A Religiosidade sustentada pelo medo: elementos de mudança no imaginário medieval a partir da peste do século XIV.

Autores

  • Thiago Fernando Dias Faculdade de Ciências e Letras UNESP-Assis

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i29.14745

Palavras-chave:

Peste Negra. Imaginário. Realidade.

Resumo

A maior onda de Peste Negra da Europa, o fluxo de 1348, ocasionou mudanças no Imaginário de uma parcela considerável da população, proporcionando, a partir da realidade por ela imposta, alterações nas práticas religiosas vigentes. Os impactos demográficos e sociais causados pelas inúmeras mortes desafiaram as instituições do momento; os líderes citadinos com sua legislação, os reis com seus editais e o clero com suas orações não foram suficientes para conter o fluxo pestilento. O grau de contágio e a propagação da peste foi tão intenso que qualquer pessoa com sintomas manifestos tornava-se uma ameaça à vida. Nesse artigo, buscaremos entender de que maneira o medo da morte interferiu e mudou as práticas religiosas [religiosidade] da população no momento estudado. Procuraremos, ainda, analisar como a Igreja explicou a eclosão da Peste, justificou o clima de insegurança, consternação e desespero ocasionado pelo período pestilento. Para tal análise, situamo-nos na região da Península Itálica durante a Baixa Idade Média, mais especificamente, no período de transição da primeira para a segunda metade do século XIV. Embora essa delimitação seja predominante, não nos deteremos apenas a esse espaço temporal e geográfico, pois avanços e recuos serão recorrentes no texto a partir de exemplos pontuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABERTH, John (ed.).The Black Death: The Great Mortality of 1348-1350: A Brief History with Documents. New York: Bedford/St. Martin’s, 2005.

ARRIZABALAGA, JON. La Peste Negra de 1348: los orígenes de la construcción como enfermeda.d de uma calamidad social In: Acta Hispanica ad Medicinae Scientiammque Historiam Illustrandam. Vol. 11, 1991, pp. 73-117.

BACCEGA, Marcus. Idade Média, Tempo do Sacramento. Revista Ágora, Vitória, n.10, 2009, pp.1.-28.

BASTOS, Mario J. M. Pecado, Castigo e Redenção: a Peste como Elemento do Proselitismo Cristão (Portugal, Séculos XIV/XVI). In: Tempo. Rio de Janeiro: Editora Tempo, Vol. 2, 1997. pp. 1-17.

BIRABEN, Jean-Noël. Les hommes et la peste en France et dans les pays méditerranéens. tome I, Paris La Haye Mouton. 1975.

BOCCACCIO, Giovanni. O decamerão. Trad. Raul de Polillo. Belo Horizonte: Itatiaia, 2002.Bíblia Sagrada. Edição pastoral. São Paulo: Sociedade Bíblica Católica Internacional e Paulus, 1990.

BOWSKY, W.M. The impact of the Black Death upon Sienese government and society. In: Speculum, vol. 39, nº 01, 1964.

BYRNE, Joseph Patrick. Daily life during the Black Death.London: Greenwood Press. 2006.

CARPENTIER, Elisabeth. Autour de la peste noire: famines et épidémies dans l'histoire du XIVe siècle. In: Annales. Économies, Sociétés, Civilisations. 17ᵉannée, N. 6, 1962. pp. 1062-1092.

CASTIGLIONI, Arturo. História da Medicina. 2ºvol.Companhia Nacional: São Paulo,1947.

FRANCO JÚNIOR, H. A Idade Média: Nascimento do Ocidente. São Paulo: Brasiliense,2001.

FRANCO JÚNIOR, H. O fogo de Prometeu e o escudo de Perseu: reflexões sobre mentalidade e imaginário. In:_____. Os três dedos de Adão: Ensaios de mitologia Medieval. São Paulo: Edusp,2010.

GABRIELE MUSIS, Manuscrito. Localizado Im: DERBES VJ. de Mussis and the great plague of 1348. JAMA: The Journal of the American Medical Association. 1966; p. 179”“82.

HERLIHY, David.The Black Death and the Transformation of the West. Cambridge: Harvard University Press, 1997.

HORROZ, Rosemary.The Black DeathManchester: Manchester Medieval Soueces, 1994.ISIDORO DE SEVILLA.Etimologias, I, Madrid:BAC, 1982.

LORENZO, Ángel Vaca. LA PESTE NEGRA EN CASTILLA: Aportación al estudio de algunas de sus consecuencias económicas y sociales. In: Studia Historica: Historia Medieval. Studia Historica: Historia Medieval.Vol.2. Salamanca: 1984. pp. 89-107.

QUÃRICO , Tamara. Peste Negra e escatologia: os efeitos da expectativa da morte sobre a religiosidade do século XIV. In: Revista Mirabilia, Volume 14 n° 1. 2012. pp. 135-255.

RANIERI SARDO. Cronica di Pisa(org. Ottavio Banti). Fonti per la storia d’Italia, n.º 99. Roma: Istituto Storico Italiano per il Medioevo, 1963.

REZENDE, JM. À sombra do plátano: crônicas de históriada medicina. As grandes epidemias da história. São Paulo: Editora Unifesp, 2009.

SÁNCHEZ-DAVID, Carlos E. LA MUERTE NEGRA. “EL AVANCE DE LA PESTE”. In: Revista Med, Volume 16. Nº 1. Bogotá, 2008. p. 133 ”“135.

VILLANI, Giovanni. Nova Crônica de Giovanni Villani.Giovanni Porta(ed.), 3 vols., Fundação Pietro Bembo, Ugo Guanda. Parma, 1991.

ZENTNER, McLaurine H. The Black Death and its Impact on the Church and Popular Religion.Oxford:Oxford Press, 2015.

Downloads

Publicado

2017-04-03

Como Citar

DIAS, T. F. A Religiosidade sustentada pelo medo: elementos de mudança no imaginário medieval a partir da peste do século XIV. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 29, 2017. DOI: 10.26512/emtempos.v0i29.14745. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14745. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos