As representações do erótico e a construção da pornotopia nas capas de Ele Ela (1970-1977)

Autores

  • Antônio Fontoura Jr Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i25.14817

Palavras-chave:

Ele ela. Pornotopia. erotismo.

Resumo

Ele Ela foi criada em 1969 como uma revista para os casais, voltada principalmente para discussões sobre a sexualidade conjugal e tendo como objetivo declarado a busca pela manutenção dos casamentos. Em 1976 a revista completava uma mudança no seu direcionamento editorial que começara cerca de dois anos antes: adequando-se a uma segmentação do mercado, Ele Ela tornava-se apenas masculina, e textos, imagens e temáticas sofriam as necessárias alterações para a adequação ao novo nicho. Neste processo de reformulação, os códigos de representação erótica foram utilizados para, gradualmente, construir um modelo de utopia pornográfica, representado pelo corpo feminino reduzido a sua sexualidade. O objetivo deste artigo é, a partir da análise de capas da revista Ele Ela produzidas entre 1970 e 1977, compreender como as representações do feminino sumarizam a construção de uma pornotopia que passará a estar presente nas páginas da publicação. Além do conceito de pornotopia, desenvolvido por Steven Marcus (2009), o artigo parte da metodologia de análise proposta por Artur Freitas (2004), que destaca como as imagens devem ser compreendidas em seus aspectos formais, semânticos e sociais. Além disso, utiliza-se do conceito de schemata, de Ernst Gombrich (1995), para compreender a construção dos modelos de representação do erótico utilizados. Pela análise pôde-se perceber que, no processo de sua reformulação, as capas passaram de temas inicialmente românticos, adequados a uma publicação voltada aos casais (ainda que a sensualidade estivesse sempre presente), para destacar exclusivamente a sensualidade feminina, reduzindo as mulheres a seu erotismo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Denise. O desencontro marcado: a velha mulher nova e o machão moderno. Petrópolis: Vozes, 1985.CLARK, Kenneth. The nude: a Study in ideal Form. Princeton, N.J.: Princeton Press, 1971.

GINZBURG, Carlo. “Ticiano, Ovídio, e os códigos da figuração erótica no século XVI”. In. . Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BERGER, John. Modos de Ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FREITAS, Artur. História e imagem artística: por uma abordagem tríplice. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 34, julho-dezembro de 2004, p. 3-21.

GOMBRICH, Ernst.Arte e ilusão. São Paulo:Martins Fontes, 1995.

KENDRICK, Walter. The Secret Museum: pornography in modern culture. New York: Penguin, 1987.

MARCUS, Steven. The Other Victorians. Nova Jersey (EUA): Transaction Publishers, [1966]2009.

RAMOS, Jose Mario Ortis. Cinema, televisão, publicidade. São Paulo: Annablume, 2004.

RODLEY, Chris. Diretor. Pornography: The Secret History of Civilization (DVD), 1999.

SIMÕES, Inimá. “Sou... mas quem não é? Pornochanchada: o bode expiatório do cinema brasileiro”. In. MANTEGA, Guido (org.). Sexo epoder. São Paulo: Círculo do Livro, 1982.

Downloads

Publicado

2015-02-23

Como Citar

FONTOURA JR, Antônio. As representações do erótico e a construção da pornotopia nas capas de Ele Ela (1970-1977). Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 25, 2015. DOI: 10.26512/emtempos.v0i25.14817. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14817. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.