Ocupações secundaristas em Santa Catarina

experiência e (auto)formação política

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.36759

Palavras-chave:

Juventude, Movimento Estudantil, Ocupação da escola, Formação política

Resumo

O presente artigo analisa impactos das participações de secundaristas nas ocupações em escolas públicas ocorridas em Santa Catarina, ano de 2016, na sua reconstituição como sujeitos políticos. Em particular, escolas ocupadas no oeste catarinense. Metodologicamente, compreendeu rodas de conversa e entrevistas semiestruturadas com jovens autodenominadas/os ocupas. A partir de um aporte teórico-conceitual interdisciplinar, argumentaremos que estas ocupações foram marcadas por experiências de (auto)formação política e resistência das/dos ocupas em defesa da educação pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Willian Simões, Universidade Federal da Fronteira Sul, Brasil

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (2015). Professor dos Cursos de Graduação [Licenciatura] e Pós-Graduação [Mestrado] em Geografia da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Membro do grupo de pesquisa Espaço, Tempo e Educação. E-mail: willian.simoes@uffs.edu.br

Referências

Alba, R. S. (Org.). (2008). Estudos de Geografia Agrária do Oeste Catarinense. Argos.

Almeida, F. C. de. (2011). O historiador e as fontes digitais: uma visão acerca da internet como fonte primária para pesquisas históricas. Revista do corpo discente do PPG-História da UFRGS, 3(8), 1-22. https://seer.ufrgs.br/aedos/article/view/16776/11939

Arroyo, M. (2011). Currículo, território em disputa (2ª ed.). Vozes.

Borges, S. G., & Silva, R. M. da. (2019). Condição adolescente e socialização política nas ocupações secundaristas em Caxias do Sul, RS. Práxis Educativa, 14(3), 1049-1065. https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.14n3.014

Boutin, A. C. D. B., & Flach, S. F. (2017). O movimento de ocupação de escolas públicas e suas contribuições para a emancipação humana. Inter-Ação, 42(2), 429-446. https://doi.org/10.5216/ia.v42i2.45756

Brasil. (2009). Emenda Constitucional Nº 59, de 11 de Novembro de 2009. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc59.htm

Brasil. (2016a). Proposta de Emenda à Constituição 241/2016. Congresso Nacional do Brasil. Câmara dos Deputados. https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2088351

Brasil. (2016b). Emenda Constitucional Nº 95, de 15 de Dezembro de 2016. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm

Cezarinho, F. A. (2018). História e fontes da internet: uma reflexão metodológica. Temporalidades - Revista de História, 10(1), 320-338. https://periodicos.ufmg.br/index.php/temporalidades/article/view/5878

Corazza, G. (2016). Traços da Formação Socioeconômica do Oeste Catarinense. Em G. Corazza, & J. C. Radin (Orgs.). Fronteira Sul: Ensaios Socioeconômicos (pp. 59-90). Editora Insular.

Corti, A. P. de O., Corrochano, M. C., & Silva, J. A. da. (2016). Ocupar e Resistir: a insurreição dos estudantes paulistas. Educação & Sociedade, 37(137), 1159-1176. https://doi.org/10.1590/es0101-73302016167337

Cruz, L. G. M., & Jahnke, M. E. (2018). As subjetividades no ambiente escolar: o movimento de ocupação de 2016 no oeste catarinense. Três Pontos, 15(1), 20-27. https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistatrespontos/article/view/12068

David, F. M. (2019). Movimento das ocupações escolares: “o fazer político dos jovens secundaristas” no município de Francisco Beltrão-PR. [Dissertação de Mestrado, Universidade do Oeste do Paraná]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõe. http://tede.unioeste.br/handle/tede/4847

Dayrell, J. (2007). A escola faz as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, 28(100), 1105-1128. http://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300022

Dayrell, J., & Carrano, P. (2014). Juventude e Ensino Médio: quem é este aluno que chega à escola. Em J. Dayrell, P. Carrano, & C. L. Maia (Orgs.). Juventude e Ensino Médio (pp. 101-133). Editora UFMG.

Ferreira, C. A. (2017). Formação a Contrapelo: as ocupações estudantis e o exercício da autonomia. 38ª Reunião Nacional da ANPED, São Luis-MA. http://38reuniao.anped.org.br/sites/default/files/resources/programacao/trabalho_38anped_2017_GT14_1117.pdf

Frigotto, G., & Ciavatta, M. (Org.). (2016). Teoria e educação no labirinto do capital (4ª Ed.). Expressão Popular.

