O impacto do neoconservadorismo para a população LGBTQIA+ nas escolas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistainsurgncia.v9i2.47377

Palavras-chave:

Cishetenormatividade, Escola, Educação, Subjetividade

Resumo

Quando se pensa num sistema de ensino é preciso contextualizá-lo em dimensões políticas, culturais, históricas e sociais. As subjetividades que são introduzidas nas escolas por meio de corpos de crianças e adolescentes que majoritariamente são inseridos nesses espaços anunciam condições de existências grifadas no seu modo de existir/ser. Ocorre que, parte deste anunciar é sufocado, ou sequer sai de dentro desses corpos, isso porque as hierarquizações nas escolas são engessadas e retrógradas. Por isso, este trabalho procura compreender as implicações da cisheteronormatividade nas subjetividades que são forjadas nas escolas. Dentre os objetivos específicos destaca-se a) compreender como a cishetenormatividade cria a noção de importância em torno dos corpos e subjetividades; b) analisar as construções sobre a ideologia de gênero e o neoconservadorismo nas temáticas que dizem respeito a sexualidade; e por fim c) a repressão exercida nas escolas aos corpos que estão nesta estrutura. A metodologia utilizada é qualitativa e conta com a consulta bibliográfica em teses, dissertações, monografias e artigos científicos.

Biografia do Autor

Ana Karolina Matias Emydio, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, Santa Catarina, Brasil

Graduanda em Direito pela Universidade do Extremo Sul Catarinense. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/CAPES/CNPq) na linha de Direito Constitucional e o pensamento Jurídico Crítico Latino-Americano; pesquisadora autônoma nas temáticas de sexualidades e a população LGBTQIA+; pesquisadora no Núcleo de Estudos em Gênero e Raça (NEGRA/UNESC). Integrante da Liga acadêmica Multidisciplinar LGBT+ (LAMLGBT+UNESC).

Cristiane Westrupp, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, Santa Catarina, Brasil

Mestranda, graduada em direito pela Universidade do Extremo Sul Catarinense. Bolsista PPGD UNESC. Área de Concentração: Direitos Humanos e Sociedade. Linha de Pesquisa: Direitos Humanos, Cidadania e Novos Direitos. Graduada em Administração pela Escola Superior de Criciúma. Graduada em Direito pela Universidade do Extremo Sul Catarinense. Pesquisadora integrante do Grupo de Estudos em Gênero e Raça (NEGRA) UNESC. Integrante do Núcleo de Pesquisas em Direitos Humanos e Cidadania (NUPEC) UNESC. Bolsista do PIBIC CNPq/UNESC ano 2019-2020.

Fernanda da Silva Lima, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, Santa Catarina, Brasil

Doutora e Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bacharel em direito pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Professora Permanente no Programa de Pós-Graduação em Direito da Unesc (Mestrado em Direito). Professora na disciplina de Direitos Humanos na UNESC. Coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Gênero e Raça (NEGRA/UNESC). Vice líder do Núcleo de Estudos em Direitos Humanos e Cidadania (NUPEC/UNESC). Pesquisadora na área de Direito Público com linha de pesquisa Direitos Humanos, Cidadania e novos direitos com interesse nos seguintes temas: teoria crítica dos direitos humanos, relações raciais, feminismos negros, infâncias, estudos pós-coloniais, decoloniais e anti-coloniais.

Lucas Machado Fagundes, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, Santa Catarina, Brasil

Pós-doutor em Direito na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2018). Doutor (2015) e Mestre (2011) em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Professor e pesquisador do Mestrado em Direitos Humanos e Sociedade da Universidade do Extremo Sul Catarinense. Professor visitante no Mestrado em Direitos Humanos da Universidade Autónoma de San Luis de Potosí, México. Professor Colaborador da Maestría en Derechos Humanos y Gobernanza - Universidad Cooperativa de Colômbia. Pesquisador de GT-Clacso (Conselho Latino-americano de Ciências Sociais).

Referências

BAGGENSTOSS, Grazielly Alessandra. A subjetividade jurídica e o pacto heterocisnormativo. Revista eletrônica direito e sociedades, Canoas, v. 9, n. 2, p. 105-119, 2021.

BIROLI, Flávia; VAGGIONE, Juan Marco; MACHADO, Maria das Dores Campo. Gênero, neoconservadorismo e democracia. São Paulo: Boitempo, 2020.

