As desvantagens de ser invisível

Uma reflexão sobre o racismo no Brasil

Autores

  • Daiara Suellen Gabriel de Ávila Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i36.31780

Palavras-chave:

Racismo. Pós-emancipação. Invisibilidade.

Resumo

A diáspora africana e a escravidão revelam as bases do racismo nas Américas, no Brasil, o contexto de mais de três séculos do sistema escravagista mostra que a estrutura social do país está comprometida pelo racismo estrutural. O presente artigo tem como objetivo entender as diversas faces do racismo estrutural no Brasil durante a escravidão e, no pós-emancipação, bem como as estratégias usadas pelos escravizados para manterem não só a humanidade diante do sistema, mas manter também a cultura viva, ainda que de forma modificada. Ademais, busca-se entender as dinâmicas da conquista da liberdade colocando os escravizados como agentes ativos nesse processo, e as causas da invisibilidade das pessoas negras na academia, e o reflexo desse contexto na educação e produção de conhecimento no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCASTRO, Luis Felipe. (org.) “Epílogo”. In: História da vida privada v. 2 - Império: a corte e a modernidade nacional São Paulo, Companhia das Letras, 1998.
BRIZUELA, Natalia. Fotografia e Império. Paisagens para um Brasil Moderno. São Paulo, Cia. Das Letras / IMS, 2012. CUNHA, Manuela Carneiro da. “Olhar escravo, ser olhado”. In: AZEVEDO, Paulo Cesar de; LISSOVSKY, Maurício, Org. Escravos brasileiros do século XIX na fotografia de Christiano Jr. São Paulo: Ex-Libris, 1988, p.23-30.
CARDOSO, Ciro Flamarion. Escravidão e Abolição no Brasil: Novas Perspectivas. Rio de Janeiro: Zahar, 1988;
DUARTE, Eduardo de Assis. “Maria Firmina dos Reis: Na Contracorrente do Escravismo, o Negro como Referência Moral”, in: CHALLHOUB, Sidney. e PINTO, Ana Flávia Magalhães. Pensadores Negros ”“ Pensadoras Negras. Cruz das Almas/Belo Horizonte: Ed. Da UFRB/Fino Traço, 2016, pp. 41-58.
GAMA, Luiz. " Carta ao filho" e "Carta a Lúcio de Mendonça", In. Com a palavra Luiz Gama. Poemas, artigos, cartas, máximas. Organização, apresentações, notas Ligia Fonseca Ferreira. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, [2011], 2019, pp. 193 e 199-203.
GOMES, Flávio dos Santos e MACHADO, Maria Helena P. T. “Atravessando a liberdade: deslocamentos, migrações e comunidades volantes na década da abolição (Rio de Janeiro São Paulo), in GOMES, Flávio e DOMINGUES, Petrônio (orgs). Políticas da Raça. São Paulo: Summus/Selo Negro, 2014, pp. 69-96.
GOMES, Flávio dos Santos. Histórias de Quilombolas. Mocambos e comunidades de senzalas no Rio de Janeiro, século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, pp. 7-24 e parte 2, pp. 144-247.
GOMES, Flávio e MACHADO, M. Helena P. T. “Da Abolição ao Pós-Emancipação: ensaiando alguns caminhos para outros percursos” in: MACHADO, Maria Helena P. T. e CASTILHO, Celso (orgs). Tornando-se Livres: Agentes Históricos e Lutas Sociais no Processo de Abolição. São Paulo: Edusp, 2015, pp. 19-42.
GORENDER, Jacob. A Escravidão Reabilitada. São Paulo: Ática, 1990
MACHADO, Maria Helena P. T. O Plano e o Pânico. Movimentos sociais na década da Abolição. São Paulo: Edusp, 2010, cap. 3, pp. 97-132.
MARABLE, Manning. Malcolm X: uma vida de reinvenções. Tradução Berilo Vargas. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.
McClintock, Anne. O couro imperial. Cap. 5: “O império do sabonete: racismo mercantil e propaganda imperial”.“Processo-Crime de Amélia Rosa e outros documentos” in: FERRETI, Mundicarmo. Pajelança no Maranhão no Século XIX. O Processo de Amélia Rosa, São Luís: CMF/Fapema, 2004, pp. 63-190;
MENDONÇA, Lúcio de. "Luiz Gama", Almanaque Literário de São Paulo para o ano de 1881. In: Com a palavra Luiz Gama. Poemas, artigos, cartas, máximas. op.cit, pp. 263-270.
MORGAN, Jennifer. Laboring Women. Reproduction and Gender in New World Slavery. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2004, capítulo 4, “’Hannah and Her Children’: Reproduction and Creolization among Enslaved Women”, pp. 107-143.
NAVES, Rodrigo. “Debret, o Neoclassicismo e a escravidão”. In: A forma difícil: ensaios sobre arte brasileira. São Paulo, Ática, 1996.
PALACIOS, Guilhermo. "Campesinato e escravidão: uma proposta de periodização para a história dos cultivadores pobres livres no Nordeste oriental do Brasil:1700-1875 In: Camponeses brasileiros. Leituras e interpretações clássicas. Brasília, NEAD, 2009, pp. 145-178.
PIROLA, Ricardo. Senzala Insurgente. Campinas: Ed. Unicamp, 2011, cap. 1, pp. 35-106.
REIS, João José. “Magia Jeje na Bahia: a invasão do Calundu de Pasto da Cachoeira, 1785”. Revista Brasileira de História. São Paulo, vol. 8, num 16, 1988, pp. 57-81.
REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos malês de 1835. Edição revista e ampliada. São Paulo: Cia das Letras, 2003, cap. 8, pp. 246-282.
REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. Ensaio inicial e estabelecimento do texto de Maria Helena P. T. Machado. São Paulo: Penguin/Cia das Letras, 2018;
SAMPAIO, Gabriela dos R. Juca Rosa. Um Pai de Santo na Corte Imperial. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2009, cap. 3, pp. 183- 230.
SCHWARCZ, Lilia. “Lendo e agenciando imagens: o rei, a natureza e seus belos naturais”. Sociol. Antropol. [online]. 2014, vol.4, n.2, pp.391-431.
SCHWARCZ, Lilia. Espetáculo das raças. São Paulo, Companhia das Letras. 1997; Alonso, Angela. Ideias em movimento. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 2005.
SLENES, Robert W. "Histórias do Cafundó", In. FRY, Peter & VOGT, Carlos. Cafundó (com a colaboração de Robert Slenes): A África no Brasil. Linguagem e sociedade. São Paulo, Cia. das Letras, 1996, pp. 37-102 e 345- 350.
SOUZA, Cláudio Barbosa de. Et al. Marinheiros em luta: A Revolta da Chibata e suas representações. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2012.
TELLES, Lorena. “Teresa Benguela e Felipa Crioula estavam grávidas: maternidade e escravidão no Rio de Janeiro (século XIX)”, tese de doutorado, FFLCH/USP, 2018, capítulo 2, “Africanas e crioulas grávidas na cidade”, pp. 71-118.
TURNER, Sasha. “The nameless and the forgotten: maternal grief, sacred protection, and the archive of slavery”. Slavery and Abolition, vol. 38, no. 2, 232”“ 250.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

SUELLEN GABRIEL DE ÁVILA, D. As desvantagens de ser invisível: Uma reflexão sobre o racismo no Brasil. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 36, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i36.31780. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/31780. Acesso em: 6 fev. 2023.