Conhecimentos e práticas de lazer

uma perspectiva de trabalho e saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.35146

Palavras-chave:

Lazer e Conhecimento, Saúde do Professor, Tempo de lazer

Resumo

O lazer deve fazer parte do cotidiano da população, conforme garantido pela Constituição Federal (Brasil, 1988), porém, nem todos têm acesso. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com abordagem em grupo focal com oito docentes participantes. Os principais achados foram que as vivências no tempo de lazer não devem se relacionar com o trabalho, pois o lazer é o distanciamento das obrigações, é o descanso físico e mental. Principais vivências no tempo de lazer são: banhos, viagens, filmes, leituras, exercícios físicos e ouvir músicas. O lazer é fundamental para a saúde do docente, pois os relatos de adoecimentos são crescentes nessa população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Martin Dharlle Oliveira Santana, Faculdade ITOP, Brasil

Mestre em Ensino em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Tocantins (2020). Professor na Faculdade ITOP e membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Pública – Unitins. E-mail: mdharlle@gmail.com

Ana Paula Machado Silva, Faculdade ITOP, Brasil

Mestra em Ensino em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Tocantins (2021). Professora na Faculdade ITOP. E-mail: paulamachado11@gmail.com

Bárbara Carvalho de Araújo, Universidade Federal do Tocantins, Brasil

Especialista em Educação Física Escolar pela Intervale (2020). Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ensino em Ciências e Saúde da Universidade Federal do Tocantins. E-mail: babicaraujo@gmail.com

Ruhena Kelber Abrão Ferreira, Universidade Federal do Tocantins, Brasil

Doutor em Educação em Ciências, Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015). Professor Adjunto da Universidade Federal do Tocantins e do Programa de Pós Graduação em Ensino em Ciências e Saúde - PPGECS. E-mail: kelberabrao@gmail.com

Referências

Abade, N. S. N. (2016). As academias a céu aberto em Belo Horizonte: interfaces entre lazer e saúde. [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Institucional da UFMG. http://hdl.handle.net/1843/BUBD-ARMPGB

Abreu, N. R., Baldanza, R. F., & Gondin, S, M. G. (2009). Os grupos focais on-line: das reflexões conceituais à aplicação em ambiente virtual. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, 6(1), 5-24. https://doi.org/10.4301/S1807-17752009000100001

Almeida, V. T. M. (2016). Lazer e engajamento no trabalho em docentes-pesquisadores de Universidades Federais. [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Institucional da UFMG. https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUBD-ARLNXL

Aquino, C. A. B., & Martins, C. O. M. (2007). Ócio, lazer e tempo livre na sociedade do consumo e do trabalho. Revista Subjetividades, 7(2), 479–500. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482007000200013

Braga, I. F., & Santos, A. R. B. (2019). Concepções de lazer sob a perspectiva dos adultos. Licere, 22(4), 285–316. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.16270

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Congresso Nacional do Brasil. Assembleia Nacional Constituinte. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (2012). Resolução nº 466/2012 (Dispõe sobre pesquisa envolvendo seres humanos). Conselho Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Brougére, G. (2002). Lúdico e educação: novas perspectivas. Linhas Críticas, 8(14), 5-20. https://doi.org/10.26512/lc.v8i14.2985

Cardano, M. (2017). Manual de pesquisa qualitativa: a contribuição da teoria argumentativa. Vozes.

Dias, C. (2010). Teorias do lazer e positivismo. Eduem.

Dias, C., Nascimento, O. A. S., Buba, M. D., & Lazzarotti-Filho, A. (2017). Estudos do lazer no Brasil em princípios do Século XXI: panorama e perspectivas. Movimento, 23(2), 601–616. https://doi.org/10.22456/1982-8918.66121

Dumazedier, J. (2008). Lazer e cultura popular. Perspectiva.

