Biopolítica, precariedade e educação

um ensaio de pensamento com Butler e Foucault

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v26.2020.32333

Palavras-chave:

Educação, Biopolítica, Precariedade

Resumo

Este ensaio teórico busca apresentar as noções de biopolítica e precariedade mobilizadas pelos teóricos pós-estruturalistas Michel Foucault e Judith Butler. Foucault constrói sua noção de biopolítica pensando-a como a transformação das formas de poder desde o século XVIII, produzindo formas específicas de subjetividades instadas cada vez mais a uma racionalidade neoliberal. Judith Butler apresenta sua noção de precariedade - ou de vidas precárias - partindo da problematização do luto e da violência, percebendo-os como operadores de poder, produzindo formas de vidas danificadas, não passíveis de luto. Ambas as noções pensadas junto ao campo da educação evidenciam como práticas biopolíticas em tempos neoliberais produzem, inclusive na educação, formas diversas de precariedade, corpos que não importam. As contribuições desses teóricos neste ensaio, pensadas junto à educação, podem articular novos problemas ao pensamento, mobilizando, a partir de suas noções, contra-produções que incitam novas possibilidades de habitar o presente e viver uma vida vivível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Guedes da Silva, Universidade Federal de Pernambuco, Brasil

Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE-UFPE). Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (PPGE-UFPE). Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas Foucault e Educação (GEPFE-UFPE). E-mail: robsonguedes00@hotmail.com

Referências

Butler, J. (2013). O que é a crítica? um ensaio sobre a virtude de Foucault. Cadernos de Ética e Filosofia Política, 1(22), 159-179. https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/59447/62615

Butler, J. (2014). Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 8ª ed. Civilização Brasileira.

Butler, J. (2015a). Quadros de guerra: quando a vida e passível de luto? Civilização Brasileira.

Butler, J. (2015b). Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Autêntica.

Butler, J. (2018). Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. 1ª ed. Civilização Brasileira.

Butler, J. (2019). Vida precária: os poderes do luto e da violência. Autêntica Editora. (Trabalho original publicado em 2004).

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Boitempo.

Deleuze, G. (2013). Foucault. Brasiliense, 2013.

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1997).

Foucault, M. (2008). Segurança, território e população: curso no Collège de France (1977-1978). Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 2004).

Foucault, M. (2009). Do governo dos vivos: curso no Collège de France (1979-1980). Centro de Cultura Social.

Foucault, M. (2011). Microfísica do poder. Graal. (Trabalho original publicado em 1979).

Foucault, M. (2014). Vigiar e punir: nascimento da prisão. (42ª ed.). Vozes. (Trabalho original publicado em 1975).

Gadelha, S. (2009a). Governamentalidade neoliberal, Teoria do Capital Humano e Empreendedorismo. Educação & Realidade. 34(2), 171-186. https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/8299/5537

Gadelha, S. (2009b). Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões a partir de Michel Foucault. Autêntica.

Giuseppe, C., & Cava, B. (2018). Enigma do disforme: neoliberalismo e biopoder no Brasil global. Mauad X.

Grabois, P. (2011). Resistência e revolução no pensamento de Michel Foucault: contracondutas, sublevações e lutas. Cadernos de Ética e Filosofia Política, 2(19), 7-27. https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/55736/59152

Laval, C. (2004). A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Planta.

Lazzarato, M. (2017). O governo do homem endividado. São Paulo: N-1 Edições.

Miranda, M. G. (2020). O neoliberalismo como ofensiva neoconservadora à educação brasileira. Revista Inter Ação, 45(1). https://doi.org/10.5216/ia.v45i1.62691

Silva, R. G., Rodrigues, A. F. F., Fernandes, D. P. S., & Alves, K. M. C.V. (2020). Neoliberalismo e educação: notas de uma racionalidade excludente. Revista Inter Ação, 45(1), 123-133. https://doi.org/10.5216/ia.v45i1.61160

Standing, G. (2014). O precariado: a nova classe perigosa. Autêntica.

Veiga-Neto, A., & Lopes, M. (2011). Inclusão, exclusão, in/exclusão. Verve, 20, 121-135. https://doi.org/10.23925/verve.v0i20.14886

Veiga-Neto, A., & Saraiva, K. (2011). Educar como arte de governar. Currículo sem Fronteiras, 11(1), 5-13.

Downloads

Publicado

14.08.2020

Como Citar

Guedes da Silva, R. (2020). Biopolítica, precariedade e educação: um ensaio de pensamento com Butler e Foucault. Linhas Crí­ticas, 26, e32333. https://doi.org/10.26512/lc.v26.2020.32333

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.