conceber e produzir o conhecimento. Buscaremos discutir qual paradigma é capaz de religar conhecimentos, construindo para uma visão complexa do universo. Objetiva-se compreender a relevância do paradigma emergente com base no diálogo entre conhecimentos científicos e saberes da experiência como possibilidade de romper com o reducionismo e a fragmentação do paradigma tradicional, visto que a visão ecossistêmica e transdisciplinar nos espaços escolares e nas práticas pedagógicas possibilita edificar uma educação mais humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José de Pinho, Universidade Federal do Tocantins, Brasil

Doutora em educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP (2004). Professora associada e bolsista produtividade, do CNPQ, categoria 2. Professora titular da Universidade Federal do Tocantins nos cursos de graduação, e programas de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) PPGE, PPGL e PGEDA/UFT Membro da Rede Internacional de Escolas Criativas ”“ RIEC. E-mail: mjpgon@mail.uft.edu.br

Marina Carla da Cruz Queiroz, Universidade Federal do Tocantins, Brasil

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Goiás ”“ UEG (2004). Mestranda em Educação pela Universidade Federal do Tocantins ”“ UFT. Professora efetiva da rede municipal de Ensino de Palmas ”“ TO. Membro do grupo de pesquisa em Rede Internacional Investigando Escolas Criativas e Inovadoras. E-mail: marina.queiroz@mail.uft.edu.br

José Carlos da Silveira Freire, Universidade Federal do Tocantins, Brasil

Doutor em educação pela Universidade Federal de Goiás UFG (2013). Professor adjunto da Universidade Federal do Tocantins ”“UFT, docente e orientador no Programa de Mestrado Profissional em Educação. E-mail: cfreire@uft.edu.br

Referências

Arnt, R. de M. (2007). Docência Transdisciplinar: em busca de novos princípios para ressignificar a prática educacional. [Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. TEDE. https://tede2.pucsp.br/handle/handle/9979

D’Ambrósio, U., Guevara, A. J. D. H., Hoeffel, J. L., & Viana, R. M. (1998). Conhecimento, cidadania e meio ambiente. Peirópolis.

Freire, J. C. S. (2017). Fundamentos sócios históricos do trabalho pedagógico na educação escolar: aproximação conceituais. Anais do III Seminário da Rede Internacional de Escolas Criativas (RIEC), Palmas. http://hdl.handle.net/11612/868

Galvani, P., & Pineau, G. (2012). Experiências de vida e formação docente: religando saberes ”“ um método reflexivo e dialógico. Em M. C. Moraes, & M. C. Almeida (Ed.). Os sete saberes necessários à educação do presente: por uma educação transformadora (pp. 205-225). Wak.

Holanda, M. J. B. (2014). Consciência espiritual no ato docente. [Dissertação de Mestrado, Universidade Católica de Brasília]. Biblioteca Digital de Dissertações da Universidade Católica de Brasília ”“ UCB. http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/7727

Kuenzer, A. Z. (2002). As mudanças no mundo do trabalho e a educação: novos desafios para a gestão. Em N. S. S. Ferreira (Ed.) Gestão democrática da educação: atuais tendências, novos desafios (pp. 297-318). Cortez.

Maturana, H. (2002). Transformación en la convivência. Dólmen.

Moraes, M. C. (1997). O paradigma educacional emergente. Papirus.

Moraes, M. C. (2004) Pensamento eco-sistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Vozes.

Moraes, M. C. (2008a). Ecologia dos Saberes: complexidade, transdisciplinaridade e educação. Novos fundamentos para iluminar novas práticas educacionais. Antakarana.

Moraes, M. C. (2008b). Pensamento ecossistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Vozes.

Moraes, M. C., & Torre, S. D. L. (2004). Sentipensar: fundamentos e estratégias para reencantar a educação. Vozes.

Morin, E. (1998). Ciência com consciência. Bertrand.

Morin, E. (2002). O método IV: as ideias: a sua natureza, a vida, habitat e organização. Publicações Europa ”“ América.

Morin, E. (2003). A Cabeça Bem Feita: repensar a reforma, reformar o pensamento (15ª ed.). Bertrand Brasil.

Morin, E. (2009). Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. Em M. D. C. Almeida, & E. D. A. Carvalho (Ed.). Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios (5ed, pp. 1-104). Cortez.

Nascimento, P. L. (2017). Pensamento ecossistêmico e educação: transformação social por meio da convivência. Em M. V. R. Suanno (Ed.). Caminhos arados para florescer ipês: Complexidade e transdisciplinaridade na educação ”“ Homenagem à Maria Cândida Moraes e suas obras (pp. 209-224). EDUFT.

Nicolescu, B. (2000). Um novo tio de conhecimento: Transdisciplinaridade. Em A. Sommerman, M. F. de Mello, & V. M. de Barros (orgs). Educação e transdisciplinaridade I. Unesco.

Pinho, M. J., & Passos, V. M. D. A. (2018). Complexidade, Ecoformação e transdisciplinaridade: por uma formação docente sem fronteiras teóricas. Revista Observatório, v. 4, n. 2, p. 433-457, abr-jun. https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2018v4n2p433

Santos, B. de S. (2008). Um discurso sobre as ciências (5 ed). Cortez.

Saviani, D. (1999). Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações (3 ed). Cortez & Autores Associados.

Torre, S. D. L., & Moraes, M. C. (2009) Metodologia de desarrolo cossistêmico. Mimeo.

Torre, S. de la. (2008). Transdisciplinaridade e ecoformação: um novo olhar sobre a educação. Triom.

Torre, S. S., Moraes, M. C., Tejada, J., & Pujol, M. A. (2011). Decálogo sobre transdisciplinariedad y ecoformación. Em S. Torre, M. A. Pujol, & M. C. Moraes (Ed.). Documentos para el cambio: hacia una educación transformadora (p. 154). Círculo Rojo.

Vieira, J. D. A. (2000). Organização e sistemas. Informática na educação: teoria & prática, v. 3, n. 1. https://doi.org/10.22456/1982-1654.6363

Wittmann, L. C. (2000). Autonomia da Escola e Democratização de sua Gestão: novas demandas para o gestor. Em Aberto, v. 17, n. 72, pp. 88-96. https://doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.17i72.2121

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

09.02.2021

Como Citar

de Pinho, M. J., da Cruz Queiroz, M. C., & da Silveira Freire, J. C. (2021). Pensamento ecossistêmico e transdisciplinar: trilhando caminhos na perspectiva da Ecologia dos Saberes. Linhas Críticas, 27, 1–16. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.34338