“Discurso ou revólver”? “Tá na hora da revolução”? Diálogos anticoloniais e antirracistas entre o grupo de rap Facção Central, Achille Mbembe e Frantz Fanon

Autores

  • Matheus de Andrade Gomes Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i32.14706

Palavras-chave:

Facção Central. Antirracismo. Anticolonialidade.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as representações contidas no álbum A marcha fúnebre prossegue, do grupo de rap paulista Facção Central em debate com pensadores anticoloniais e antirracistas, como Achille Mbembe e Frantz Fanon, bem como seus pensamentos sobre a colonialidade e uma forma de produzir uma revolução nas realidades que afligem a população negra e pobre. Busca-se, a partir deste diálogo, compreender o período pós-colonial brasileiro, focado nas continuidades que persistem, assim como nas violências e segregações de nossa sociedade, na qual a principal afetada pelas mortes é a juventude masculina, entre os 15 e 29 anos, predominantemente negra e moradora das periferias de São Paulo e pelo Brasil, de onde saíram os integrantes do grupo.

Palavras-chave: Facção Central; antirracismo; anticolonialidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, S. Lei e ordem no segundo governo FHC. Tempo social, São Paulo, v.15, n.2, nov.2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702003000200005. Acesso em: 12/10/2018.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Socidade & Estado, Brasília, vol.31, n.1, pp.99-127, jan-abr. 2016.

GRELE, Ronald J. The view from where we stand: oral history and expanded horizons. História Oral, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 77-85, jul.-dez. 2005.

FANON, Frantz. Em defesa da revolução africana. Lisboa: Sá da Costa, 1980.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas.Salvador: Edufba, 2008.

HALL, Stuart et.al. Representation: cultural representations and signifying practices. Milton Keynes: Open University, 1997.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.KOSELLECK, Reinhart.Futuro Passado: Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2006. MANOEL, D. S. Música para historiadores: [re]pensando canção popular como documento e fonte histórica. In: Encontro Regional de História. Profissão Historiador:Formação e Mercado de Trabalho. 19., 2014, Juiz de Fora. Anais... Juiz de Fora: ANPUH, 2014. p. 1-10.

MBEMBE, Achille. Fanon's nightmare, our reality. 2011 ”“Disponível em: http://mg.co.za/article/2011-12-23-fanons-nightmare-our-reality/. Acesso em: 21/11/2017.

MBEMBE, Achille Necropolítica / Sobre el gobierno privado indirecto. Editorial Melusina, Santa Cruz de Tenerife, 2011.

MBEMBE, Achille. Sair da grande noite: ensaios sobre a África descolonizada. Luanda: Mulemba, 2014.MIR, Luis. Guerra civil: Estado e trauma. São Paulo: Geração Editorial, 2004.

NADANOVSKY, P. O aumento no encarceramento e a redução nos homicídios em São Paulo, Brasil, entre 1996 e 2005.Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(8): 1859-1864, ago/2009.

NAPOLITANO, Marcos. História & Música. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos rumos, n.37, p.4-28, 2002.

SALLES, E. A narrativa insurgente do hip-hop. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, v.1, n. 24., p. 89-109, jul-dez. 2004.

SANCHES, Manuela Ribeiro. Textos anti-coloniais, contextos pós-coloniais. Lisboa: Edições 70, 2011.

SANTOS, J.M.C.T. Atualidade da história no tempo presente. Revista Historiar,Rio de Janeiro, v.1, n.1, p.7-13, 2009.

TADDEO, Carlos Eduardo. A guerra não declarada na visão de um favelado. São Paulo: Edição do autor, 2012.

WAISELFISZ, Jacob. Mapa da violência IV Os jovensdo Brasil:juventude, violência e cidadania. Brasília: UNESCO, 2004.

WAISELFISZ, Jacob. Mapa da violência 2016: homicídios por arma de fogo no Brasil. Brasília: UNESCO, 2016.

Downloads

Publicado

2018-08-21

Como Citar

GOMES, Matheus de Andrade. “Discurso ou revólver”? “Tá na hora da revolução”? Diálogos anticoloniais e antirracistas entre o grupo de rap Facção Central, Achille Mbembe e Frantz Fanon. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 32, 2018. DOI: 10.26512/emtempos.v0i32.14706. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14706. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.