Mão-de-obra indígena na Amazônia Colonial

Autores

  • James Sousa

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i06.20175

Palavras-chave:

Mão-de-obra indígena. Leis e regimentos. Escravidão. Pombal. Missionários e mercenários.

Resumo

Uma das características marcantes do processo de conquista português na Amazônia foi a utilização da mão-de-obra indígena. Colonos, missionários e a Coroa portuguesa envolveram-se em constantes embates e também em conivências que definiram tragicamente o destino dos índios. Diversas leis, regimentos e decretos foram criados pelo Estado português, ao longo do período colonial, que refletiram o poder político dos interessados na proteção ou manutenção da mão-de-obra indígena, tais determinações jurídicas quando favoreciam os índios eram logo derrubadas, não cumpridas ou criavam-se brechas para justificar o aprisionamento e escravidão dos mesmos. As diferentes posturas adotadas pelas ordens religiosas, responsáveis por exercerem o contato com os índios, foram constantes na polêmica que instaurou-se nos confins amazônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

James Sousa

Mestre em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília.

Referências

ALMEIDA, Rita Heloisa de. O Diretório dos índios: um projeto de civilização no Brasil do século XVIII. Brasília, Edunb, 1997.

AZEVEDO, João Lúcio de. Os jesuítas no Grão - Pará - suas missões e a colonização. Lisboa, Tavares Cardoso e Irmão, 1901.

BEOZZO, José Oscar. Leis e regimentos das Missões - Política Indígenista no Brasil. São Paulo, Edições Loyola, 1984.

BETENDORF, João Felipe. Chronica da Missão dos Padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão in: Revista do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro, Tomo LXXII, parte I. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1910.

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo. Cia. das Letras, 1992.

CARDOSO, Flamarion S. Economia e Sociedade em Áreas Econômicas Periféricas. Rio de Janeiro, Graal, 1984.

CEHILA. História da Igreja no Brasil Tomo II/1. Petrópolis, Vozes, 1992. _______. “Os movimentos missionários” in Hoornaert, Eduardo. História da Igreja no Brasil. Tomo II/1, Petrópolis, Vozes, 1992.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Os direitos do índio. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DUSSEL, Enrique. “As reduções: Um modelo de evangelização e um controle hegemônico” in Hoornaert (org). Das Reduções Latino-Americanas ás lutas indígenas atuais. São Paulo, Vozes, 1982.

FARAGE, Nadia. As muralhas dos Sertões ”“ Os povos indígenas no rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra: ANPOCS, 1991.

FRAGOSO, Hugo. “A era missionária (1686 ”“ 1759)” in Hoornaert (org) História da Igreja na Amazônia. Petrópolis, Vozes, 1992.

FURTADO, Francisco Xavier de Mendonça. Diretório que se deve observar nas povoações dos índios do Pará, e Maranhão enquanto sua Majestade não mandar o contrario. Lisboa, Oficina Miguel Rodrigues, 1758.

HANDELMANN, Heinrich. História do Brasil - Tomo I, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1931.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Tomo IV. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, 1938.

LEONARDI, Victor. Entre Árvores e Esquecimentos. História Social nos Sertões do Brasil. Brasília, Paralelo 15, 1996.

_______. Os Historiadores e os Rios - natureza e ruína na Amazônia brasileira. Edunb/Paralelo 15, Bsb, 2000.

MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal: paradoxo do Iluminismo. Cia. das Letras, São Paulo, 1996.

MOISES, Beatriz Perrone, “Os princípios da legislação indígenista do período colonial” in Da Cunha (org.) História dos Ìndios no Brasil. São Paulo, Cia das Letras, 1992.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo.Companhia das Letras, 1994.

MOREIRA NETO, Carlo de Araújo. “Os principais grupos que atuaram na Amazônia Brasileira entre 1607 e 1759.” História da Igreja na Amazônia. Editora Vozes, Petrópolis, 1992.

PORRO, Antônio. “História Indígena do Alto e Médio Amazonas (séculos XVI /XVII) in Cunha, Manuela Carneiro da. (org.) História dos Ãndios no Brasil. São Paulo. Cia das Letras, 1992.

SANTOS, Corcino Medeiros dos. Amazônia: conquista e desequilíbrio do ecossistema. Brasília, Thesaurus, 1998.

SWEET, David. Rich Realm of nature destroyed: The middle amazon valley. Wisconsin. University of Wisconsin, tese de PhD, 1974, Volume II. SOUSA, James O. Religião, Estado e Escravidão na Amazônia Colônia ”“ A atuação da Ordem de Nossa Senhora das Mercês (1640-1794). Brasília, UnB, 2000.

THOMAS, Georg. A Política Indigenista dos portugueses no Brasil 1500 - 1640. São Paulo, Loyola, 1981. VIEIRA, Antônio. Cartas. São Paulo, Livraria Magalhães, 1912.

_______. Escritos Instrumentais sobre os índios - São Paulo, Educ/Loyola/Giordano, 1992.

Downloads

Publicado

2011-02-07

Como Citar

SOUSA, J. Mão-de-obra indígena na Amazônia Colonial. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 06, 2011. DOI: 10.26512/emtempos.v0i06.20175. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/20175. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos