O ensino de Português como Língua de Acolhimento (PLAC) na linha do tempo dos estudos sobre o Português Língua Estrangeira (PLE) no Brasil

Autores

  • FLÁVIA CAMPOS SILVA CEFET/MG
  • ERIC JÚNIOR COSTA CEFET/MG

Palavras-chave:

PLE, PLAc, Políticas linguísticas., Migrações e ensino de línguas

Resumo

Com este trabalho tem-se a pretensão de situar e caracterizar o ensino de Português como Língua de Acolhimento (PLAc) na linha do tempo dos estudos sobre o Português Língua Estrangeira (PLE). A proposta é contextualizar o ensino do PLE no Brasil, com ênfase nas políticas linguísticas que envolveram – e ainda envolvem – esse tipo de aquisição de Português (ALMEIDA FILHO, 1999, 2005, 2012; CUNHA; SANTOS, 2002). Na sequência, com o amparo de teorizações de Grosso (2010), Amado (2011), Arantes et. al (2016), Cursino et. al (2016), Lopez (2018) e Diniz e Neves (2018), serão situadas e caracterizadas as concepções de PLAc, com ênfase nas suas especificidades, motivadas por questões geopolíticas e pelo multilinguismo global, especialmente. A conclusão indica que o PLAc representa uma perspectiva outra, inovadora e significativa no campo do PLE, uma vez que, além de assistir a demandas não atendidas pelo Estado (COSTA; SILVA, 2018), baseia sua metodologia numa cultura de ensino participada, que respeita os processos de (re)construção identitária dos sujeitos (ANUNCIAÇÃO, 2018) com foco na promoção da cidadania e na consciência e diálogo interculturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

FLÁVIA CAMPOS SILVA, CEFET/MG

Graduada em Comunicação Social pela Universidade Presidente Antônio Carlos (2009). Pós-graduada em Administracão - MBA em Gestão Estratégica de Pessoas, pela Universidade Federal de São João del-Rei, UFSJ (2012). Pós-graduada em Letras - Mestrado em Teoria Literária e Crítica da Cultura, na linha de Discurso e Representação Social, pela Universidade Federal de São João del-Rei, UFSJ (2016). Atuou como Assistente Administrativo e Analista de Licitações (2010-2014). Lecionou no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC (2013). Bolsista Capes, dedicação exclusiva, durante o mestrado (2014-2016). Lecionou ainda na educação profissional da rede pública - Escola POLEM (2017). Atualmente ministra o curso de Português como Língua de Acolhimento (PLAc) e cursa o Doutorado em Estudos Linguísticos, ambos no CEFET/MG. É membro pesquisador do Grupo de Estudos Migratórios: Acolhimento, Linguagens e Políticas (GEMALP).

ERIC JÚNIOR COSTA, CEFET/MG

Graduado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2003) e especialista em História Pré-hispânica Mexicana pela Universidad Nacional Autónoma de México (2008). Tem ampla experiência no ensino de português para estrangeiros e com o exame CELPE-Bras na Argentina, México, África do Sul e São Paulo. Atuou como professor voluntário de Português Língua de Acolhimento (PLAc) para imigrantes e refugiados em um projeto desenvolvido pela parceria entre a Prefeitura de São Paulo, o Sefras (Serviço Franciscano) e a ONG Refazenda. Cursou o Mestrado em Português Língua Não Materna na Universidade Aberta de Portugal . Atualmente é doutorando em Estudos de Linguagens, coordenador do Grupo de Estudos Migratórios: Acolhimento, Linguagens e Políticas (GEMALP) e do curso de Português como Língua de Acolhimento (PLAc), todos no CEFET/MG. Também é sócio-titular da Associação Mineira dos Professores de Português Língua Estrangeira (AMPPLIE).

Referências

ACNUR. Dados sobre refúgio. Disponível em: <http://www.acnur.org/portugues/dados-sobre-refugio/>. 2018. Acesso em: 11 fev. 2019.

ALMEIDA FILHO, José. C.P (Org.). O professor de língua estrangeira em formação. Campinas, São Paulo: Pontes, 1999.

ALMEIDA FILHO, José. C.P. Ensino de português língua estrangeira/EPLE: a emergência de uma especialidade no Brasil. In: LOBO, T. et. al. (Orgs). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias [online]. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 723-728.

