Tradução intralingual e interlingual de Pato do amor, um haicai em Libras escrita

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v11.n1.2022.36003

Palavras-chave:

Literatura surda. Poesia em Libras/Língua Portuguesa. SignWriting. Tradução interlingual. Tradução in-tralingual.

Resumo

Esse trabalho analisa a tradução de um haicai em Libras escrita por meio do sistema SignWriting para a Libras em vídeo e para a língua portuguesa. Busca responder à pergunta: que recursos se sobressaem ao compensar a poeticidade da forma escrita da língua de sinais na sua tradução para o vídeo, e ainda para outra língua de base vocal-auditiva? O percurso para responder a essa pergunta contribui para a melhor compreensão da poesia em Libras, amplia as possibilidades de uso da escrita das línguas de sinais, bem como expande o conceito de tradução literária do referido par linguístico. O artigo se fundamenta no conceito de tradução como transcriação de Campos (2015), e nos estudos sobre a literatura em Libras de Sutton-Spence (2021). Inicialmente realiza-se uma análise de Pato do amor, de Maurício Barreto, um poema escrito em Libras. A análise visa classificar o poema como um haicai, e compreender os aspectos linguísticos presentes na obra. Depois apresenta e comenta duas traduções, uma intralingual de Libras escrita para Libras em vídeo, que demonstrou ser mais do que uma simples leitura e envolveu adaptações que destacaram as possibilidades poéticas do suporte de registro; e uma tradução interlingual de Libras escrita para a língua portuguesa escrita. Com o estudo, conclui-se que os recursos poéticos disponíveis em Libras podem variar de acordo com a modalidade de uso da língua (escrita ou oral). A poesia em vídeo explorou com mais afinco a simetria, o morfismo e o uso repetido de configurações de mãos. A tradução para a língua portuguesa revelou que a tipografia e a escolha de palavras trabalharam juntas para beneficiar a iconicidade. Em todas as traduções, os recursos selecionados buscaram tornar a versão tão visual quanto o original.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguilar, G. (2005). Poesia Concreta Brasileira: as vanguardas na encruzilhada modernista. Editora da Universidade de São Paulo.

Albres, N. de A. (2020). Traduções comentadas de poesias em e traduzidas para línguas de sinais: um método de pesquisa em consolidação. Revista Araticum, 21(1), 70-90. https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/araticum/article/view/2739

Barros, R. O. (2020). Tradução de poesia escrita em Libras para a língua portuguesa. [Dis-sertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina]. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/215945/PGET0475-D.pdf?sequence=-1

Barros, R. O. (2021). “Tradução de um haicai em Libras escrita para o português.” Univer-sidade Federal de Santa Catarina. Artigo não publicado. no prelo.

Barros, R. O.; Vieira, S. Z. (2020). The relationship between text and image in literary Pro-ductions in Libras. Sign Language Studies, 20(3), 392-410. https://muse.jhu.edu/article/756288

Campos, H. de. (2001). Entrevista concedida a Armando Sergio Prazeres, Irene Machado e Yvana Fechine. Revista Galáxia, (1), 25-47. http://docplayer.com.br/19047506-Galaxia-n-1-2001-casa-de-mallarme-valvins-1994-foto-carmen-de-arruda-campos.html

Campos, H. de. (2015). Da tradução como criação e como crítica. In: Tápia, M.; Nóbrega, T. M (orgs.). Haroldo de Campos - transcriação (pp. 1 - 19). Perspectiva.

Cuxac, C.; Sallandre, A. (2007). Iconicity and arbitrariness in French Sign Language: highly iconic structures, degenerated iconity and diagrammatic iconicity. In: Pizzuto, E.; Pietrandrea, P.; Simone, R.. Verbal and signed languages (pp. 15 - 30). Mouton de Gruyter https://hal.archives-ouvertes.fr/tel-01336182/file/HDR_Sallandre-M.A_2014_volume2_Travaux%26Publications.pdf

Ferreira, J. G. D. (2019). Os Intérpretes Surdos e o Processo Interpretativo Interlíngue In-tramodal Gestual-visual da ASL para Libras. [Dissertação de mestrado, Universida-de Federal de Santa Catarina] https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/214607

Franchetti, P. (2008). O haicai no Brasil. Alea, 10(2), 256-269. https://www.scielo.br/pdf/alea/v10n2/07.pdf

Hirashima, C. K. (2007). O haikau nas artes visuais: tradução intersemiótica. 2007. [Dis-sertação de Mestrado, Universidade de São Paulo] https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27131/tde-21072009-202225/publico/5062750.pdf

Jakobson, R. (2010). Linguística e Comunicação. Cultrix.

Kaneko, M. (2008). The Poetics of Sign Language Haiku [Manuscrito não publicado]. Uni-versity of Bristol.

Klamt, M. M. (2018). Sonoridade visual na sinalização artística em língua brasileira de si-nais. [Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina] https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/190161/PLLG0716-T.pdf?sequence=-1&isAllowed=y

Klima, E. S.; Bellugi, U. (1979). Poetry and Song in a Language without Sound. In: Klima, E. S.; Bellugi, U. (orgs.). The signs of language (pp. 340 - 374). Harward Press.

Lira, J. (2010). O jogo da tradução nos limites do haicai. Scientia Traductiones, (7), 180-189. https://periodicos.ufsc.br/index.php/scientia/article/view/1980-4237.2010n7p180/12868.

Machado, F. A. (2014). Simetria: poética em língua de sinais. In: Stumpf, M. R.; Leite, T. A.; Quadros, R. M. (Orgs.). Estudos da Língua Brasileira de Sinais II (pp. 229-244). Editora Insular. http://procadamazonia.epizy.com/wavesviewer/?id=123456789/178900&i=1

Marcuschi, L. A. (1997). Oralidade e escrita. Signótica, (9), 119-145. https://revistas.ufg.br/sig/article/view/7396/5262.

Oliveira, A. M. A. dos S. (2007). Entre o verbal e o visual: o haikai e a fotografia na poética de Paulo Leminski. A cor das letras, (8), 117-130. http://periodicos.uefs.br/index.php/acordasletras/article/download/1570/pdf

Prodanov, C. C.; Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do trabalho científico [recurso ele-trônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Feevale.

Spiekermann, E. (2011). A linguagem invisível da tipografia: escolher, combinar e expres-sar com tipos. Blucher.

Souza, S. X. (2009). Traduzibilidade poética na interface libras-português: aspectos linguís-ticos e tradutórios com base em Bandeira Brasileira de Pimenta (1999). In: Quadros, R. M.; Stumpf, M. R. (Org.). Estudos Surdos IV (pp. 310-352). Editora Arara Azul. http://editora-arara-azul.com.br/site/ebook/detalhes/14.

Sutton-Spence, Rachel. (2021). Literatura em Libras. Editora Arara Azul.

Torres, M.-H. C.(2017). Por que e como pesquisar tradução comentada? In: Freitas,L. F.; Torres, M.-H.; Costa, W. C. Literatura Traduzida: tradução comentada e comentários de tradução (pp. 15-36. Substânsia. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/181534/Literatura%20traduzida.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Downloads

Publicado

20-11-2022

Como Citar

OLIVEIRA BARROS, Ricardo; SUTTON-SPENCE, Rachel. Tradução intralingual e interlingual de Pato do amor, um haicai em Libras escrita. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 11, n. 1, p. 01–21, 2022. DOI: 10.26512/belasinfieis.v11.n1.2022.36003. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/36003. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.