Masculino, feminino ou neutro? A prática tradutória e as questões de gênero

Autores

  • Ticiano Jardim Pimenta Universidade de Franca
  • Maria Flávia Figueiredo Universidade de Franca

DOI:

https://doi.org/10.26512/rhla.v18i1.25016

Palavras-chave:

Tradução, Gênero, Estrutura das Línguas, Inglês, Português

Resumo

A atividade tradutória existe desde os primórdios das civilizações e, nessa prática, os tradutores sempre enfrentaram situações adversas no campo da tomada de decisão. As escolhas feitas por esses profissionais, seja no momento da tradução de simples textos, seja durante a produção de versões de documentos oficiais, são fundamentais nos processos de comunicação humana. Com a ascensão de movimentos sociais que emergiram a partir da década de 1960 e que, grosso modo, questionam a perspectiva binária da sexualidade humana, o tradutor enfrenta percalços no tocante à tradução de denominações relativas a gênero nas línguas. Este artigo parte do pressuposto que, em muitas línguas (como no português), o sexo biológico não fundamenta o escopo do gênero como uma categoria linguística; já, em outras (como o inglês), o sexo é fator predominante na sua marcação. Nesse contexto,  tem-se como objetivo levantar pontos de vista sobre as dificuldades existentes na tradução de textos de língua inglesa para portuguesa (ou vice-versa) no que tange a problemática de gênero. Valendo-se de uma metodologia exploratória-comparativa e de um arcabouço teórico fundamentado em teorias sobre tradução e relativas a gênero, espera-se que este texto forneça subsídios para aqueles que se lançam aos desafios da prática tradutória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ARROJO, Rosemary. Oficina de tradução: a teoria na prática. 4. ed. São Paulo: Ática, 2000.

CÂMARA Jr., Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. São Paulo: Vozes, 2004.

CAMPOS, Geir. O que é tradução. São Paulo: Brasiliense S.A., 1986.

CARVALHO, Daniel. O traço de gênero na morfossintaxe do português. Delta, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 635-660, jun. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502018000200635&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 20 maio 2019.

DELISLE, Jean; WOODSWORTH, Judith. Os tradutores na história. Tradução Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 1998.

DEMBROFF, Robin; WODAK, Daniel. He/She/They/Ze. Ergo, v. 5, n. 14, p. 371-406, 2018. Disponível em: <https://philpapers.org/archive/DEMH-3.pdf>. Acesso em: 20 maio. 2019.

ERVIN, Susan M. The connotations of gender. Word, Londres, v. 61, p. 249-261, dez. 2015. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/loi/rwrd20?close=61&year=2015&repitition=0#vol_61_2015>. Acesso em: 20 maio 2019.

GASTIL, John. Generic pronouns and sexist language: the oxymoronic character of masculine generics. Sex roles, v. 23, p. 629-643, dez. 1990. Disponível em: < https://link.springer.com/article/10.1007%2FBF00289252#citeas>. Acesso em: 20 maio 2019.

HEILBORN, Maria Luiza. De que gênero estamos falando?. Sexualidade, Gênero e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 1-8. Disponível em: < http://www.clam.org.br/bibliotecadigital/uploads/publicacoes/de%20que%20genero%20estamos%20falando.pdf>. Acesso em: 20 maio 2019.

KAROUBI, Behrouz. Gender and translation. In: Zainurrahman (Ed.). The theories of translation: from history to procedures. E-book. 2009. p. 65-75. Disponível em: <https://www.academia.edu/6271538/The_Theories_of_Translation_From_History_to_Procedures>. Acesso em: 20 maio 2019.

KOLODNY, Rossana Saute. Marcação de gênero e classe temática em português e em francês. 2016. 64 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso do curso de Letras) ”“ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

LEECH, Geoffrey; SVARTVIK, Jan. A communicative grammar of English. Singapore: Longman Group Limited, 1992.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

MITTMANN, Solange. Notas do tradutor e processo tradutório: análise sob o ponto de vista discursivo. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

PETTERSSON, Barbara Gawrońska. In: SCHAB, Sylvia; SKRZYPEK, Dominika; ZBOROWSKI, Piotr (Eds.). Folia scandinavica posnaniensia. v. 12. Poznań: Adam Mickiewicz University Press, 2011. p. 57-70.

THOMPSON, A. J.; MARTINET, A. V. A practical English grammar. 2. ed. Aylesbury: Oxford University Press, 1969.

Downloads

Publicado

2019-06-01

Como Citar

Pimenta, T. J., & Figueiredo, M. F. (2019). Masculino, feminino ou neutro? A prática tradutória e as questões de gênero. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 18(1), 37–55. https://doi.org/10.26512/rhla.v18i1.25016

Edição

Seção

Artigos