Políticas educacionais de educação no campo: história de vida de estudantes da Escola Nacional Florestan Fernandes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistainsurgncia.v8i1.40005

Palavras-chave:

Reforma agrária. Movimentos sociais. Políticas educacionais. MST

Resumo

Estudam-se as políticas de reforma agrária no Brasil e educação no campo e o papel do MST para a criação de uma educação no campo voltada para os movimentos sociais da terra. São objetivos deste estudo apresentar os marcos legais da reforma agrária e como a educação para o homem do campo surge no meio dessas políticas públicas e descrever as ações educacionais existentes atualmente nos movimentos de luta pelas terras nas vozes de alunos e gestores da Escola Nacional Florestan Fernandes, fundada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Trata-se de pesquisa de caráter exploratório-descritivo, de abordagem qualitativa de corte transversal – a coleta dos dados foi realizada nos meses de março e abril de 2017. Foram sujeitos deste estudo 01 coordenadora geral, 01 coordenador pedagógico e 05 discentes da Escola Nacional Florestan Fernandes que participaram de uma entrevista semiestruturada, individualmente. Os resultados demonstraram que esses têm suas origens no campo, buscaram nos estudos uma forma de melhorar seu conhecimento sobre as lutas no campo, sobre a melhoria da qualidade de vida no seu assentamento e na divulgação da educação no campo que existe na ENFF. Esta escola nasceu nos anos 90, em 2005 inaugurou sua sede própria no Estado de São Paulo, para onde convergem, atualmente, vários representantes interessados nos processos pedagógicos por ela difundidos. Concluiu-se que a políticas educacionais brasileiras são descontinuadas e a educação no campo nunca foi priorizada até emergir o Pronera e ações como as do MST. A educação no campo ficou alheia aos olhos dos legisladores e profissionais da educação, só emergindo após as lutas descritas nas vozes dos participantes da pesquisa., dentro dos próprios movimentos sociais.

Biografia do Autor

Vladimir Ferreira Gama, Universidade de Mogi das Cruzes

Jornalista, Mestre em Políticas Públicas pela Universidade de Mogi das Cruzes.

Referências

BATISTA, Maria do Socorro X. Os movimentos sociais cultivando uma educação popular do campo. GT: Educação Popular. n.06 ANPED Biblioteca. 2006. Disponível em: http://www.anped.org.br/biblioteca/item/os-movimentos-sociais-cultivando-uma-educacao-popular-do-campo. Acessado em: 02.01.2019.

BEZERRA, Cristina S.; RODRIGUES, Mônica Aparecida G.; PIZZETA, Adelar J. A parceria UFJF/ Escola Nacional Florestan Fernandes – MST: a experiência e a produção de conhecimentos do curso de especialização em estudos latino americanos. Libertas, Juiz de Fora, Edição especial, p.1 - 23, fev. 2007.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm#titviicapiii. Acessado em: 02.01.2020.

BRASIL. Instituto Nacional De Colonização E Reforma Agrária. INCRA. Reforma Agrária - História. 2019. Disponível em: http://www.incra.gov.br/reformaagrariahistoria. Acessado em 02.01.2020.

BRASIL. Lei nº 8.629, de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição Federal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8629.htm. Acessado em: 02.01.2020.

Brasil. Lei 9394 de 20 de Dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 02.01.2020.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA. INCRA - Instituto Nacional De Colonização e Reforma Agrária. Diretoria de Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento - DT Coordenação-Geral de Implantação - DTI – SIPRA. Projetos de Reforma Agrária Conforme Fases de Implementação Período da Criação do Projeto: 01/01/1900 Até 02/01/2020 Sistema: SIPRA Fonte: SDM. Relatório: Rel_0227 Data: 02/01/2020.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Sipra. Informações de Modelos de Reforma Agrária. Disponível em http://www.incra.gov.br/reforma-agraria/questao-agraria/reforma-agraria. Acessado em: 02.01.2020.

BRASIL. Lei 4504 de 30 de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4504.htm. Acessado em: 02.01.2020.

CALDART, Roseli Salete. O MST e a formação dos sem terra: o movimento social como princípio educativo. Estud. avançados., São Paulo, v. 15, n. 43, p. 207-224, Dec. 2001. Disponível em<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142001000300016&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 26.05.2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142001000300016.

