Convite a histórias de viajantes

antropologia, educação comparada e pesquisas com crianças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.31301

Palavras-chave:

Antropologia Cultural, Educação Comparada, Alteridade, Pesquisa em Educação, Infância

Resumo

O artigo tem por objetivo destacar o percurso de estabelecimento da antropologia e da educação comparada, considerando como cada campo enfocou a dimensão do outro. Desse modo, examina a pluralidade de abordagens que instigam a comunicabilidade entre as áreas, indicando desdobramentos para as pesquisas com crianças. Concluímos que, apesar dos campos em tela apresentarem trajetórias marcadas por conflitos e instabilidades com relação ao entendimento da alteridade, ambos têm atualmente percebido o outro como um interlocutor ativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Martinelli Ferreira, Universidade de Brasília, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade de Brasília (2020). Membro do grupo de pesquisa IMAGEM - UnB. E-mail: flaviamartinelli@uol.com.br

Rafaella Lira de Vasconcelos, Universidade de Brasília, Brasil

Mestre em Educação pela Universidade de Brasília (2016). Membro do grupo de pesquisa IMAGEM - UnB. E-mail: ellaella68@gmail.com

Ingrid Dittrich Wiggers, Universidade de Brasília, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003). Professora Titular da Universidade de Brasília. Coordenadora do grupo de pesquisa IMAGEM - UnB. E-mail: ingridwiggers@gmail.com

Referências

Amaral, M. (2015). Tendências, desafios e potenciais da educação internacional e comparada na atualidade. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 96 (243), 259-281. https://doi.org/10.1590/S2176-6681/367213422

Augé, M. (2010). Por uma antropologia da mobilidade. EDUFAL.

Bartlett, L., & Krawczyk, N. (2017). Apresentação da Seção Temática - Métodos de Educação Comparada. Educação & Realidade, 42(3), 815-819. https://doi.org/10.1590/2175-623674186

Benedict, R. (1934). Padrões de cultura. Livros do Brasil.

Boas, F. (2010). A mente do ser humano primitivo. Vozes. (Obra original publicada em 1911).

Bourdieu, P. (1983) O campo científico. Em R. Ortiz (Org.) Pierre Bourdieu: sociologia (pp.122-155). Ática.

Brandão, C. R. (1987) A antropologia social. Em N.C. Marcellino (Org.) Introdução à s Ciências Sociais (pp.41-50). Papirus.

Bray, M., Adamson, B., & Mason, M. (Orgs.). (2015). Pesquisa em educação comparada: abordagens e métodos. Liber Livro.

Cardoso de Oliveira, R. (2000). O trabalho do antropólogo. UNESP.

Clifford, J. (2002). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. UFRJ.

Cohn, C. (2005). Antropologia da criança. Zahar.

Cowen, R. (2012). A história e a criação da educação comparada. Em R. Cowen, A. Kazamias, & E. Ulterhalter (Orgs.). Educação comparada: panorama internacional e perspectivas, 1. (pp. 19-24). Unesco.

DaMatta, R. (1978) O ofício do etnólogo, ou com ter “Antropological Blues”. Em E. Nunes (Org). A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método na pesquisa social (pp. 23-35). Zahar.

Devechi, C. P. V., Tauchen, G., & Trevisan, A. L. (2018). A figura do outro na educação comparada: uma perspectiva de aprendizagem comunicativa. Revista Brasileira de Educação, 23, 1-15. https://doi.org/10.1590/s1413-24782018230055

Durham, E. R. (2004). A dinâmica da cultura ”“ ensaios de antropologia. Cosac Naify.

Fonseca, C. (1999) Quando cada caso NÃO é um caso ”“ Pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação, 10, 58-78. http://anped.tempsite.ws/novo_portal/rbe/rbedigital/RBDE10/RBDE10_06_CLAUDIA_FONSECA.pdf

Franco, M. C. (2000). Quando nós somos o outro: questões teórico-metodológicas sobre os estudos comparados. Educação & Sociedade, XXI (72),197-230. https://doi.org/10.1590/S0101-73302000000300011

Gautherin, J. (1993). Marc-Antoine Jullien (“Jullien de Paris”). Prospects: the quarterly review of comparative education, XXIII (3/4), 757-773.

Geertz, C. (2001) Nova luz sobre a antropologia. Zahar.

