Gêneros orais e literatura no ensino de língua inglesa

  • Vicente Aguimar Parreiras CEFET/Minas Gerais
  • Vera Lúcia Menenezes Paiva Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: ensino de inglês, gêneros orais, texto literário, debate regrado

Resumo

Neste artigo discutimos a importância dos gêneros orais no ensino de inglês e, em seguida, defendemos que obras literárias, além da potencialidade para o desenvolvimento da oralidade em língua estrangeira por meio de debates, podem exercer um importante papel na formação de opinião do jovem estudante acerca do mundo e mudar sua forma de enxergar e reagir a ele. Assim, apresentamos uma experiência em que os alunos em plenária na sala de aula, presidida pelo professor, decidiram sobre as características fundamentais do gênero “debate”; definiram os critérios de elaboração e de avaliação de um "Conselho dos direitos dos magos" em que se discutiu o tema: “o preconceito e a segregação racial em Harry Potter”. Defendemos que essa potencialidade que a literatura tem de estimular a produção de gêneros orais deve ser amplamente explorada no ambiente escolar, baseada principalmente nas interações interpessoais que estimulem a convivência com o outro e a consequente compreensão de suas diferenças e dificuldades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Lúcia Menenezes Paiva, Universidade Federal de Minas Gerais

Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva é professora titular da Faculdade de Letras da UFMG e  pesquisadora do CNPq nível 1 C e apoiada pelo edital PPM da Fapemig. É mestre em Inglês pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais e doutora em Letras, área de Linguística e Filologia, pela Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atua na Graduação e na Pós-Graduação em Estudos Linguísticos. Coordena o Grupo de Pesquisa intitulado “Linguagem e Tecnologia”, registrado no CNPq, e é uma das pioneiras no ensino e pesquisa em educação a distância na área de Letras. Atualmente, coordena o Curso de Especialização em Linguagem Tecnologia e Ensino. É autora de livros e de inúmeros artigos e capítulos de livros publicados no Brasil e no exterior. É coautora das coleções de livros didáticos Alive!, para as séries finais do ensino fundamental, e Alive High, para o ensino médio, ambas aprovadas pelo PBLD.

Referências

AHEARN, L. M. Language and agency. Annual Review of Anthropology, v. 30, p. 109-37, 2001.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Introdução e tradução de Paulo Bezerra. São Paulo, Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec,1979.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação. Parâmetros curriculares nacionais de língua estrangeira moderna. Ministério da Educação. Secretaria de Educação – Brasília: Ministério da Educação, 1998. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_estrangeira.pdf>, acesso em: 24 dez. 2015.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o Ensino Médio, volume 1: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2006. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf>, acesso em 28 dez. 2015.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Ministério da Educação, 1996. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf>, acesso em 30 dez. 2015.

BRASIL, Ministério da Educação. Base nacional comum curricular: educação é a base. Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC.publicacao.pdf>, acesso em 28 mai 2018.

CRISTOVÃO, V. L. L. ; DURÃO, A. B. A. B. ; NASCIMENTO, E. L.. O debate como gênero textual a ser fomentado nas aulas de línguas. Signum, Universidade Estadual de Londrina, v. 5, p. 105-140, 2002.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Pour un enseignement de l'oral: initiation aux genres formels à l'école. Paris: ESF Editeur, 1998.

ELLIS, R. Learning a second language through interaction. Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1999. 285 p

GOMES-SANTOS, S. N. Modos de apropriação do gênero debate regrado na escola: uma abordagem aplicada. DELTA, v. 25, n. 1, p.39-66, 2009.

GONÇALVES, L. F. O gênero oral debate em sala de aula: um estudo de caso. 2009. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: <https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/14610/1/Luciana%20Fabiola%20Goncalves.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2018.

GÜLICH, E. Textsorten in der Kommnunication: In: KALLMEYER, W. (Org.). Kommunikationstypologie. Handlungsmuster,Textsorten, Situationstypen. Düsseldorf: Schwann, 1986. p. 14-45.

LONG, M. H. Native speaker/non-native speaker conversation and the negotiation of comprehensible input. Applied Linguistics, v.4, n.2, 126-141, 1983a.

LONG, M. H. Linguistic and conversational adjustments to non-native speakers. Studies in Second Language Acquisition, v. 5, n. 2, p. 177-193, 1983b.

LONG, M. H. The role of the linguistic environment in second language acquisition. In RITCHE, W.; BHATIA, T. Handbook of second language acquisition. San Diego: Academic Press. 1996, p. 413-468.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: configuração, dinamicidade e circulação. In: KARWOSKI, A.M.; GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. Gêneros textuais: reflexões e ensino. União da Vitória: Kaygangue Gráfica e Editora, 2005. p. 17-33.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MOURA, C. L. Análise de uma proposta de “dinâmica de interações” para gerenciamento de aprendizagem de língua inglesa por alunos da EPTNM. 2018. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

PARREIRAS, V. A. A sala de aula digital sob a perspectiva dos sistemas complexos: uma abordagem qualitativa. 2005. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

PARREIRAS, V. A. Design interacional pedagógico adaptativo complexo de aprendizagem. Conferência: JORNADA NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA DA LÍNGUA PORTUGUESA, 10., 2015, Foz do Iguaçu.

SCHNEUWLY, B.; DOZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

Publicado
2018-12-27
Como Citar
ParreirasV. A., & PaivaV. L. M. (2018). Gêneros orais e literatura no ensino de língua inglesa. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 17(2). https://doi.org/10.26512/rhla.v17i2.23308
Seção
Artigos