ALMEIDA FILHO, José. C.P. O Português como língua não-materna: concepções e contexto de ensino. Museu da Língua Portuguesa: Estação da Luz, 2005. Disponível em: <http://museudalinguaportuguesa.org.br/wp-content/uploads/2017/09/ENSINO-COMO-LINGUA-NAO-MATERNA.pdf>. Acesso em: 20 mai. 2020.

AMADO, Rosane. S. Português como Segunda Língua para comunidades de trabalhadores transplantados. Revista da Sociedade Internacional Português Língua Estrangeira (SIPLE), v. 2, 2011.

ANUNCIAÇÃO, Renata. F. M. A língua que acolhe pode silenciar?: reflexões sobre o conceito de “Português como Língua de Acolhimento”. Revista X, v. 13, n. 1, p.35-56, 2018.

ARAI, N.A. Fluência na aquisição do PLE. 1985. f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1985.

ARANTES, Poliana. C. C.; DEUSDARA, Bruno.; BRENNER, Ana. K. Língua e alteridade na acolhida a refugiados: por uma micropolítica da linguagem. Fórum Linguístico (Online), v. 13, p. 1196-1207, 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2016v13n2p1196>. Acesso em: 8 fev. 2019.

BAENINGER, Rosana. A.; PERES, Roberta. G. Migração de crise: a imigração haitiana para o Brasil. Revista Brasileira de Estudos da População, v. 34, n. 1, p.119-143, jan./abr. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010230982017000100119&lng=pt&nrm=is.o. Acesso em :12 jan. 2019.

BAENINGER, Rosana et. al. (Orgs.). Migrações sul-sul. 2 ed. Campinas, SP: Núcleo de Estudos de População “ElzaBerquó”/Nepo/Unicamp, 2018.

BRASIL. Nova Lei de Migrações nº 13.445/2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13445.htm>. Acesso em: 30 jan. 2019.

CALDAS, V. M. C. A competência comunicativa em livros didáticos de PE: uma avaliação. Dissertação (Mestrado em Lingüística Aplicada) – Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1988.

CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. Florianópolis/São Paulo: Ipol/Parábola. 2007.

CLOCHARD, Olivier. Les réfugiés dans le monde entre protection et illégalité. EchoGéo, n.2, p. 1-27, 2007. Disponível em: <https://journals.openedition.org/echogeo/1696>. Acesso em: 07 mar. 2020.

COSTA, Eric. J.; SILVA, Flávia. C. Legislação migratória e Português como Língua de Acolhimento: reflexões sobre políticas linguísticas e lingua(gem). Revista de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura, ano 14, v. 2, n.23, p. 598-612, 2018.

COUDRY, Pierre.; FONTÃO, Elizabeth. Fala Brasil. Campinas: Pontes Editores, 1989.

CUNHA, Maria. J. C.; SANTOS, Percília. Tópicos em Português Língua Estrangeira. Brasília: Ed. da UnB, 2002.

CURSINO, Carla. et al. Português Brasileiro para migração humanitária (PBMIH): reflexões linguísticas e pedagógicas para o ensino de PLE em contexto de migração e refúgio. In: RUANO, Bruna Pupatto; SANTOS, Jovania Maria Perin; SALTINI, Lygia Maria Leite (Orgs.). Cursos de português como língua estrangeira no Celin-UFPR: práticas docentes e experiências em sala de aula. Curitiba: Ed. UFPR, 2016. p. 317-136.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. V. 3. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2004.

DELL’ISOLA, Regina .L.P.. O contexto e a compreensão lexical na leitura em Português Língua Estrangeira. 1999. f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1999.

DINIZ, Leandro. R. A; NEVES, Amélia. O. Políticas linguísticas de (in)visibilização de estudantes imigrantes e refugiados no ensino básico brasileiro. In: Revista X, v.13, n.1, p. 87-110, 2018.

ELHAJJI, Mohammed. Mapas subjetivos de um mundo em movimento: migrações, mídia étnica e identidades transnacionais. In: MAIA, J; HELAL, C. (Orgs.). Comunicação, arte e cultura na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2012. p. 215-238.

FERNANDES, Gláúcia R. R; FERREIRA, Telma. L.S.B; Ramos, Vera. L. Muito prazer!: fale o Português do Brasil. Editora Disal, 2008.

GIDDENS, Anthony. The consequences of modernity. Cambridge: Polity Press, 1990.

GROSSO, Maria. J. Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n. 2, p. 61 77, 2010.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. DP&A Editora: Rio de Janeiro, 2003.

INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS APLICADAS – IPEA. Ministério da Justiça, Secretaria de Assuntos Legislativos. Migrantes, apátridas e refugiados: subsídios para o aperfeiçoamento de acesso a serviços, direitos e políticas públicas no Brasil. Brasília. Série Pensando o Direito, n. 57, 2015.

LIMA, Emma E.; IUNES, Samira A. Falar, ler, escrever português. São Paulo: EPU, 1999.

LIMA, Emma E.; IUNES, Samira A. Novo Avenida Brasil. São Paulo: EPU, 2008.

LIMA, Emma.E. et al. Avenida Brasil. São Paulo: EPU, 1992.

LOPEZ, Ana. Paula A.. A aprendizagem de português por imigrantes deslocados forçados no Brasil: uma obrigação? Revista X, v.13, n.1, p. 9-34, 2018.

LOPEZ, Ana Paula. A.; DINIZ, Leandro. R. A. Iniciativas jurídicas e acadêmicas para o acolhimento no Brasil de deslocados forçados. Revista da Sociedade Internacional Português Língua Estrangeira – Siple v. 9, [s.p.], 2019.

MARTINS, José S. O problema das migrações no limiar do terceiro milênio. In: O fenômeno migratório no limiar do terceiro milênio. Desafios Pastorais. Petrópolis: Editora Vozes, 1998.

MORITA, Marisa K. Diálogo a distância no processo de aquisição da oralidade em LE. Dissertação (Mestrado em Lingusística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, São Paulo, 1993.

MORO, Marie. R. Psicoterapia transcultural da migração. Revista Psicologia USP, São Paulo , v. 26, n.2, p.186-192, 2015.

OLIVEIRA, Antônio. T. R. Migrações internacionais e políticas migratórias no Brasil. Cadernos OBMigra, n. 3, v. 1, s.p, 2015.

OLIVEIRA, Gilvan. M. Um atlântico ampliado: o português nas políticas linguísticas do século XXI. In: LOPES, Luiz P. M (Org.). O português no século XXI. São Paulo: Parábola, 2013.

PEREIRA, Giselda. F. Práticas para o ensino de português como língua de acolhimento em contexto escolar não formal: uma pedagogia intercultural. 2016. 245f. Tese (Doutorado em Letras) – Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2016. Disponível em: <http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/3216>. Acesso em 22 fev. 2019.

PINTO, Alexandre. D. A institucionalização do Português Língua Não Materna em Portugal. Revista Proformar, v. 21, p. 2007. Disponível em: < http://proformar.pt/revista/edicao_21/institucionaliza_portugues.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2019.

PONCE, Maria Harumi et al. Bem-Vindo!: A língua portuguesa no mundo da comunicação. São Paulo: SBS, 1999.

RAMALHETE, Raquel. Tudo Bem. Rio de Janeiro: AoLivro Técnico, 1984.

REVUZ, Christine. A língua estrangeira entre o desejo de um outro lugar e o risco do exílio. In: SIGNORINI, I. (Org.). Língua(gem) e identidade. 2. ed. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1998. p. 213-230.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora Record, 2001.

SÃO BERNARDO, Mirelle. A. Português como língua de acolhimento: um estudo com imigrantes e pessoas em situação de refúgio no Brasil. 2016. 206 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Educação e Ciências humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

SILVA, Kleber. A; SANTOS, Danúsia. T. O português como língua (inter)nacional. Campinas: Pontes Editores, 2013.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TROUCHE, Lygia. M. G. O Marqués de Pombal e a implentação da língua portuguesa no Brasil: reflexões sobre o Diretório 1757. Cadernos de Letras da UFF, Niteroi, n.1, p. 97-110, 2001.

WEISS, Denise. B. Ensino do artigo em cursos de português para japoneses. 1994. f. Dissertação (Mestrado em Lingüística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

ZOPPI-FONTANA, Mônica. G. O português do Brasil como língua transnacional. Editora RG, Campinas, 2009.

Publicado

2020-06-15

Como Citar

SILVA, F. C., & JÚNIOR COSTA, E. (2020). O ensino de Português como Língua de Acolhimento (PLAC) na linha do tempo dos estudos sobre o Português Língua Estrangeira (PLE) no Brasil. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 19(1), 125-143. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/horizontesla/article/view/24117

Edição

Seção

Artigos