Groppo, L. A., & Oliveira, M. A. (2021) Ocupações secundaristas em Minas Gerais: subjetivação política e trajetórias. Educação e Sociedade, v. 42, 1-18. http://doi.org/10.1590/es.240770

Groppo, L. A., & Silva, R. M. D. da. (2020). Experiência e subjetivação política nas ocupações estudantis no Rio Grande do Sul. Estudos Avançados, 34(99), 409-424. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3499.024

Groppo, L., & Silveira, I. B. (2020). Juventude, classe social e política: reflexões teóricas inspiradas pelo movimento das ocupações estudantis no Brasil. Argumentum, 12(1), 7-21. https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/30125

Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea). (2006). Brasil: o estado de uma nação – mercado de trabalho, emprego e informalidade. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5535

Magnoni, M. da G. M., & Figueiredo, W. dos S. (2019). Geografia e Tecnologia: o Ciberespaço como dimensão socioespacial. Ciência Geográfica, Ano XXIII, v. XXIII, n. 2, 590-603. https://agbbauru.org.br/publicacoes/revista/anoXXIII_2/agb_xxiii_2_web/agb_xxiii_2-19.pdf

Marcon, T., Dourado, I. P., & Mezadri, N. J. (2020). Potencialidades e limites político-educativos das mobilizações no Brasil: desafios de tradução. Linhas Críticas, v. 26, 1-18. https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/29703

Martins, S. A. (2006). As contribuições téorico-metodológicas de E. P. Thompson: experiência e cultura. Em Tese, 2(2), 113-126. https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/13539

Melo, M. C. H. de, & Cruz, G. de C. (2014). Roda de Conversa: uma proposta metodológica para a construção de um espaço de diálogo no Ensino Médio. Imagens da Educação, 4(2), 31-39. https://doi.org/10.4025/imagenseduc.v4i2.22222

Moura, A. F., & Lima, M. G. (2014). A Reinvenção da Roda: Roda de Conversa: um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, 23(1), 98-106. https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/18338

Picoli, B. A. (2012). Sob os desígnios do progresso. News Print.

Rancière, J. (2006). O dissenso. Em A. Novaes (Org.). A crise da razão (2ª ed.). Cia. das Letras.

Rancière, J. (2010). O espectador emancipado. Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas, 2(15), 107-122. https://doi.org/10.5965/1414573102152010107

Rancière, J. (2014). O ódio à democracia. Boitempo.

Reis, V. (2017). Ocupar e Resistir: estudantes catarinenses em defesa da escola pública. Argumentos Pró-Educação, 2(5), 235-258. https://doi.org/10.24280/ape.v2i5.196

Saquet, M. A. (2009). Por uma abordagem territorial. Em M. A. Saquet, & E. S. Sposito. Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos (pp. 73-94). Expressão Popular.

Saquet, M. A. (2013). Abordagens e concepções sobre território (3ª Ed.). Outras Expressões.

Silva, A. de P., & Azevedo, S. de C. (2019). A escola como território: relações de poder e políticas educacionais. Caderno de Geografia, 29(2), 55-69. https://doi.org/10.5752/P.2318-2962.2019v29n2p55-69

Silva, M. R. da. (2020). Ampliação da obrigatoriedade escolar no Brasil: o que aconteceu com o Ensino Médio. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, 28(107), 274-291. http://doi.org/10.1590/s0104-40362019002701953

Sordi, D. N., & Morais, S. P. (2016). Os estudantes estão famintos! Ousadia, ocupação e resistência dos estudantes secundaristas no Brasil. Religación. Revista de Ciencias Sociales y Humanidades, 1(2), 25-43. http://biblioteca.clacso.edu.ar/Ecuador/rgn/20160801051928/de_sordi_morais.pdf

Souza, M. L. de. (2000). O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. Em I. E. de Castro, P. C. da C. Gomes, & R. L. Corrêa (Orgs.). Geografia: conceitos e temas (pp. 77-116). Bertrand Brasil.

Szymanski, H. (Org.). (2018). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva (5ª ed.) Autores Associados.

Thompson, E. P. (1981). A Miséria da Teoria ou um planetário de erros. Zahar Editores.

Thompson, E. P. (1987). A formação da classe operária inglesa. Paz e Terra.

Weller, W. (2006). Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teórico-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, 32(2), 241-260. https://doi.org/10.1590/S1517-97022006000200003

Young, M. (2007). Para que servem as escolas? Educação & Sociedade, 28(101), 1287-1302. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000400002

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

05.05.2021

Como Citar

Simões, W. (2021). Ocupações secundaristas em Santa Catarina: experiência e (auto)formação política. Linhas Críticas, 27, 1–19. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.36759

Edição

Seção

Dossiê: As dimensões educativas da luta