Escolarização do negro na província do Pará no final do século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.35272

Palavras-chave:

Escolarização, Negro, Pará, História da Educação

Resumo

O presente trabalho trata da escolarização do negro na província do Pará no final do século XIX. Para o desenvolvimento desta pesquisa, utilizamos a metodologia de natureza bibliográfica e documental. A partir das análises realizadas, podemos concluir que a educação paraense aos negros era excludente e que as ações do Governo em relação à escolarização foram marcadas por uma mínima atuação no quesito inserção escolar. No entanto, foi possível identificar a presença de negros nas iniciativas de instituições particulares. Tais iniciativas eram descontínuas, o que evidenciou a ausência da inserção escolar dos negros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iza Andrielle Batista Duarte Madeira, Universidade Federal do Pará, Brasil

Graduada em pedagogia pela Universidade Federal do Pará UFPA (2019). Integrante vinculado ao Laboratório de Pesquisas em Memória e História da Educação (LAPEM) e do Grupo de Estudos em Educação no Pará na Primeira República (GEPRE). E-mail: iza_abduarte@hotmail.com

Karla Nazareth Corrêa de Almeida, Universidade Federal do Pará, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2017). Atualmente é professora Associada II da Universidade Federal do Pará e líder do Grupo de Estudos em Educação no Pará na Primeira República (GEPRE). E-mail: almeida@ufpa.br

Alberto Damasceno, Universidade Federal do Pará, Brasil

Professor Titular da Universidade Federal do Pará, docente do Programa de Pós-graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica (PPEB) e do Programa de Pós-graduação em Educação na Amazônia (PGEDA). Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998). Atualmente coordena o Laboratório de Pesquisas em Memória e História da Educação (LAPEM) e é vice coordenador do Grupo de Estudos em Educação no Pará na Primeira República (GEPRE). E-mail: albertod@ufpa.br

Lucas dos Santos da Silva, Universidade Federal do Pará, Brasil

Graduando do Curso de Pedagogia pela Universidade Federal do Pará UFPA, graduado em História pela Faculdade Integrada Brasil Amazônia (FIBRA) (2019). Bolsista PROEX ( Pró- Reitoria de Extensão) vinculado ao Laboratório de Pesquisas em Memória e História da Educação (LAPEM) e voluntário no Grupo de Estudos em Educação no Pará na Primeira República (GEPRE). E-mail: lucasdossantosdasilva902@gmail.com

Referências

Almanach do Pará. (1873). Almanach do Pará, ano 4. http://memoria.bn.br/pdf/705985/per705985_1873_00001.pdf

Annuncios. (1888, novembro 25). Club 13 de Maio. O Liberal do Pará, ano 18, n. 266, p. 3.

Ave Libertas! Viva o 13 de maio de 1888! (1888, maio 15). O Liberal do Pará, ano 18, n. 110, p. 2.

Barata, M. (1888, maio 31). Liga Redentora. O Liberal do Pará, ano 18, n. 122, p. 2.

Barata, M. (1973). Formação histórica do Pará. Universidade Federal do Pará. https://livroaberto.ufpa.br/jspui/handle/prefix/47

Barros, S. A. P. (2005). “Negrinhos que por ahi andão”: a escolarização da população negra em São Paulo (1870-1920). [Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo]. Repositório Institucional da USP. https://repositorio.usp.br/item/001439878

Barros, S. A. P. (2016). Escravos. Libertos, filhos de africanos livres, não livres, pretos, ingênuos: negros nas legislações educacionais do XIX. Educação e Pesquisa, 42(3), 591-605. http://doi.org/10.1590/S1517-9702201609141039

Barros, S. A. P. (2018). História da educação da população negra: entre silenciamento e resistência. Pensar a Educação em Revista, 4(1), 3-29. http://pensaraeducacaoemrevista.com.br/wpcontent/uploads/sites/4/2018/04/Hist%C3%B3ria-da-Educa%C3%A7%C3%A3o-e-da-Popula%C3%A7%C3%A3o-Negra-Surya-Pombo-de-Barros.pdf

Belém. (1915) Annuario de Belém em commemoração do seu tricentenário (1616-1916) - Historico, Litterario e Commercial (PA). Imprensa Official Estado do Pará, ed. 1, p. 94. http://memoria.bn.br/DocReader/829005/97

Bezerra Neto, J. M. (2009). Por todos os meios legítimos e legais: as lutas contra a escravidão e os limites da abolição ”“ (Brasil, Grão-Pará: 1850-1888). [Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. Repositório Institucional da PUC. https://tede2.pucsp.br/handle/handle/13193

Brasil. (1850). Lei nº 581 de 04 de setembro de 1850. Governo Imperial. Assembleia Geral. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim581.htm

Brasil. (1855). Decreto nº 1.517, de 4 de janeiro de 1855. Governo Imperial. Arsenal da Marinha. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1517-4-janeiro-1855-558302-publicacaooriginal-79450-pe.html

Brasil. (1871). Lei nº 2.040 de 28 de setembro de 1871. Governo Imperial. Assembleia Geral. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim2040.htm

Brasil. (1885). Lei nº 3.270 de 28 de setembro de 1885. Governo Imperial. Assembleia Geral. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM3270.htm

Brasil. (1888). Lei nº 3.353 de 13 de maio de 1888. Governo Imperial. Assembleia Geral. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM3353.htm

Campello, E. (1890, dezembro 27). Solicitados. A República, ano 1, n. 254, p. 3.

Cardoso, J. (1882, outubro 28). Ao Abraham Rocambole. Diário de Notícias, ano 3, n. 243, p. 3.