CURIEL, Ochy. Gênero, raça, sexualidade: debates contemporâneos. BAPTISTA, Maria Manuel. (Org.). Género e Performance: Textos essenciais. 1 ed. Coimbra, 2018.

EMYDIO, Ana Karolina Matias; WESTRUPP, Cristiane; FABIANO, Fernanda da Rocha. Às margens do visível: O apagamento do racismo e sexualidades das crianças e adolescentes LGBTQIA+ nas escolas. In: Anais do V EGRUPE: V Encontro Interinstitucional de Grupos de Pesquisa. São Paulo: Dialética, 2022. v. 1. p. 505-519

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afrolatino americano: ensaios, intervenções e diálogos. Zahar, 2020.

IRINEU, Bruna Andrade; OLIVEIRA, Brendhon Andrade; LACERDA, Milena Carlos. Um balanço crítico acerca dos direitos LGBTI no Brasil sob ascensão do Bolsonaro. Em: Diversidade sexual, étnico-racial e de gênero: temas emergentes. Salvador: Editora Devires, 2020. p. 98-115

JUNQUEIRA, R. D. Ideologia de gênero: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: como a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”. Em: RIBEIRO, P. R. C.; MAGALHÃES, J. C. (org.). Debates contemporâneos sobre Educação para a sexualidade. Rio Grande: Ed. da FURG, 2017. p. 25- 52.

LIMA, Fernanda da Silva. Infância, racismo e políticas públicas no Brasil. Josiane Petronese (org). Estatuto da criança e do adolescente - 30 anos: grandes temas, grandes desafios. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2021. p.133-165.

LIMA, Fernanda da Silva; MATTEI, Larissa de Faveri. A escola e as barreiras da cor: entre as tensões raciais e a garantia de direitos de crianças e adolescentes negros no ambiente escolar. In: PETRY VERONESE, Josiane Rose; ROSSATO, Luciano Alves; LÉPORE, Paulo Eduardo (Org.). Estatuto da Criança e do Adolescente: 25 anos de desafios e conquistas. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2015. v. 1. p. 317-333.

LIMA, Carlos Henrique Lucas. Linguagens pajubeyras: Re(ex)sistência cultural e subversão da heteronormatividade. 1. ed. Salvador: Devires, 2017.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MACHADO, Maria. das Dores. C. O discurso cristão sobre a “ideologia de gênero”. Revista Estudos Feministas, v. 26, n. 2, 2018. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2018v26n247463

MARANHÃO, Eduardo Meinberg de Albuquerque; COELHO, Fernanda Marina Feitosa, DIAS, Tainah Biela. Fake news acima de tudo, fake news acima de todos: Bolsonaro e o “kit gay”, “ideologia de gênero” e fim da “família tradicional. Correlatio, São Paulo, v. 17, n. 2, 2018.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa, CANDAU, Vera Maria. Educação escolar e cultura(s): construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação, n. 23, maio/ago. 2003.

NOGUEIRA, Leonardo; PEREIRA, Maysa; TOITIO, Rafael. O Brasil fora do armário: diversidade sexual, gênero e lutas sociais. 1. ed. São Paulo. Expressão Popular, 2020.

PAULINO, Carla Viviane. O impulso neoliberal e neoconservador na educação brasileira: a imagem do “professor doutrinador” e o projeto “escola sem partido”. Revista Educere Et Educare, v. 13, n. 28, maio/ago. 2018.

RAYARA, Megg. O diabo em forma de gente: (r)existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. Curitiba: Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Educação da Universidade Federal do Paraná, 2017. Disponível em: https://www.acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/47605/R%20-%20T%20-%20MEGG%20RAYARA%20GOMES%20DE%20OLIVEIRA.pdf?sequence=1&isAllowed=y

RICH, Adrienne. heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Tradução: Carlos Guilherme do Valle. Revista Bagoas, n. 05, p. 17-44, 2010.

WITTIG, Monique. O pensamento heterossexual. Tradução: Maíra Mendes Galvão. Belo Horizonte: Autêntica, 2022.

Downloads

Publicado

31.07.2023

Como Citar

MATIAS EMYDIO, Ana Karolina; WESTRUPP, Cristiane; LIMA, Fernanda da Silva; MACHADO FAGUNDES, Lucas. O impacto do neoconservadorismo para a população LGBTQIA+ nas escolas. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 9, n. 2, p. 227–244, 2023. DOI: 10.26512/revistainsurgncia.v9i2.47377. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/47377. Acesso em: 26 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.