Histórias de Mulheres Catadoras: rompendo silêncios, edificando resistências, construindo novas escritas históricas

Autores

  • Luciana Codognoto Silva UNESP/Assis
  • Alzira Salete Menegat Universidade Federal da Grande Dourados ”“ UFGD

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i24.14828

Palavras-chave:

Mulheres na Reciclagem. Relações de Gêneros e de Poder. Resistências.

Resumo

Nos últimos anos, importantes produções teóricas têm sido realizadas no campo das ciências humanas, de forma a voltar olhares às práticas corporais e às corporalidades, uma vez que ele, o corpo, tem assumido novos significados como forte agenciador dos processos de subjetivação feminina. Entretanto, é preciso advertir que nem sempre foi assim. Pouco enxergadas na História, as mulheres estiveram relegadas aos papéis binários de mãe, esposa e vida privada, sendo pouco percebidas em suas particularidades. Sendo assim, esta pesquisa objetiva demonstrar como a História tratou os corpos ”“ biológico e social ”“ e os gêneros, de maneira a enfatizar os traços que se sobressaíram em determinados períodos históricos, produzindo o refazer de metodologias de análises que abrem caminhos para estudar a história das mulheres, em especial daquelas pertencentes à Associação de Reciclagem de Presidente Epitácio ”“ ARPE. Localizada no interior do Estado de São Paulo, a Associação conta com um número considerável de mulheres associadas e em cargos de liderança. Para tanto, será utilizada a metodologia em história oral em paralelo às contribuições teóricas elencadas pela história cultural e os estudos das relações de gêneros. Percebe-se que este espaço de atuação profissional tem possibilitado às mulheres catadoras novas formas de experiência histórica e social, a partir do momento em que elas buscam subverter a um dado padrão historicamente construído sobre a feminilidade. É, pois, no âmbito do trabalho com os recicláveis que as mulheres catadoras, apesar das adversidades vivenciadas cotidianamente, se percebem enquanto portadoras de histórias a serem publicizadas pelos registros historiográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho:ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Campinas: Cortez, 1995.

BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. Instruídas e Trabalhadeiras: trabalho feminino no final do século XX. Cadernos Pagu:desafios da equidade.Campinas: Unicamp, v.17/18, 2002.

BURKE Peter. (Org). A Escrita da História:novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

BURKE Peter. O que é História Cultural?Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,2003.

DEL PRIORE, Mary; PINSKY, Carla Bassanezi (Ogs). História das Mulheres no Brasil.São Paulo: Contexto, 2006.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

HIRATA, Helena. Reestruturação Produtiva e Relações de Gênero. Revista Latino-Americana de Estudos sobre o Trabalho, v.7, n. 4,1998.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva.São Paulo: Centauro, 2004.

LE GOFF, Jacques. A História Nova.São Paulo: Martins Fontes, 2002.

MASSI, Marina. Cotidiano e Imaginário.Rio de Janeiro: Imago, 1992.

PERROT, Michelle. Minha História das Mulheres.São Paulo: Contexto, 2008.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos.Rio de Janeiro: FGV, v.2, n. 3,1989.

SAFFIOTI, Heleith Iara Bongiovani. A Mulher na Sociedade de Classes:mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1976.

SCOTT, Joan. História das Mulheres. In: BURKE, Peter. (Org.). A Escrita da História.São Paulo: Novas Perspectivas/UNESP, 1992.

SCOTT, Joan. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade.Porto Alegre: UFRGS, v.20, Jul/Dez. 1995.

SOIHET, Rachel; MATOS, Maria Izilda de (Org.). O Corpo Feminino em Debate.São Paulo: UNESP, 2003.

Downloads

Publicado

2014-10-02

Como Citar

SILVA, Luciana Codognoto; MENEGAT, Alzira Salete. Histórias de Mulheres Catadoras: rompendo silêncios, edificando resistências, construindo novas escritas históricas. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 24, 2014. DOI: 10.26512/emtempos.v0i24.14828. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14828. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.