Raça, gênero e maternidade

as mulheres escravizadas na proposta de emancipação gradual de José Bonifácio

Autores

  • Caroline Passarini FFLCH - USP

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i36.31684

Palavras-chave:

Escravidão. Mulheres Negras. Emancipação

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar um documento conhecido pela historiografia brasileira, a “Representação a Assembleia Geral Constituinte e Legislativa do Império do Brasil sobre a Escravatura”, escrita por José Bonifácio em 1823. No entanto, buscamos propor uma ótica ainda pouco utilizada quando nos debruçamos sobre documentos oficiais e burocráticos do século XIX: a perspectiva de gênero. Com a possibilidade de fechamento do tráfico de escravos para o Brasil e medidas que pudessem, gradativamente, acabar com a escravidão no país, as propostas de Bonifácio nos serviram de ponto de partida para discutir aqui o ‘lugar’ destinado à mulher negra escravizada nesse projeto de sociedade. Colocando a mulher negra no centro de nossa leitura, utilizaremos o documento como forma de discutir algumas das representações feitas sobre a mulher negra escravizada em diálogo com uma bibliografia internacional sobre raça, gênero, feminismo e escravidão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTINK, Henrice. Representations of Slave Women in Discourses of Slavery and Aboliton, 1780-1838. Thesis for degree of Doctor of Philosophy. Wales: The University of Hull, 2002.
ARAÚJO, Valdei Lopes de. Como Transformar Portugueses em Brasileiros: José Bonifácio de Andrade e Silva, Revista Intellectus, Rio de Janeiro, UERJ, Ano 05, vol.1, 2006, p.1-13
BERTIN, Enidelce. Alforrias em São Paulo do Século XIX: liberdade e dominação. São Paulo: Humanitas, 2004.
CARVALHO, Flávio Rey de. Um Iluminismo Português? A Reforma da Universidade de Coimbra de 1772. Dissertação de mestrado. Brasília: Universidade de Brasília, UnB, 2007
CANELAS, Letícia. Escravidão e Liberdade no Caribe Francês: a alforria na Martinica sob uma perspectiva de gênero, raça e classe (1830-1848). Tese de doutorado. Campinas ”“SP: Unicamp, 2017.
CÔRTES, Giovana Xavier da C. Coisas de pele: relações de gênero, literatura, e mestiçagem feminina (Rio de Janeiro, 1880-1910). 2005. Dissertação (Mestrado em História). Niterói, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.
DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. Tradução: Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.
FLORENTINO, Manolo & GOES, José Roberto. A paz das senzalas. Famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, c.1790 - c.1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.
GOMES, N. L. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
HARTMAN, Saidyia V. Seduction and the ruses of power. In: __. ALARCÓN, Norma; MOALLEM, Minoo (edited). Between Woman and Nation. Nationalism, Transnational Feminisms, and State. London: Duke University Press, 1999, p.111-141.
HOOKS, Bell. Sexism and the Black Female Slavw Experience. In: __. Ain’t I a Woman. Black Woman and Feminism. London: Pluto Press, 1990, p.15-50
hooks, Bell. Intelectuais negras. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, IFCS/UFRJE; PPCIS/UERJ, v. 3 n. 2, 1995, p.464-478.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Aspectos da Ilustração no Brasil. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1968, vol. 278, jan-mar, p.105-170
MACHADO, Maria Helena P.T. Mulher, corpo e maternidade. In:SCHWARCZ, L. M. & GOMES, F. (org.). Dicionário da Escravidão e da Liberdade: 50 textos críticos. São Paulo: Cia.das Letras, 2018
MAXWELL, Kenneth. A geração de 1790e a ideia do império luso-brasileiro. In: __. Chocolate, piratas e outros malandros: ensaios tropicais. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
MORGAN, Jennifer L., Laboring Women: Reproduction and Gender in New World Slavery. Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 2004.
OLIVEIRA, Cleiton. A prole de Caim e os descendentes de Cam: legitimação da escravidão em Portugal e a influência das Bulas Dum diversas (1452 e Romanus Pontífex (1455). Dissertação de Mestrado em História Ibérica. Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, Minas Gerais, 2018
RAYMUNDO, Letícia de Oliveira. Legislar, amalgamar, civilizar: A mestiçagem em José Bonifácio de Andrada e Silva (1782-1823), Dissertação de Mestrado, FFLCH ”“ USP, São Paulo, 2011
SILVA, Ana Rosa Cloclet da. Construção da Nação e Escravidão no pensamento de José Bonifácio: 1783-1823, Campinas: SP, Editora da Unicamp/Centro de Memória Unicamp, 1999
STAMPP, Kenneth M. The Peculiar Institution: Slavery in the Antebellum South. Nova York, Vintage Books, 1956. Disponível em: https://archive.org/details/peculiarinstitut00stam
TELLES, Lorena Féres da Silva. “Teresa Benguela e Felipa Crioula estavam grávidas: maternidade e escravidão no Rio de Janeiro (século XIX) ”, Tese de doutorado. São Paulo: FFLCH/USP, 2018
TURNER, Sasha. Contested Bodies: Pregnancy, Childrearing, and Slavery in Jamaica (1780-1834). University of Pennsylvania Press, 2017.
VAILATI, Luiz Lima. A morte menina: infância e morte infantil no Brasil dos Oitocentos (Rio de Janeiro e São Paulo). São Paulo: Alameda, 2010.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

PASSARINI, C. Raça, gênero e maternidade: as mulheres escravizadas na proposta de emancipação gradual de José Bonifácio. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 36, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i36.31684. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/31684. Acesso em: 7 dez. 2022.