Castanho, S. (2010). Teoria da história e história da educação: por uma história cultural não culturalista. Autores Associados.

Castro, C. (1888, maio 29). Sincera prova de verdadeiro apreço. O Liberal do Pará, ano 18, n. 120, p. 2.

Cunha, P. (1888, maio 23). Lycêo de Artes e officios. Diário de Notícias, ano 9, n. 116, p. 2.

Diário de Belém. (1888, junho 17). O Liberal do Pará, ano 18, n. 133, p. 1.

Educação dos Orfãos. (1888, junho 22). O Liberal do Pará, ano 18, n. 137, p. 1.

Escola 13 de Maio. (1888, junho 02). Jornal das Novidades, ano 1, n. 2, p. 2.

Felipe, D. A., & Teruya, T. K. (2015). A educação da população negra brasileira na formação da identidade nacional. Revista HISTEDBR On-line, 15(64), 111-133. https://doi.org/10.20396/rho.v15i64.8641931

Fernandes, F. (2008). A integração do negro na sociedade de classes: o legado da “raça branca” (5º ed.). Globo.

Fonseca, M. V., & Barros. S. A. P. (2016). A história da educação dos negros no Brasil. EdUFF.

Ginzburg, C. (1989). Sinais: raízes de um paradigma indiciário. Mitos, emblemas e sinais (pp. 143-275). Companhia das Letras.

Hunley, J. H. (1938). Echos da Abolição no Pará. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, v. XI, 196-206. http://ihgp.net.br/principal/index.php/documentos/category/368-Per%C3%ADodo-%201931-1938

Installação de sociedade. (1870, março 29). O Liberal do Pará, ano 2, n. 70, p. 1.

Lima, M. R. C. P. (2006). Os Ingleses pretos, barbadianos negros e brasileiros morenos? Identidade e memórias (Belém, séculos XX e XXI). [Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará]. Repositório Institucional da UFPA. http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/.2011/1900

Lobo, M. F. (2015). Liberdade tutelada: ingênuos e órfãos no Pará (1871-1893). [Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará]. Repositório do PPHIST/UFPA. http://pphist.propesp.ufpa.br/index.php/br/teses-e-dissertacoes/dissertacoes/178-2015

Nery, V. S. C. (2013). Instrução pública primária na província do Pará na década de 1870. [Dissertação de mestrado, Universidade do Estado do Pará]. Repositório PPGED/UEPA. http://ccse.uepa.br/ppged/wp-content/uploads/dissertações/07/vitor_sousa_cunha_nery.pdf

Nogueira, V. L. (2015). Filantropia e educação de adultos livres, libertos e escravos na Província de Minas Gerais (1870-1880). Em V. L. Nogueira. População negra, escravismo e educação no Brasil ”“ século XIX e XX (pp. 123-149). Mazza Edições.

Noticiario. (1888, maio 13). Festa da Liberdade. O Liberal do Pará, ano 18, n. 78, p. 1.

Pará. (1871). Portaria de 20 de abril de 1871 (Alteração do Regulamento da instrução pública primária). Direção e Inspeção de estabelecimento de ensino público. Em Coleção das Leis da província do Grão-Pará (pp. 10-41). Tipografia do Diário de Belém.

Pará. (1872a). Relatório apresentado a Assembleia Legislativa Provincial em 15 de fevereiro de 1872. Presidente da província do Pará. Assembléia Legislativa. http://ddsnext.crl.edu/titles/172?terms=&item_id=3913#?c=4&m=69&s=0&cv=0&r=0&xywh=-1%2C-839%2C1440%2C3686

Pará. (1872b) Relatório apresentado a Assembleia Legislativa Provincial na primeira sessão da décima oitava legislatura em 05 de novembro de 1872. Presidente da província. Assembléia Legislativa. http://ddsnext.crl.edu/titles/172?terms=&item_id=3993#?c=4&m=70&s=0&cv=0&r=0&xywh=-1%2C-921%2C1584%2C4055

Salles, V. (2005). O Negro no Pará: sob o regime da escravidão, (3. ed.) IAP-Programa Raízes, 2005.

Sarges, M. N. (2010). Belém: riquezas produzindo a Belle Époque (1870-1912) (3º ed.). Paka-Tatu.

Seidl, C. (1869, julho 21). Algumas bases para a fundação de uma Associação Philantropica de Emancipação de escravos. Diário de Belém, ano 2, n. 162, p. 1.

Sessão. (1889, julho 09). Sessão Ordinária em 9 de abril de 1889. O Liberal do Pará, ano 18, n. 151, p. 1.

Silva, D. B. R. N. da. (2006). Os Donos de São Benedito: convenções e rebeldias na luta entre o catolicismo tradicional e devocional na cultura de Bragança, século XX. [Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará]. Repositório Institucional da UFPA. http://repositorio.br/jspui/handle/2011/4253

Sousa, M. S. A., & Araújo, S. M. S. (2016). José Veríssimo e o projeto de educação nacional sobre a influência do higienismo. História Actual Online, 39(1), 105-114. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5411296

Verissimo, J. (1888, maio 19). Lycêo de artes e Officios. Jornal Amazônia, ano 1, n. 86, p. 2.

Williams, R. (2011). Cultura e materialismo (1ª ed., tradutor André Glaser). Unesp

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

09.03.2021

Como Citar

Batista Duarte Madeira, I. A., Corrêa de Almeida, K. N., Damasceno, A., & dos Santos da Silva, L. (2021). Escolarização do negro na província do Pará no final do século XIX. Linhas Críticas, 27, 1–21. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.35272