Proposta de unidade didática para formação de intérpretes: o uso de glossários para preparação com vistas à interpretação em conferência da área jurídica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v11.n1.2022.41251

Palavras-chave:

Formação de intérpretes. Intérpretes de Libras. Unidade Didática. Glossários. Terminologia da Libras.

Resumo

Este trabalho insere-se no campo aplicado dos Estudos da Tradução e objetiva trazer reflexões a respeito da elaboração de uma Unidade Didática (UD) destinada ao ensino de interpretação de Libras-Português, mais especificamente à abordagem sobre a preparação para atuação em conferências voltada para o desenvolvimento da subcompetência instrumental e subcompetência extralinguística na seleção, uso e registro de termos, sinais-termo e glossários de Libras.  O artigo busca um diálogo entre o campo da Terminologia e Terminografia de Libras e os Estudos da Didática da Tradução e Interpretação, propondo uma reflexão sobre a formação de intérpretes para atuação em conferências. Apresentamos uma proposta de intervenção pedagógica que trabalhe com competências a serem adquiridas e considere demandas de mercado. Propomos uma UD que auxilie formadores a trabalhar com intérpretes novatos para utilizar materiais terminográficos voltados para a prática de interpretação em contexto de conferência da área jurídica. Para a elaboração da UD, partimos dos fundamentos teórico-metodológicos da Didática da Tradução de Hurtado Albir (1999, 2011, 2015) e das contribuições de teóricos da Terminologia e Terminografia de línguas orais e de sinais, como Bevilacqua e Kilian (2017); Cavallo (2017a, 2017b); Felten (2016; 2020); Krieger e Finatto (2018); Tuxi (2017); Vale (2018), entre outros. A UD proposta por esta pesquisa foi desenhada a partir de tarefas com objetivos que visam à aquisição processual, por parte do intérprete de língua de sinais e português em formação acadêmica, manipulação e criação de glossário para atuação em conferências da área jurídica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Belvilacqua, C. R., & Kilian, C. K. (2017). Tradução e Terminologia: relações necessárias e a formação do tradutor. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, 11(5), p. 1707-1726.

Bevilacqua, C.; & Finatto, M. J. B. (2006). Revista Alfa, São Paulo, 50 (2): 43-54, 2006.

Bugueño Miranda, F., & Farias, V. S. (2011). Da microestrutura em dicionários semasiológicos do português e seus problemas. Estudos da Língua(gem), 9(1), p. 39-69.

Camargo, P. G. (2014). Competência em interpretação - um breve estudo da interpretação em língua B. Tradterm, 23(1), p. 13-33.

Cavallo, P. (2017a). Necessidades terminológicas dos intérpretes vs. as dos tradutores: análise de três produtos terminográficos multilíngues. Cadernos do IL, (54), p. 47-65.

Cavallo, P. (2017b). Dicionários Onomasiológicos para intérpretes novatos: o caso do Longman Language Activator. Tradução em Revista, (23), p. 2-22.

Delisle, J. (1980). L’Analyse du discours comme méthode de traduction - Théorie et pratique. Ottawa: Éditions de l’Universitéd’Ottawa.

Delisle, J. (1993). La traduction raisonnée - Manual d’initiation à la traduction professionnelle del’anglais vers le français. Ottawa: Les Presses de l’Université d’Ottawa.

Faulstich, E. (1995). Base metodológica para pesquisa em socioterminologia: termo e variação. Brasília: Centro Lexterm.

Faulstich, E. (2012). Glossário sistêmico de léxico terminológico para pesquisadores surdos. Brasília, Centro Lexterm. Em elaboração.

Felten, E. F. (2016). Glossário sistêmico bilíngue Português-Libras de termos da história do Brasil. 2016. 167 f., il. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

Felten, E. F. (2020). Obras lexicográficas em Língua de Sinais com base em percursos Semasiológicos e Onomasiológicos. In: Dossiê Léxico, Terminologia e Políticas Linguísticas: SAJEBTT, Rio Branco, UFAC, 2020.

Finatto, M. J., & Motta, E. (2017). Terminologia e Acessibilidade: novas demandas e frentes de pesquisa. GTLex, 2(2), p. 316-356.

