Horizontes da luta pelo transporte público universal

a experiência do Tarifa Zero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.36336

Palavras-chave:

Movimentos Sociais e Educação, Participação Política, Juventude, Movimento Tarifa Zero

Resumo

Apresenta os resultados de uma pesquisa sobre o Coletivo Tarifa Zero de Belo Horizonte, Minas Gerais. O caminho da pesquisa partiu da copesquisa militante como escolha metodológica, em diálogo com a pesquisa participante. Os resultados da pesquisa apontam para um desejo de participar dos destinos e processos decisórios em relação à cidade, incidindo sobre as questões públicas. Dois elementos eram centrais nos discursos dos/as jovens: 1. O alargamento da sensibilidade sobre os destinos da urbe, advindo dos aprendizados propiciados pela experiência participativa; 2. O direito à mobilidade urbana associado à democratização do transporte público a partir do agir coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Thiago Moreira Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2017). Pesquisador e membro do Observatório da Juventude da Faculdade de Educação - UFMG. E-mail: igor1871prof@gmail.com

Geraldo Leão, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

Pós-Doutor em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2008). Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Líder do Grupo de Pesquisa Observatório da Juventude da UFMG. E-mail: gleao2001@gmail.com

Referências

Arantes, P. (2014). O novo tempo do mundo: e outros estudos sobre a era da emergência. Boitempo.

Baquero, M., Baquero, R., & Morais, J. (2016). Socialização política e internet na construção de uma cultura política juvenil no sul do brasil. Educação & Sociedade, 37(137), 989-1008, 2016. http://doi.org/10.1590/es0101-73302016166022

Braga, R., & Santana, M. (2015). Dinâmicas da ação coletiva no Brasil contemporâneo: encontros e desencontros entre o sindicalismo e a juventude trabalhadora. Cadernos CRH, 28(75), 529-544. https://doi.org/10.1590/S0103-49792015000300006

Brandão, C. (1981). Pesquisa Participante. Editora Brasiliense.

Brenner, A. K. (2011). Militância de jovens em Partidos Políticos: um estudo de caso com universitários. [Tese de doutorado, Universidade de São Paulo]. Repositório Institucional da USP. http://doi.org/10.11606/T.48.2011.tde-10082011-144625

Campos, A., Medeiros, J., & Ribeiro, M. (2016). Escolas de Luta. Veneta.

Castelfranchi, Y. (2016). Política Hacker - O desafio da cidadania tecnocientífica na democracia contemporânea. Em R. Mendonça, M. Pereira, & F. Filgueiras. Democracia digital: publicidade, instituições e confronto político (pp. 307-332). Editora UFMG.

Cava, B. (2013). A copesquisa militante no autonomismo operaísta. Revista Lugar Comum, 37-38, 17-38. https://uninomade.net/tenda/a-copesquisa-no-operaismo-autonomista

Coradini, O. (2008). Estudos de Grupos Dirigentes no Rio Grande do Sul: algumas contribuições recentes. Editora UFRGS.

Dagnino, E. (2002). Sociedade e espaços públicos no Brasil. Paz e Terra.

Domingues, L. (2016). Tecendo Amanhãs: Estado, Direito e Capitalismo aos olhos do Tarifa Zero – BH e Comitê Popular dos Atingidos pela Copa – BH. [Monografia de conclusão de curso de graduação, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Academia. https://www.academia.edu/29101339/TECENDO_AMANH%C3%83S_Estado_Direito_e_Capitalismo_aos_olhos_do_Tarifa_Zero_BH_e_do_COPAC_BH_Monografia

Firminiano, F. (2009). A formação cultural dos jovens do MST: a experiência do assentamento Mário Lago, em Ribeirão Preto (SP). Editora UNESP.

Fischer, J. (2016). Os limites da sociedade civil no regulamento da vida política. Em R. Mendonça, M. Pereira, & F. Filgueiras. Democracia digital: publicidade, instituições e confronto político (pp. 183-202). Editora UFMG.

