Jovens-mulheres-negras-pobres e proteção social no Brasil: reflexões interseccionais sobre os serviços de acolhimento institucional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistainsurgncia.v9i2.47438

Palavras-chave:

Juventude, Acolhimento institucional, Proteção Social, Interseccionalidade

Resumo

O presente artigo apresenta uma revisão bibliográfica sobre a temática das desigualdades de raça, gênero, classe social e faixa etária, com o objetivo de refletir sobre os aspectos centrais que envolvem a proteção social especial de alta complexidade do Sistema Único de Assistência Social brasileiro, mais especificamente os serviços de acolhimento institucional destinados à infância e juventude. Nessa perspectiva, discorre considerações a respeito das particularidades das jovens-mulheres-negras-pobres que são, na atualidade, usuárias majoritárias desses serviços no Brasil. Para tanto, recorrer-se-á à interseccionalidade como método de análise social.

Biografia do Autor

Géssica Campos Lopes, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil

Mestranda em Política Social pela Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense (2022-atual). Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense (2010). Especialista em Mediação de Conflitos com Ênfase em Família pela Universidade Cândido Mendes (2014). Especialista em Instrumentalidade do Serviço Social pela Universidade Cândido Mendes (2020). Especialista em Serviço Social e Políticas Públicas pela Faculdade Intervale (2022). Atuou como assistente social da Força Aérea Brasileira -FAB (2011-2019) e da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos da Prefeitura Municipal de Niterói - SASDH-PMN (2019-2021). Atualmente, é assistente social da Universidade Federal Fluminense - UFF (Divisão de Programas Sociais - Coordenação de Social e Acadêmico/PROAES), e; da Fundação de Apoio à Escola Técnica - FAETEC (Serviço Social na Educação da Divisão de Diversidade e Inclusão Educacional).

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Ed. Jandaíra, 2020.

ARANTES, Esther. Rostos de Crianças no Brasil. In: PILLOTTI, Francisco e RIZZINI, Irene (org.). A Arte de Governar Crianças: A História das Políticas Sociais, da Legislação e da Assistência à Infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano del Niño/Editora Universitária Santa Úrsula/Amais, 1995. p. 169-220.

bell hooks. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 16, p. 193-210, jan./abr. 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 12 dez. 2022.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei no 8.069 de 1990. Brasília, DF: Senado Federal. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069compilado.htm. Acesso em: 25 jan. 2023.

BRASIL. Estatuto da Juventude. Brasília: Presidência da República, 2013a. Disponível em: http://www. planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2013/ Lei/L12852.htm. Acesso em: 25 jan. 2023.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos avançados, v. 17, n. 49, 2003. Disponível em: http://www. scielo.br/pdf/ea/v17n49/18400.pdf. Acesso em: 25 jan. 2023.

COLLINS, Patricia Hil; BILGE, Sirma. O que é Interseccionalidade?. In: COLLINS, Patricia Hil; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. São Paulo: Boitempo, 2020. Disponível em: http://www.ser.puc-rio.br/2_COLLINS.pdf. Acesso em: 12 dez 2022.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento. Site do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento, 12 de dezembro de 2022. Disponível em: https://paineisanalytics.cnj.jus.br/single/?appid=ccd72056-8999-4434-b913- f74b5b5b31a2&sheet=e78bd80b-d486-4c4e-ad8a-736269930c6b&lang=pt- BR&opt=ctxmenu,currsel&select=clearall. Acesso em: 12 dez. 2022.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, ano 10, 2002.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Juventude, trabalho e educação no Brasil: perplexidades, desafios e perspectivas. In: NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo (Org.). Juventude e Sociedade: Trabalho, Educação, Cultura e Participação. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2004.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e Sexismo na Cultura Brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244, 1984.

LOPES, Géssica Campos. E a vida continua... Um estudo sobre o processo de preparação gradativa para o desligamento de jovens que completam a maioridade em instituições de acolhimento, em Campos dos Goytacazes. Goytacazes: Curso de Serviço Social (Graduação), Departamento de Serviço Social de Campos da Universidade Federal Fluminense, Campos dos Goytacazes, 2010.

MARTINEZ, Ana Laura Moraes; SILVA, Ana Paula Soares. O momento da saída do abrigo por causa da maioridade: a voz dos adolescentes. Psicol. rev., Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 113-132, dez. 2008.

POCHMANN, Márcio. A batalha pelo primeiro emprego: a situação atual do jovem e as perspectivas no mercado de trabalho brasileiro. São Paulo: Publisher, 2000.

QUIROGA, Consuelo. O (não) trabalho: identidade juvenil construída pelo avesso?. Praia Vermelha, Rio de Janeiro, v. 7, 2002.

RIZZINI, Irene; RIZZINI, Irma. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios do presente. Rio de Janeiro: Ed. PUCRJ, 2004.

Downloads

Publicado

31.07.2023

Como Citar

CAMPOS LOPES, Géssica. Jovens-mulheres-negras-pobres e proteção social no Brasil: reflexões interseccionais sobre os serviços de acolhimento institucional. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 9, n. 2, p. 375–392, 2023. DOI: 10.26512/revistainsurgncia.v9i2.47438. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/47438. Acesso em: 20 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.