A reestruturação do capital e o sindicalismo de movimento social na pedagogia emancipatória e libertária freiriana

Autores

Palavras-chave:

Sindicalismo de Movimento Social Mundo do Trabalho. Pedagogia de Movimento. Diretos Humanos

Resumo

Todo estudo compreendido no presente artigo, sobretudo do ponto de vista do mundo do trabalho e da aproximação dos movimentos sindicais com os movimentos sociais populares, busca analisar a crise de representatividade do velho classismo sindical no acolhimento coletivo dos “filhos do desemprego” diante da fragmentação da classe trabalhadora. Tenta desvelar a imprescindível lupa em um sinal regenerativo para que a estrutura sindical se renove na perspectiva de um sindicalismo de movimento social popular, alinhado à concepção de Paulo Freire na compreensão pedagógica de valorização das diferenças, na rebeldia e indignação. O artigo buscar identificar, sob a ótica da construção histórica dos direitos humanos e na perspectiva libertária freiriana, o rearranjo de toda sistemática de conformação sindical, dentro de sua historicidade no país, para apreender a necessidade de um repertório de lutas sob novas formas de organização, de modo integrado ao referencial teórico dos movimentos populares, periféricos e identitários, a partir dos elementos que configuram a morfologia do trabalho na agenda social coletiva do sindicalismo.

Biografia do Autor

Rodrigo Camargo Barbosa, RENAP - Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares

Especialista em Direito Sindical e Direitos Humanos pelo IESB. Membro do Grupo de Pesquisa “Informais – Trabalho, Interseccionalidade e Direitos”, vinculado à Universidade de Brasília – UnB. Registro no CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/765303. Advogado popular.

Referências

ALONSO, Ângela. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Revista Lua Nova, n. 76, p. 49-86, 2009.

ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho: Reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Editorial Boitempo, 2000.

ALVES, Giovanni. Dimensões da reestruturação produtiva do capital. In: O público e o privado, 2008. Nº.11, p. 9 - 20, jan/jun. Disponível em: http://www.seer.uece.br/?journal=opublicoeoprivado&page=article&op=download&path%5B%5D=129&path%5B%5D=199. Acesso em 21/07/2018.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 4ª ed. Campinas: Editoria Boitempo, 2001.

ANTUNES, Ricardo. Trabalho e precarização numa ordem neoliberal. In: GENTILI, P.; FRIGOTTO, G. (Org.). A Cidadania Negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

ANTUNES, Ricardo. O Caracol e sua Concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Editora Boitempo, 2005.

ANTUNES, Ricardo. A nova morfologia do trabalho no Brasil: reestruturação e precariedade. Revista Nueva Sociedad especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552.

ANTUNES, Ricardo. O trabalho, sua nova morfologia e a era da precarização estrutural. Revista THEOMAI / THEOMAI JOURNAL – Estudios sobre Sociedad y Desarrollo / Society and Development Studies. Número 19 – primeiro semester de 2009.

ARAÚJO, Eduardo Marques Vieira. Movimentos Sociais e a Verdadeira Valorização do Trabalho sob a Perspectiva Constitucional. In: HENRIQUE, Carlos Augusto Junqueira; DELGADO, Gabriela Neves; VIANA, Márcio Túlio; RIBEIRO, Patrícia Henriques (Coord.). Trabalho e Movimentos Sociais. Belo Horizonte: Del Rey, 2008.

BOITO Jr, Armando. O sindicalismo de Estado no Brasil; Idem. “Reforma e persistência da estrutura sindical”. In: BOITO Jr, Armando (org.). O sindicalismo brasileiro nos anos 80; Idem. “De volta para o novo corporativismo – A trajetória política do sindicalismo brasileiro”. São Paulo em Perspectiva. São Paulo: Fundação Seade, nº 3, 1994.

CASTELLS, Manuel. Redes de Indignação e Esperança. Movimentos sociais na era da Internet. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CHALHOUB, Sidney. DA SILVA. Fernando Teixeira, Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980. Cadernos AEL, Campinas, v. 14, n. 26, 2009. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980.

COSTA, Márcia da Silva. Trabalho informal: um problema estrutural básico no entendimento das desigualdades na sociedade brasileira. Cad. CRH [online]. 2010, vol.23, n.58.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

D’ INCAO, Maria Ângela (org). O Brasil não é mais aquele. Mudanças Sociais após a redemocratização. São Paulo: Cortez, 2001.

EDELMAN, Bernard. A legalização da classe operária. Coord. e tradução Marcus Orione. 1. Ed. São Paulo, Boitempo: 2016.

ENGELS, Friedrich, A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Trad. B. A. Schumann; Supervisão, apresentação e notas José Paulo Netto. - [Edição revista]. - São Paulo: Boitempo, 2010.

ESCRIVÃO FILHO, Antônio; SOUSA JUNIOR, José Geraldo de. Para um debate teórico-conceitual e político sobre os direitos humanos. Belo Horizonte: Editora D’Placido, 2016.

ESTANQUE, Elísio. Trabalho e sindicalismo – os impactos da crise. Finisterra – Revista de Reflexão e Crítica, nº 65/66, Primavera/Verão 2009, pp. 135-150.

ESTANQUE, Elísio. Sindicalismo e movimentos sociais: ação coletiva e regulação social no contexto europeu e português. Lutas Sociais. Revista do Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas Sociais (NEILS), São Paulo, n.23, p.55-67, 2º sem. 2009.

FAUSTO, Boris. Trabalho urbano e conflito social: 1890-1920. São Paulo: Cia das Letras, 2016.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

FERREIRA, António Casimiro. Sociedade da austeridade e direito do trabalho de exceção. Porto: Vida Económica, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GIANNOTTI, Vito. História das Lutas dos Trabalhadores no Brasil. São Paulo: Editora Mauad, 2007.

GÓES JUNIOR, José Humberto; MIRANDA, Adriana Andrade; SOUSA, Nair Heloísa Bicalho de; VIEIRA, Lília S. Rodrigues da Costa. Educação em Direitos Humanos Achada na Rua: construção histórica e desafios da EDH. In: O Direito Achado na Rua: Introdução Crítica ao Direito como Liberdade / organizador: José Geraldo de Sousa Júnior (et all). Brasília: OAB Editora; Editora Universidade de Brasília. Volume 10.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais. Paradigmas clássicos e contemporâneos. 9. ed. São Paulo: Loyola, 2011

HABERMAS, Jurgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Vol. II. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro, 2011.

HABERMAS, Jurgen. New social movements. Telos, New York, nº 49, 1981.

HARVEY, David. A Condição Pós-Moderna. São Paulo: Editora Loyola, 2003.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

KURZ, Robert. O Colapso da Modernização - Da Derrocada do Socialismo de Caserna à Crise da Economia Mundial. São Paulo: Paz e Terra, 1991.

LEITE, Márcia de Paula. O futuro do trabalho: novas tecnologias e subjetividade operária. São Paulo: Scritta Editora, 1994.

LIRA, Fernanda Barreto. A greve e os novos movimentos sociais: para além da dogmática jurídica e da doutrina da Organização Internacional do Trabalho. São Paulo: Editora LTr, 2009.

LOPES, Ana Frazão de Azevedo. Empresa e Sociedade: função social e abuso de poder econômico. São Paulo: Quartier Latin, 2006,

LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social. Vol. II. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARCELINO, Paula Regina Pereira. Trabalhadores terceirizados e luta sindical. Curitiba: Appris, 2013.

MARX, Karl. A guerra civil na França. Edição Ridendo Castigat Mores. Versão para eBook. Setembro, 1999.

MESZÁROS, István. A educação para além do capital. Trad. Isa Tavares. 2. Ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

OFFE, Claus. Trabalho e Sociedade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

OLIVEIRA, Roberto Véras de. Trabalho precário, desenvolvimento e a questão social no Brasil: um caminho tortuoso e difícil. Revista Análise nº 30/2017. A era neoliberal e a negação dos direitos sociais.

OLIVEIRA, Roberto Véras de. LADOSKY, Mário Henrique. O novo sindicalismo pela ótica dos estudos do trabalho. Revista Mundos do Trabalho. Volume 6. Número 11. Janeiro/Junho 2014. P. 147/170.

PORTO, Noêmia. Sofrimento banalizado em "Carne e Osso": o direito a qual proteção fundamental? Rev. TST, Brasília, vol. 78, no 3, jul/set 2012.

RAMOS, Gabriel de Oliveira; DUTRA, Renata Queiroz. Tendências desmobilizadoras oriundas da terceirização e da precarização trabalhista: reflexos na atuação sindical. In: DELGADO, Gabriela Neves; BRITTO, Ricardo José Macedo de (Coordenadores). Trabalho, Constituição e cidadania. A dimensão coletiva dos direitos sociais. São Paulo, LTr, 2014.

ROSSI, Waldemar. GERAB, William. Para entender os Sindicatos no Brasil: uma visão classista. São Paulo: Editora Expressão Popular: 2009.

SANTOS, Boaventura de Souza (Org.). Trabalhar o Mundo. Os caminhos do novo internacionalismo operário. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SANTOS, Boaventura de Souza. A difícil democracia: reinventar as esquerdas São Paulo: Boitempo, 2016.

SIQUEIRA, Gustavo Silveira. História do Direito de Greve no Brasil (1890-1946): Criminalização, Mito da Outorga e Movimentos Sociais. Coleção Direito e Emancipação - Volume III. RJ: Lumen Juris, 2017.

TOURAINE, Alain. Os novos conflitos sociais: para evitar mal-entendidos. Tradução de Marili da Cunha Bezerra. Lua Nova, São Paulo: Cedec, n. 17, 1989.

TROYANO, Annez. Estado e sindicalismo. São Paulo: Símbolo, 1978; MARANHÃO, Ricardo. Sindicatos e redemocratização. São Paulo: Brasiliense, 1.979 e DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O comando geral dos trabalhadores no Brasil - 1.961/64. Petrópolis: Vozes, 1.986.

TROYANO, Annez. Movimentos e lutas sociais na história do Brasil. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2009.

TUMOLO, Paulo Sergio. Da contestação à conformação: a formação sindical da CUT e a reestruturação capitalista. 2. ed. Florianópolis: Em Debate, 2013.

WEFFORT, Francisco. Democracia e movimento operário: algumas questões para a história do período 1945/1964. Revista de Cultura Contemporânea. São Paulo, n. 1, 1978b.

Downloads

Publicado

28.06.2022

Como Citar

BARBOSA, Rodrigo Camargo. A reestruturação do capital e o sindicalismo de movimento social na pedagogia emancipatória e libertária freiriana. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, p. 1–22, 2022. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/40381. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

Em Defesa da Pesquisa

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.