Sob os signos do poder

a cultura objetificada das joias de crioulas afro-brasileiras

Autores

  • Amanda Gatinho Teixeira IESAM

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i22.19790

Palavras-chave:

Período Colonial Brasileiro. “Jóias de crioulas afro-brasileirasl”. Hibridação.

Resumo

As joias sempre estiveram presentes desde os tempos mais remotos nas civilizações. E durante o Período Colonial Brasileiro foram confeccionadas as emblemáticas “jóias de crioulas afro-brasileiras” que representam mais que simples objetos de joalheria, pois se tornaram documentos que testemunham dinâmicas de poder, negociação e subversão ao quebrarem a ordem do poder vigente. Significando também a manutenção da cultura, preservação da autoestima das usuárias; conquista de liberdade; além de ser uma possibilidade de retomada de suas raízes étnicas. Essas joias são representativas para a nossa identidade cultural, por constituir um testemunho de nossa história, que com o passar do tempo e com uma pretensa massificação, receberam o conceito de símbolo do “Brasil Negro”. Entretanto, as simbologias peculiares de cada uma dessas joias, se perderam, chegando ao universo contemporâneo como “crendices populares” aniquilando suas amplas funções místico-religiosas, entre outras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Adriana Dantas Reis. As mulheres negras por cima. O caso de Luzia jeje. Escravidão, família e mobilidade social. 262f. Tese (Doutorado em História) ”“ Universidade Federal Fluminense, Departamento de História do Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Niterói, 2010.

BITTENCOURT, Renata. Modos de negra, modos de branca: o retrato “baiana” a imagem da mulher na arte do século XIX. 182f. Dissertação (Mestrado em História da Arte e da Cultura) ”“ Universidade Estatual de Campinas, Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2005.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas.Trad. Heloísa Pezza Cintrão, Ana Regina Lessa. 4. Ed. São Paulo: EDUSP, 2006.

CORRÊA, Aureanice de Mello. Territorialidade e Simbologia: o corpo como suporte sígnico, estratégia do processo identitário da Irmandade da Boa Morte. Disponível em: <http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pdf/13%20Aureanice%20de%20Mello%20Correa.pdf> Acessado em: 18 de Agosto de 2010.

CUNHA, Laura; MILZ, Thomas. Joias de crioula. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2011.

FACTUM, Ana Beatriz Simon. Joalheria escrava baiana: a construção histórica do design de jóias brasileiro. 355f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) ”“ Universidade de São Paulo, Design e Arquitetura, São Paulo, 2009.

FARIA, Sheila de Castro. Mulheres forras-riqueza e estigma social. Disponível em:

< http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=167018237005> Acessado em: 20 de Julho de 2013.

GIL, Santiago Alcolea e colaboradores. Artes Decorativas III: As artes decorativas aplicadas à indumentária e ao ornamento pessoal. Rio de janeiro: Edições Del Prado, 2006.

GOLA, Eliana. A jóia: história e design. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

HOUAISS. Disponível em: <http://houaiss.uol.com.br/busca.jhtm?verbete=mucama&stype=k.> Acessado em: 10 de Novembro de 2012.

JANUÁRIO, Erlaine Aparecida. Jóias de adorno, como investimento e de devoção. Disponível em:

<http://www.ichs.ufop.br/memorial/trab/h8_4.pdf> Acessado em: 19 de Agosto de 2010.

LODY, Raul. Jóias de axé: fios de conta e outros adornos do corpo a joalheria afro-brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

MAGTAZ, Mariana. Joalheria Brasileira: do descobrimento ao século XX. 1º Ed. São Paulo: Editora Mariana Magtaz, 2008.

MOTT, Luiz. De escravas à Senhoras. Disponível em: <http://www.ub.edu/afroamerica/EAV2/mott.pdf> Acessado em: 18 de Setembro de 2012.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e universo cultural na colônia: Minas Gerais, 1716-1789. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SILVA, Maciel Henrique Carneiro da. História social do trabalho e história das mulheres:

percursos da historiografia brasileira. Disponível em:

<http://www.revistahistorien.com/05%20HIST%C3%93RIA%20SOCIAL%20DO%20TRABALHO%20E%20HIST%C3%93RIA%20DAS%20MULHERES%20PERCURSOS%20DA%20HISTORIOGRAFIA%20BRASILEIRA.pdf> Acessado em: 20 de Julho de 2013.

SILVA, Simone Trindade Vicente da. Joias Crioulas. São Paulo: Instituto Victor Brecheret, 2012 (Catálogo: Coleção Museu Carlos Costa Pinto).

STRICKLAND, Carol. Arte Comentada: da pré-história ao pós-moderno. Trad. Angela Lobo de Andrade. 13. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

VERGER, Pierre Fatumbi. Artigos. São Paulo: Corrupio, 1992.

Downloads

Publicado

2013-08-27

Como Citar

TEIXEIRA, A. G. Sob os signos do poder: a cultura objetificada das joias de crioulas afro-brasileiras. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 22, p. 12–31, 2013. DOI: 10.26512/emtempos.v0i22.19790. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/19790. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê