As famílias cativas capixabas entre 1850-1871

um comparativo entre as Regiões Sul e Central da província

Autores

  • Laryssa da Silva Machado Universidade Federal do Espírito Santo
  • Lucas da Silva Machado Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i36.31676

Palavras-chave:

Famílias Escravas. História do Espírito Santo. Escravidão.

Resumo

O presente artigo pretende analisar a composição das famílias cativas do Espírito Santo entre os anos de 1850 e 1871, datas marcadas pela promulgação das leis abolicionistas Eusébio de Queirós e Lei do Ventre Livre. As regiões da província capixaba estudadas são Vitória, capital provincial, Cachoeiro de Itapemirim e Itapemirim, ambas na região sul. As três localidades possuíam economia diversificada, e portanto, a composição de suas escravarias também apresentava peculiaridades. Vitória tinha economia voltada para o abastecimento interno da província, e sua escravaria era formada por maioria de crioulos. Cachoeiro tinha como fonte econômica as lavouras de café destinadas a exportação, que era a principal fonte econômica da província. Itapemirim, por sua vez, produzia grande quantidade de açúcar, além de ser o principal porto exportador deste produto e do café para a Corte. Tanto em Cachoeiro quanto em Itapemirim a presença de africanos era grande. Essas peculiaridades são refletidas na composição das escravarias e das famílias cativas, conforme se observará neste trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes Primárias
Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. Fundo Juízo de Direito da Comarca de Itapemirim. Série Vara de Famílias. 15 caixas.
ESPÍRITO SANTO (Estado). Presidentes de Província (1833-1888). Relatórios de Presidentes da Província do Espírito Santo. Disponível em http://www-apps.crl.edu/brazil/provincial/esp%C3%ADrito_santo
Recenseamento Geral do Império de 1872. Diretoria Geral de Estatística, Rio de Janeiro, Typ. Leuzinger/ Tip. Comercial, 1876, 12 volumes. Disponível em http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/visualiza_colecao_digital.php?titulo=Recenseamento%20Geral%20do%20Brasil%201872%20%20Imp%E9rio%20do%20Brazil&link=Imperio%20do%20Brazil#.
Fontes Bibliográficas
ALMADA, Vilma P. F. Escravismo e Transição: o Espírito Santo, 1850-1888. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.
BITTENCOURT, Gabriel. A Formação Econômica do Espírito Santo: O Roteiro da Industrialização. Do Engenho às Grandes Indústrias (1835-1980). Rio de Janeiro/Vitória: Livraria Editora Cátedra em convênio com Departamento Estadual de Cultura do Estado do Espírito Santo, 1987.
CAMPOS, Adriana Pereira. Escravidão, reprodução endógena e creolização: o caso do Espírito Santo no Oitocentos. Topoi, v. 12, n. 23, 2011, p. 84-96.
CAMPOS, Adriana Pereira. Escravidão e Creolização: A Capitania do Espírito Santo, 1790-1815. In: FRAGOSO, João ... [et al.], organizadores. Nas Rotas do Império: eixos mercantis, tráfico e relações sociais no mundo português. Vitória: Edufes; Lisboa: IICT, 2006, p.571-607.
CARVALHO, Enaile F. Política e economia mercantil nas terras do Espírito Santo (1790-1821). Dissertação (Mestrado em História) ”“ Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2008.
DUTRA, Thiara Bernardo. Autoridades coloniais e o controle dos escravos: Capitania do Espírito Santo, 1781-1821. Dissertação (Mestrado em História) ”“ Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.
ENGEMANN, Carlos. De laços e de nós: constituição e dinâmica de comunidades escravas em grandes plantéis do sudeste brasileiro do Oitocentos. Tese de doutorado ao Programa de Pós-graduação em História Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2006.
FARIA, Sheila de Castro. A Colônia em Movimento: fortuna e família no cotidiano colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 1998.
FLORENTINO, Manolo; GÓES, José Roberto. A paz nas senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro c. 1790-c. 1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.
FURTADO, Júnia. F. Família e relações de gênero no Tejuco: o caso de Chica da Silva. Varia Historia. Belo Horizonte, n. 24, jan/2001, p. 33-74.
GUEDES, Roberto. Egressos do cativeiro: trabalho, família e mobilidade social (Porto Feliz, São Paulo, c.1798 - c.1850). Rio de Janeiro: Mauad X/FAPERJ, 2008.
LAGO, Rafaela Domingos. Sob os olhos de Deus e dos homens: escravos e parentesco ritual na Província do Espírito Santo (1831-1888). Dissertação (Mestrado em História) apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2013.
MACHADO, Laryssa da Silva. Retratos da escravidão em Itapemirim-ES: uma análise das famílias escravas entre 1831-1888. Dissertação (Mestrado em História) ”“ Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2019.
MARQUES, Cezar Augusto. Dicionário Histórico, Geográfico E Estatístico da Província Do Espírito Santo. Vitória: Arquivo Público do Espírito Santo, 2003.
MARQUESE, Rafael Bivar. A Dinâmica da Escravidão no Brasil: resistência, tráfico negreiro e alforrias, séculos XVII a XIX. In.: Novos Estudos 74. Mar. 2006.
MATTOS, Hebe. Colonização e escravidão no Brasil: memória e historiografia. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima. O Brasil colonial: vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.
MERLO, Patrícia M. S. O Nó e o Ninho: estudo sobre a família escrava em Vitória, Espírito Santo, 1800-1871. Tese (Doutorado) apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2008.
OLIVEIRA, José Teixeira de. Historia do Estado do Espírito Santo. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2008.
REVEL, Jacques. Microanálise e construção social. In. REVEL, Jacques (org.). Jogos de Escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998, p. 23.
RIBEIRO, Geisa Lourenço. Enlaces e Desenlaces: família escrava e reprodução endógena no Espírito Santo (1790-1871). Dissertação (Mestrado em História) ”“ Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.
SANTOS, Estilaque Ferreira dos. O Território do Espírito Santo no Fim da Era Colonial. In: BITTENCOURT, Gabriel (Org.). Espírito Santo: um painel da nossa história. Vitória: Secult, 2002.
ROCHA, Haroldo Correa; COSSETTI, Maria da Penha. Dinâmica cafeeira e constituição de indústrias no Espírito Santo (1850/1930). Vitória: Departamento de Economia, NEP/UFES, 1983.
SALETTO, Nara. Transição para o Trabalho Livre e Pequena Propriedade no Espírito Santo (1888-1930). Vitória: EDUFES, 1996.
SIMONATO, Juliana S. Fazenda Santa Helena: Escravidão, bastardia e poder. Dissertação (Mestrado em História) ”“ Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2008.
SLENES, Robert W. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava: Brasil Sudeste, século XIX. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2011.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

DA SILVA MACHADO, L.; DA SILVA MACHADO, L. As famílias cativas capixabas entre 1850-1871: um comparativo entre as Regiões Sul e Central da província. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 36, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i36.31676. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/31676. Acesso em: 22 mar. 2023.