Harvey, D. (2014). Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. Martins Fontes.

Mannheim, K. (1982). Sociologia. Ática.

Marcon, T., Dourado, I. P., & Mezadri, N, J. (2020). Potencialidades e limites político-educativos das mobilizações no Brasil: desafios de tradução. Linhas Críticas, 26, 3-18. https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/29703/27593

Martins, S. (2013). Movimentos sociais e educação do campo: a experiência dos jovens do MST no Paraná. Educação em Foco, 18(1), 209-231. https://www.ufjf.br/revistaedufoco/files/2014/06/texto-8.pdf

Oliveira, I. T. M. (2017). Sonhos diurnos em meio aos destroços do presente: o movimento Tarifa Zero e a luta pelo direito ao transporte em Belo Horizonte. [Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Institucional da UFMG. http://hdl.handle.net/1843/BUOS-BA6KUF

Oliveira, W. (2008). Engajamento Político, Competência e Elites Dirigentes do Movimento Ambientalista. Revista de Sociologia e Política, 16(30), 167-186. https://www.scielo.br/pdf/rsocp/v16n30/11.pdf

Ortellado, P. (2013). Os protestos de junho entre o processo e o resultado. Em E. Judensnaider, L. Lima, P. Ortellado, & M. Pomar. Vinte Centavos: a luta contra o aumento (pp. 226-238). Editora Veneta.

Petrarca, F. R. (2007). O Jornalismo como Profissão: recursos sociais, titulação acadêmica e inserção profissional dos jornalistas no Rio Grande do Sul. [Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Repositório Institucional da UFRGS. http://hdl.handle.net/10183/10761

Reis, J. B. (2014). Transversalidade nos modos de socialização e individuação: experiências juvenis em rede. [Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Institucional da UFMG. http://hdl.handle.net/1843/BUOS-9QJJ9K

Roggero, G. (2013). Breves notas sobre o método. Produção de saber e copesquisa. Revista Lugar Comum, 39, 91-96. http://uninomade.net/wp-content/files_mf/111206131220ProvaFinal2_LugarComum39.pdf

Seidl, E. (2008). Entrando no mundo da Igreja: o Estudo de Elites Eclesiásticas. Em O. Coradini. Estudos de Grupos Dirigentes no Rio Grande do Sul: algumas contribuições recentes (pp. 76-95). Editora da UFRGS.

Seidl, E. (2014). Notas sobre ativismo juvenil, capital militante e intervenção política. Política & Sociedade, 13(28), 63-78. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2014v13n28p63

Sherer-Warren, I. (2006). Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, 21(1), 109-130. https://doi.org/10.1590/S0102-69922006000100007

Sousa, J. (2015). A experiência contemporânea da política entre jovens brasileiros. Em debate/UFSC. https://issuu.com/editoriaemdebate/docs/experiencia-politica-jovens

Tomizaki, K., Carvalho-Silva, H. H., & Silva, M. G. V. (2016). Socialização política e politização entre famílias do movimento dos trabalhadores sem teto. Educação & Sociedade, 37(137), 935-954. https://doi.org/10.1590/es0101-73302016166488

Veloso, A. (2015). O ônibus, a cidade e a luta: a trajetória capitalista do transporte urbano e as mobilizações populares na produção do espaço. [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Academia. https://www.academia.edu/17094032/O_%C3%B4nibus_a_cidade_e_a_luta_a_trajet%C3%B3ria_capitalista_do_transporte_urbano_e_as_mobiliza%C3%A7%C3%B5es_populares_na_produ%C3%A7%C3%A3o_do_espa%C3%A7o

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

31.03.2021

Como Citar

Moreira Oliveira, I. T., & Magela Pereira Leão, G. (2021). Horizontes da luta pelo transporte público universal: a experiência do Tarifa Zero. Linhas Críticas, 27, 1–18. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.36336

Edição

Seção

Dossiê: As dimensões educativas da luta