Gobbato, C., & Barbosa, M. C. S. (2019). Bebês no coletivo da creche: encontros e provocações redimensionando o fazer pedagógico. Linhas Críticas, 25, 1-19. https://doi.org/10.26512/lc.v25i0.22358

Gobbi, M. A. (2014). Mundos na ponta do lápis: desenhos de crianças pequenas ou de como estranhar o familiar quando o assunto é criação infantil. Linhas Críticas, 20 (41), 147-165. https://doi.org/10.26512/lc.v20i41.4265

Gomes, C. A. (2015). Educação comparada no Brasil: esboço de agenda. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 96 (243), 243-258. https://doi.org/10.1590/S2176-6681/359313453

Gusmão, N. M. M. (2012). Olhar viajante: antropologia, criança e aprendizagem. Pro-Posições, 23 (2),161-178. http://www.scielo.br/pdf/pp/v23n2/a11v23n2.pdf

Gusmão, N. M. M. (2015) Antropologia e educação: um campo e muitos caminhos. Linhas Críticas, 21(44), 19-37. https://doi.org/10.26512/lc.v21i44.4463

Hermann, N. (2014). Ética e educação: outra sensibilidade. Autêntica.

Kazamias, A. M., & Schwartz, K. (1977). Intellectual and ideological perspectives in comparative education: an interpretation. Comparative Education Review, 21(2/3), 153-176.

Kishimoto, T. (2009). Educação infantil no Brasil e no Japão: acelerar o ensino ou preservar o brincar? Revista brasileira de estudos pedagógicos, 90 (225), 449-467. https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.90i225.519

Laplantine, F. (2009). Aprender antropologia. Brasiliense.

Levine, R. A., Dixon, S., Levine, S., Richman, A., Leiderman, P. H., Keefer, C. H. & Brazelton, T. B. (1994). Child care and culture: lessons from Africa. Cambridge University Press.

Malet, R. (2004). Do Estado-Nação ao Espaço-Mundo: as condições históricas da renovação da educação comparada. Educação & Sociedade, 25 (9), 1301-1332. https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000400011

Malinowski, B. (1978) Argonautas do pacífico ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné Melanésia (2ª ed.). Abril Cultural. (Obra original publicada em 1921).

Manzon, M. (2009). Comparative education: the construction of a field. Comparative Education Research Centre.

Mason, M. (2015) Comparação entre culturas. Em M. Bray, R. D. Adamson, & M. Mason (Orgs.). Pesquisa em educação comparada: abordagens e métodos (pp. 255-292). Liber Livro.

Mead, M., & Macgregor, F. (1951). Growth and Culture, a photographic study of Balinese childhood. GPPS.

Peirano, M. (1995). A favor da etnografia. Relume-Dumará.

Pires, F. F. (2007). Ser adulta e pesquisar crianças: explorando possibilidades metodológicas na pesquisa antropológica. Revista de Antropologia, 50 (1), 225-270. https://doi.org/10.1590/S0034-77012007000100006

Pires, F. F. (2008). Pesquisando crianças e infância: abordagens teóricas para o estudo das (e com as) crianças. Cadernos de Campo, 17, 133-151. https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/47058/50779

Pires, F. F. (2011). Roteiro sentimental para o trabalho de campo. Cadernos de Campo, 20 (20), 143-148. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v20i20p143-148

Pulino, L. H. C. Z. (2018). Narrativas, infância e educação: reflexões e perspectivas. Linhas Críticas, 23 (51), 412-427. https://doi.org/10.26512/lc.v23i51.8240

Schriewer, J. (2018). Pesquisa em educação comparada sob condições de interconectividade global. Oikos.

Schutz, A. (2018). A construção significativa do mundo social: uma introdução à sociologia compreensiva. Vozes.

Silva, F. de C. T. (2016). Estudos comparados como método de pesquisa. Revista Brasileira de Educação, 21(64), 209 -224. https://doi.org/10.1590/S1413-24782016216411

Vieira, R. (1999). Da multiplicidade à educação intercultural: a antropologia da educação na formação de professores. Educação, Sociedade e Culturas, 12, 123-152. https://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC12/12-6-vieira.pdf

Weller, W. (2017). Compreendendo a operação denominada comparação. Revista Educação & Realidade, 42 (4), 921-938. https://doi.org/10.1590/2175-623665106

Wiggers, I. D., Farias, M. J. A., Guimarães, J. S., & Ferreira, F. M. (2019). Brincadeiras de “lutinha” e mídias: análise comparada da cultura lúdica infantil de São Luís (MA) e de Brasília (DF). Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 27 (4), 103-116. http://doi.org/10.31501/rbcm.v27i4.9341

Arquivos adicionais

Publicado

19.01.2021

Como Citar

Martinelli Ferreira, F., Lira de Vasconcelos, R., & Dittrich Wiggers, I. (2021). Convite a histórias de viajantes: antropologia, educação comparada e pesquisas com crianças. Linhas Crí­ticas, 27, 1–20. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.31301