Ferreira, L. L. (2019). Lições de professores sobre suas alegrias e dores no trabalho. Cadernos de Saúde Pública, 35(1), 1–11. https://doi.org/10.1590/0102-311x00049018

Ferreira, M. C., & Mendonça, H. (2012). Saúde e bem-estar no trabalho: dimensões individuais e culturais. Casa do Psicólogo.

Figueiredo, S. L., & Saré, L. l. P. (2014). Usos e práticas do lazer e dos tempos livres: do consumo à procura da felicidade. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, 1(3), 148–164. https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/465/307

Gomes, K. K., Sanchez, H. M., Sanchez, E. G. de M., Sbroggio Júnior, A. L., Arantes Filho, W. M., Silva, L. A. da, Barbosa, M. A., & Porto, C. C. (2017). Qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho em docentes da saúde de uma instituição de ensino superior. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 15(1), 18-28. https://www.rbmt.org.br/details/210/pt-BR/qualidade-de-vida-e-qualidade-de-vida-no-trabalho-em-docentes-da-saude-de-uma-instituicao-de-ensino-superior

Marcellino, N. C. (2010). Lazer e educação. Papirus.

Nóbrega, K. B. G., Gomes, M. C. P., Negrão, R. O., Silva, T. M. A., Guedes, V. M. A. P. A., Silva, E. F. S., Aguiar, A. C. F., & Rosas, M. A. (2020). Esporte e lazer na promoção da saúde mental de adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Brazilian Journal of Health Review, 3(5), 13228–13241. https://doi.org/10.34119/bjhrv3n5-151

Nunes, M. F. O., Hutz, C. S., Pires, J. G., & Oliveira, C. M. (2014). Subjective Well-Being and time use of brazilian PhD professors. Paideia, 24(59), 379–387. https://doi.org/10.1590/1982-43272459201412

Padilha, V. (2010). Shopping center: a catedral das mercadorias. Revista de Administração Contemporânea, 14(1), 191-192. http://doi.org/10.1590/S1415-65552010000100012

Pereira, M. S. (2016). O direito ao lazer do professor de ensino superior. Revista da Faculdade de Direito, (30), 55–75. https://doi.org/10.12957/rfd.2016.14685

Rodrigues, M. P., Tschoke, A. Drula, A., & Rechia, S. (2014). Espaços de lazer de Curitiba-PR: entre a especificidade e a diversidade. Licere, 17(3), 162–184. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2014.976

Silva, C. L., Souza, M. F., Rossi-Filho, S., & Silva, L. F. (2017). Atividade física de lazer e saúde: uma revisão sistemática. Mudanças, 25(1), 57–65. https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v25n1p57-65

Silveira, R. C. P., Ribeiro, I. K. S., Teixeira, G. S., Teixeira, L. N., & Sousa, P. H. A. (2017). Estilo de vida e saúde de docentes de uma Instituição de Ensino Pública. Revista de Enfermagem da UFSM, 7(4), 601-614. https://doi.org/10.5902/2179769224713

Silvestre, B. M., & Amaral, S. C. F. (2017). O lazer dos professores da rede estadual paulista: uma investigação comparativa entre os gêneros. Licere, 20(1), 60–87. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2017.1587

Tolocka, R. E., Ramos, E. P., & Peruchi, L. P. L. (2019). Saúde e atividades de lazer de jovens no ensino médio. Revista de Atenção à Saúde, 17(59), 39–43. https://doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5846

Trad, L. A. B. (2009). Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis, 19(3), 777–796. https://doi.org/10.1590/S0103-73312009000300013

Werle, V. (2018). Relações entre lazer e saúde em tempos de cultura somática. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, 5(2), 20–32. https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/603/410

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

06.04.2021

Como Citar

Oliveira Santana, M. D., Machado Silva, A. P., Carvalho de Araújo, B., & Abrão Ferreira, R. K. (2021). Conhecimentos e práticas de lazer: uma perspectiva de trabalho e saúde. Linhas Críticas, 27, 1–15. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.35146