CARNEIRO, Maria Esperança F.; AFONSO, Lucia Helena R.; MESQUITA, Maria Cristina das G. D. Educação e política pública: caminhos do PRONERA. Educativa. Gioânia, v.19., no. 1, p. 235-238, jan/abr. 2016.

DE SOUZA, Maria Antônia. Educação do campo, desigualdades sociais e educacionais Educação & Sociedade, vol. 33, núm. 120, jul/set 2012, pp. 745-763

Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=8732460200. Acessado em 02.01.2020.

DIAS, Eloisa G. A contribuição dos movimentos sociais para a efetivação da educação do campo: a experiência do programa nacional de educação na reforma agrária. Educação & Sociedade, vol. 37, núm. 135, abr-jun, 2016, pp. 371-389. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87346871004

FERNANDES, Bernardo M. Questões teórico-metodológicas da pesquisa geográfica em assentamentos de reforma agrária. Trabalho apresentado na disciplina Processos Sociais Agrários. A Construção dos Objetos Sociológicos Alternativos, ministrada pelo Prof. Dr. José Vicente Tavares dos Santos, no Curso de Pós-graduação do Depto. de Sociologia da FFLCH-USP. São Paulo, 1995.

GAZETA REGIONAL. Agricultura familiar produz alimento para programas de assistência em SP. 28.11.2015. Disponível em: https://www.leiaogazeta.com.br/agricultura-familiar-produz-alimento-para-programas-de-assistencia-em-sp/. Acessado em: 12.12.2019.

HARARI, Yuval Noah. Sapiens – uma breve história da humanidade. 19° Edição. Porto Alegre, RS: L&PM, 2017.

KOLLING, Edgar J.; VARGAS, Maria Cristina e CALDART, Roseli Salete. MST e Educação. In: CALDART, R. et al (org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012. p. 502-509.

MORISSAWA, Mitsue. A História da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001. 256 p.: il.

Movimento Sem Terra. MST. Caderno de Educação n. 13. Ed. Especial. Dossiê Escola. Documentos e estudos 1990-2001. ITERRA, 2005.

OLIVEIRA, Ariovaldo U. A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos e Reforma Agrária. Estudos Avançados.15 (43), 2001

PIZZETA, Adelar. Na ENFF o conhecimento constrói consciências. In: Revista Sem Terra. Nº 55, ano XII. 2010, p. 30-35.

PIZZETA, Ana Maria Justo. A construção da Escola Nacional Florestan Fernandes: um processo de formação efetivo e emancipatório. (2007) Disponível em: https://libertas.ufjf.emnuvens.com.br/libertas/article/view/1881/1329. Acesso em: 22.11. 2019.

SCHERER-WARREN, Ilse. Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasília, v. 21, n.1, p. 109-130, jan./abr. 2006.

SILVA, Roberta Maria L. A Dialética do Trabalho no MST:

A Construção da Escola Nacional Florestan Fernandes. Tese de doutorado. Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense. Março de 2005.

SILVEIRA LEITE, Esmeraldo; GEMA GALGANI, Castagna Molina Mônica; ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel. O fortalecimento da identidade camponesa: repercussões do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária nos Estados do Ceará, Minas Gerais e Paraná (1998–2011). Educação & Sociedade, vol. 38, núm. 140, jul-set., 2017, pp. 569-585.

TORRES, Julio Cesar; BRABO, Tânia Suely Antonelli Marcelino; SILVA, Claudio Rodrigues da; MORAES, Agnes Iara Domingos e SILVA NETO, Nathanael da Cruz Educação inclusiva no projeto educacional do MST. Comunicações. Piracicaba. Ano 22. n. 2. p. 149-164. jul-dez. 2015. Doi: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121x/comunicacoes.v22n2p149-164.

VENDAMINI, Célia Regina. Educação e trabalho: reflexões em torno dos movimentos sociais do campo. Cad. Cedes, Campinas, vol. 27, n. 72, p. 121-135, maio/ago. 2007 121 Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acessado em: 02.01.2020.

Downloads

Publicado

31.01.2022

Como Citar

BONINI, L. M. de M.; FERREIRA GAMA, V. Políticas educacionais de educação no campo: história de vida de estudantes da Escola Nacional Florestan Fernandes. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 8, n. 1, p. 353–372, 2022. DOI: 10.26512/revistainsurgncia.v8i1.40005. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/40005. Acesso em: 17 ago. 2022.