Hurtado Albir, A. (2015). Aprender a traducir del francés al español: competencias y tareas para la iniciación a la traducción. Serie Aprender a traducir. Madrid/Castellón: Edelsa, Universitat Jaume I - Servicio de Publicaciones.

Hurtado Albir, A. (2005). Cognição e discurso. In: Pagano, A., Magalhães, C., & Alvez, F. Competencia em tradução: Cognição e discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. 19-57.

Hurtado Albir, A. (2007). Competence-based curriculum design. The Interpreter and Translator Trainer (ITT), 1(2), p. 163-195.

Hurtado Albir, A. (1999). Enseñar a traducir: Metodología en la formación de traductores e intérpretes. Madrid, Espanha.

Hurtado Albir, A. (2011). Traducción y traductología. 5. ed. Madrid: Gredos.

Krieger, M. G. (2006). Do ensino da terminologia para tradutores: diretrizes básicas. Cadernos de Tradução, 1(17), p. 189-206.

Krieger, M. G., & Finatto, M. J. B. (2018). Introdução à Terminologia: teoria e prática. São Paulo: Ed. Contexto.

Luchi, M. (2019). A institucionalização de cursos superiores de formação de Tradutores e Intérpretes de Libras/Língua Portuguesa no Brasil no decênio 2005/2015: o que os cursos esperam dos seus alunos? Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Nogueira, T. C. (2019). A mobilização da competência interpretativa na atuação de conferências: uma reflexão a partir do modelo do PACTE. Belas Infiéis, v. 8, n. 1, p. 191-211.

Nogueira, T. C. (2020). Atividade de Preparação para Intérpretes de Libras-Português em Conferências. In: Rodrigues, C. H.; Quadros, R. M. (Org.). Estudos da Língua Brasileira de Sinais V. 1. ed. Florianópolis: Insular. p. 331-348.

Nogueira, T. C. (2016). Intérpretes de Libras no contexto de Conferência: uma descrição do trabalho em equipe e as formas de apoio na cabine. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

PACTE (Process in the Acquisition of Translation Competence and Evaluation). Building a Translation Competence Model. (2003). In: Alves, F. (ed.) Triangulating Translation: perspectives in process oriented research. Amsterdam: John Benjamins, p. 43-66.

Quadros, R. M.; & Karnopp, L. B. (2004). Língua de Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed.

Rodrigues, C. H.; & Beer, H. (2015). Os estudos da tradução e da interpretação de línguas de sinais: novo campo disciplinar emergente? Cadernos de Tradução, Florianópolis. v. 35, n. 2, p. 17-45.

Santos, E. C. P. (2018). Terminologia, Tradução e Libras: alguns caminhos para pesquisas. Transversal – Revista em Tradução, Fortaleza, 4(8), p. 96-109.

Schierholz, S. J. (2012). Lexicografia de especialidade e terminografia. Cadernos de Tradução: Corpus, Corpora e Dicionários, 30, p. 51-71.

Tuxi, P. A. (2017). Terminologia na Língua de Sinais Brasileira: Proposta de Organização e de Registro de Termos Técnicos e Administrativos do Meio Acadêmico em Glossário Bilíngue. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade de Brasília, Brasília.

Vale, L. M. (2018). A importância da Terminologia para atuação do Tradutor e Intérprete de Língua de Sinais Brasileira: proposta de glossário de sinais-termo do Processo Judicial Eletrônico. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) - Universidade de Brasília, Brasília.

Valentini, C. (2002). Uso del computer in cabina di interpretazione. Inchiesta sui bisogni terminologici degli interpreti prima e durante la simultanea. Disponível em: http://aiic.net/page/656/uso-delcomputer-in-cabina-de-interpretazione/lang/72. Acesso em: 13 dez. 2021.

Downloads

Publicado

12-03-2022

Como Citar

NOGUEIRA, T. C. .; FELTEN, E. F. .; VALE, L. M. . Proposta de unidade didática para formação de intérpretes: o uso de glossários para preparação com vistas à interpretação em conferência da área jurídica. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 11, n. 1, p. 01–22, 2022. DOI: 10.26512/belasinfieis.v11.n1.2022.41251. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/41251. Acesso em: 17 ago. 2022.