O Ponto Cantado de Umbanda como fonte para o Ensino de História

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i36.31750

Palavras-chave:

Ensino de História. Ponto Cantado. Fonte documental.

Resumo

O objetivo deste texto é apresentar e discutir a possibilidade do uso de Pontos Cantados como fonte para o Ensino de História na Educação formal no que tange a proposta de debate a partir da promulgação da Lei Federal 10.639/03 que estabelece a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Africana e Afro-brasileira nos currículos escolares. Para tanto, em um primeiro momento discutimos a Lei como resultado de um longo processo de luta na busca pelo reconhecimento africana e afro-brasileira na formação do Brasil, em segundo apresentamos a Umbanda como um fenômeno religioso brasileiro, e e por últimos apresentamos os Ponto cantado como possibilidade de fonte histórica para o Ensino de História, problematizando seu uso como documento para observação, problematização e análise na construção do conhecimento histórico na educação formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Admilson Eustáquio Prates, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Estadual de Montes Claros/MG (2002), graduação em Pedagogia pelo Instituto Superior de Educação Verde Norte (2018), mestrado em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2009) e doutorado em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2016). Atualmente é docente educação básica técnica tecnológica do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gera. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino Médio Integrado; Currículo; Educação Profissional e Tecnológica; Ética e Educação.

Referências

ABUD, Kátia Maria; SILVA, André Chaves de Melo; ALVES, Ronaldo Cardoso. Ensino de História. São Paulo: Cengage Learning, 2010.
AMARAL, Rita e SILVA Vagner Gonçalves da. Foi conta para todo canto: as religiões afro-brasileiras nas letras do repertório popular brasileiro. In. Revista Afro-Ásia, Salvador, UFBA, n.34, pp. 189-235, 2006.
BARBOSA JÚNIOR, Ademir. O livro essencial de Umbanda. São Paulo: Universo dos Livros, 2014.
BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Identidade nacional e ensino de História do Brasil. In KARNAL, L. História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2003.
________. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2008.
BLOCH, Marc. Apologia da História ou ofício do historiador. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.
BRASIL. Ministério da Educação. Guia de livros didáticos PNLD 2008: História. Brasília: MEC, 2007. (Anos Finais do Ensino Fundamental).
CÂNDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade. 9a edição. Ouro sobre Azul/| Rio de
Janeiro 2006.
CANDAU, Vera M. (org.). Sociedade, educação e cultura (s): questões e propostas.
Petrópolis: Vozes, 2002.
COUTINHO, A. C. C.P. Raça, Etnia e a Escola: Possibilidades de Implementação da Lei 10.639/031. In. Cadernos da Pedagogia. Ano 02, Volume 02, Número 04, agosto/dezembro, 2008.
CUMINO, A. História da Umbanda: uma religião brasileira. São Paulo: Madras, 2010. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/6982/1/Livro%20digital_Giramundos.pdf. Acesso em 29 de abril de 2020.
Ferraz, L. A.. (2011). Lei n° 10.639/03: uma nova possibilidade de reconhecimento da história e cultura afro-brasileira e africana (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Estadual de Londrina ”“ UEL, Londrina, PR, Brasil. Recuperado de http://www.uel.br/ceca/pedagogia/pages/arquivos/LUCIANE%20APARECIDA%20FERRAZ.pdf
FREITAS, B. T. de & PINTO, T. S. Doutrina e Ritual de Umbanda. Rio de Janeiro: Espiritualista, 1970.
FONSECA, Maria Nazareth Soares (org.). Brasil afro-brasileiro. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
Fonseca, Selva G. Didática e prática de ensino em História. São Paulo: Pairus, 2007.
GIUMBELLI, E. Zélio de Moraes e as origens da umbanda no Rio de Janeiro. In. SILVA, V. G. (org.) Caminhos da alma: memória afro-brasileira, São Paulo, Summus, 2002.
GEERTZ, Clifford. A Religião como Sistema Cultural. In: A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Ed. LTC, 2008.
LE GOFF, Jacques. História e Memória. Tradução de Bernado Leitão. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, 1994.
HERMETO, Miriam; SOARES Olavo Pereira. Música e ensino de história. In. Revista História Hoje. Vol. 6, nº 11, 2017.
LOMBARDI, J. C. e NASCIMENTO, M. I. M. (Org). Fontes, História e Historiografia da Educação. Campinas: Autores Associados, 2004. p. 141-176.
MALANDRINO, Brígida Carlo. “Há sempre confiança de se estar ligado a alguém”: dimensões utópicas das expressões da religiosidade bandú no Brasil. Tese de doutorado em Ciências da Religião. PUC-SP, 2010.
MOREIRA, Carina. Metáforas da Memória e da Resistência: uma análise dos pontos cantados na Umbanda. In Anais do XI Congresso Internacional da ABRALIC. USP. 2007.
PINTO, Altair (org.). Dicionário da Umbanda. Rio de Janeiro: Eco, s/d.
PRANDI, R. Herdeiras do Axé: Sociologia das religiões afro-brasileiras. São Paulo: Hucitec, 1996.
PRATES, A. E. “Exu agodô, o sangue eu lhe dei, mas a carne eu não dou”. Traços característicos da identidade de Exu-Sertanejo, expressos no imaginário religioso Afro-Sertanejo da cidade de Montes Claros/ MG, contidos na tradição oral. (dissertação) PUC-SP São Paulo, 2009.
________. Supremo Tribunal Federal e o Ensino Religioso. In. Revista Brasileira de Estudos Jurídicos. Vl. 12, n. 2, jul./dez. 2017.
SANTOS, Bergstos Luan; SILVA, Jaciely Soares da. Ensino da História da cultura afro-brasileira e o conflito democrático: algumas aproximações. In. Educação: ressonâncias teóricas e práticas. Volume 1. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.
SILVA JR, Hédio. Notas sobre o sistema jurídico e intolerância religiosa no Brasil. In: SILVA, Vagner Gonçalves da (org.). Intolerância Religiosa: impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. 1. ed. 1. reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.
SILVA, Edson Santos; CHADA, Sonia. Pontos rituais: a religiosidade afro-brasileira nas composições de Waldemar Henrique. In. II Encontro Regional da Associação Brasileira de Etnomusicologia II Colóquio Amazônico de Etnomusicologia. Disponível em: https://www.academia.edu/31974862/ANAIS_-_II_ABETNORTE_e_II_COL.ETNO.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2020.
SCHWARCZ, L. M. Racismo no Brasil. São Paulo: Publifolha, 2001.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

SOARES DA SILVA, J.; EUSTÁQUIO PRATES, A. O Ponto Cantado de Umbanda como fonte para o Ensino de História. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 36, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i36.31750. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/31750. Acesso em: 7 dez. 2022.