O MTST e o poder da Ideologia: uma análise da mídia PodOcupá

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistainsurgncia.v9i1.44555

Palavras-chave:

Ideologia, MTST, PodOcupá, István Mészáros

Resumo

Este artigo analisa o projeto ideológico proposto pelo MTST a partir da compreensão dos determinantes econômicos e políticos presentes no processo pedagógico de formação da militância deste movimento social, por meio da análise da mídia de podcast PodOcupá. O método de produção dos dados primários que se utilizou foi o da Análise de Conteúdo. Para tanto, a análise dá-se com aporte na obra de István Mészáros, notadamente a partir da elaboração da ideologia como dimensão prática da consciência social. Identificou-se que o sistema econômico pretendido por este movimento social tem como exemplo o modelo das cozinhas solidárias, centra-se na categoria do trabalho, tendo o proletariado como o agente orgânico do movimento. Como determinantes políticos se têm que o projeto que se busca é o de democracia participativa com base na formação do poder popular, que os mecanismos internos de representação têm por objetivo contemplar a todos e que, sobretudo, respeita-se a existência das subjetividades como plurais, visto que são identidades livres e dignas de autorrepresentação. Ademais, este estudo justificou-se sociologicamente e eticamente com base na importância social da produção de novas pesquisas que reconheçam os planos de intervenção social elaborados pelos próprios movimentos sociais como projetos ideológicos específicos e, por isso, resultantes de contradições concretas nas relações sociais.

Biografia do Autor

Matheus Braz Horstmann, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Pampa, campus Santana do Livramento/RS (UNIPAMPA); Especialização em Sociologia pela Universidade Federal de Rio Grande (FURG). Atualmente é tutor do Projeto de Extensão Incubadora de Empreendimentos Econômicos da Fronteira da Paz, UNIPAMPA, campus Santana do Livramento/RS.

Ricardo Gonçalves Severo, Universidade Federal de Rio Grande, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil

Professor da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Doutorado em Ciências Sociais pela PUCRS (2014), com área de concentração em sociologia política. Trabalha com o tema movimentos sociais, ativismo político, juventudes e educação. Atua no Programa de Pós-Graduação em Educação e na Especialização em Sociologia da FURG. Integrante dos Grupos de Pesquisa Geração e Juventude (GERAJU) e Dinâmicas Políticas, Estado e Movimentos Sociais (DIPEM).

Referências

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviço na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução: Luis Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BOULOS, Guilherme. Por que ocupamos?: uma introdução à luta dos sem-teto. Scortecci Editora, São Paulo. 2012.

BOULOS, Guilherme. Estudo sobre a variação de sintomas depressivos relacionada à participação coletiva em ocupações de sem-teto em São Paulo. 2016. 124 f. São Paulo: Curso de Medicina, Programa de Psiquiatria (Mestrado) da Universidade de São Paulo, 2016. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5142/tde06062017084608/publico/GuilhermeCastroBoulos.pdf. Acesso em: 10 dez. 2020.

BRAGA, Ruy. Lutas Sociais no Sul Global. In: BRAGA, Ruy. A rebeldia do precariado: trabalho e neoliberalismo no sul global. São Paulo: Boitempo, 2017. p. 185-245.

CHAUÍ, Marilena. O que é Ideologia? 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2008. 119 p.

EAGLETON, Terry. A ideologia e suas vicissitudes no marxismo ocidental. In: ZIZEK, Sjavoj (org.). Um Mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. Cap. 9. p. 179-226.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. [Qualitative sozialforschung, 3 rd ed. (Inglês)]. Tradução de Joice Elias Costa, Revisão técnica de Sônia Elisa Caregnato. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 405 p.

GIAQUINTO, Marina Ferreira. TORNANDO-SE UM “ACAMPADO”: a experiência das famílias organizadas pelo movimento dos trabalhadores sem teto (MTST). 2016. 196 f. São Carlo: Curso de Sociologia (Mestrado) da Universidade Federal de São Carlos, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/8612. Acesso em: 14 abr. 2021.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Ed. Atlas, 2008. Disponível em: https://ayanrafael.files.wordpress.com/2011/08/gil-a-c-mc3a9todos-e-tc3a9cnicas-de-pesquisa-social.pdf. Acesso em: 23 nov. 2017.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. Edições Loyola, 1997. Disponível em: http://flacso.org.br/files/2016/10/120184012-Maria-da-Gloria-Gohn-TEORIA-DOS-MOVIMENTOS-SOCIAIS-PARADIGMAS-CLASSICOS-E-CONTEMPORANEOS-1.pdf. Acesso em: 03 dez. 2020.

GORCZEVSKI, Clovis; BELLOSO MARTÍN, Nuria. Cidadania, democracia e participação política: os desafios do século XXI. 2018.

KOWARICK, Lúcio. A espoliação urbana. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LEFEBVRE, Henry. O direito à cidade. 5. ed. São Paulo: Centauro Editora, 2008. 143 p.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe: Estudos sobre a dialética marxista. 1. ed. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2003.

MANNHEIM, Karl. Ideología y utopía: introducción a la sociología del conocimiento. México: Fondo de Cultura Económica, 2010. 161 p. (Edición Electrónica).

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. MARX, Karl. O capital – Crítica da economia política: livro primeiro – o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2017.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução: Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2011.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM TETO (MTST). Cartilha de princípios: organização e linha política. São Paulo: 2013.

NETTO, José Paulo. Capitalismo e reificação. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1981.

OLIVEIRA, Renan Dias. A FORMAÇÃO POLÍTICA DE TRABALHADORES PRECARIZADOS NO MST E NO MTST. Reves - Revista Relações Sociais, Universidade Federal de Viçosa, v. 2, n. 1, p. 0034-0050, 18 fev. 2019.

SIMÕES, Guilherme; CAMPOS, Marcos; RUD, Rafael. MTST: 20 anos de história: luta, organização e esperança nas periferias do Brasil. Autonomia literária, 2017.

SINGER, Paul. Economia solidária, um modo de produção e distribuição. In. SINGER, Paul; SOUZA, André Ricardo de. (orgs.) A Economia solidária no Brasil: A autogestão como resposta ao desemprego. 2000.

SOUZA, José Otávio Catafesto de. O sistema econômico nas sociedades indígenas Guarani pré-coloniais. Horizontes Antropológicos, v. 8, p. 211-253, 2002.

STANDING, Guy. O precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

TOMIZAKI, Kimi; CARVALHO-SILVA, Hamilton Harley de; SILVA, Maria Gilvania Valdivino. Socialização política e politização entre famílias do movimento dos trabalhadores sem teto. Educação & Sociedade, v. 37, n. 137, p. 935-954, 2016.

Downloads

Publicado

22.12.2022

Como Citar

HORSTMANN, Matheus Braz; GONÇALVES SEVERO, Ricardo. O MTST e o poder da Ideologia: uma análise da mídia PodOcupá. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 9, n. 1, p. 543–578, 2022. DOI: 10.26512/revistainsurgncia.v9i1.44555. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/44555. Acesso em: 29 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.