Alteridades, discursos e saberes na formação de intérpretes de Libras-Português experientes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v10.n2.2021.28504

Palavras-chave:

Estudos da Interpretação. Interpretação de Língua de Sinais. Dialogismo. Ergologia. Autoconfrontação.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar a análise enunciativo-discursiva, empregada em uma tese de doutorado, de uma situação de formação continuada de intérpretes de língua brasileira de sinais (Libras)-língua portuguesa (LP) experientes em um curso de especialização. Para tanto, realizou-se uma articulação teórico-metodológica entre os Estudos Bakhtinianos, a Ergologia e os Estudos da Interpretação para adaptar o dispositivo da Autoconfrontação, originalmente elaborado no contexto da Clínica da Atividade Francesa, para investigar a relação de trabalhadores com sua própria atividade. O dispositivo foi adaptado para uma situação de formação para o trabalho em que intérpretes intermodais experientes sem formação universitária no campo buscam nesse curso um espaço de aprimoramento de suas práticas. A pesquisa foi organizada em três fases: (i) composição de três duplas para realizar a interpretação de discursos em Libras a partir de três gêneros discursivos (discurso de formatura, discurso político de militância e prosaico opinativo); (ii) realização da autoconfrontação simples, quando os sujeitos da atividade interpretativa assistiram suas interpretações e teceram comentários sobre o que fizeram; e (iii) realização da autoconfrontação cruzada, quando os observadores junto com o professor/pesquisador comentaram sobre o que os sujeitos durante a interpretação. Os enunciados foram organizados a partir das três categorias bakhtinianas de alteridade: (i) eu-para-mim, promovidas pela autoconfrontação simples; (ii) eu-para-o-outro e (iii) outro-para-mim, observadas no âmbito das autoconfrontações cruzadas. Neste artigo, apresenta-se o recorte da análise da fase III pelas lentes do item (ii) que foi constituída de discursos de um dos participantes do grupo, enquanto observador, sobre as atividades de interpretação realizadas por uma das duplas na autoconfrontação cruzada. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Nascimento, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Doutor (2016) e Mestre (2011) em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Bacharel em Fonoaudiologia (2009) pela mesma instituição. Professor Assistente I do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no curso de Bacharelado em Tradução e Interpretação em Libras e Língua Portuguesa.

Referências

Albres, N. A. (2010). Processos de produção e legitimação de saberes para o currículo de pós em libras na formação de intérpretes... Para uma especialização? Anais do II Congresso Brasileiro de Pesquisas em Tradução e Interpretação da Libras e Língua Portuguesa. Universidade Federal de Santa Catarina.

Alves, F. (2005). Esforço cognitivo e efeito contextual em tradução: relevância no desempenho de tradutores novatos e expertos. Linguagem em (Dis)curso, 5(esp.), 11-31.

Bakhtin, M. (2010a). Para uma filosofia do ato responsável. V. Miotello, & C. A. Faraco (Trads.). Pedro e João Editores.

Bakhtin, M. (2010b). O autor e a personagem na atividade estética. In M. Bakhtin (Ed.), P. Bezerra (Trad.), Estética da Criação Verbal (5ª. ed, pp. 3-183). Martins Fontes.

Bakhtin, M. (2010c). Os gêneros do discurso. In M. Bakhtin (Ed.), P. Bezerra (Trad.), Estética da Criação Verbal (5ª ed. pp. 261-270). Martins Fontes.

Brait, B., & Campos, M. I. B. (2009). Da Rússia czarista à web. In B. Brait (Org.), Bakhtin e o Círculo, (pp. 15-30). Contexto.

Brasil. Lei N. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Brasil. Decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005. (2005). Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm

Brasil. Lei N. 10.436, de 10 de abril de 2002 (2002). Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm

Brasil. Resolução n° 1 de 3 de abril de 2001. Estabelece normas para o funcionamento da pós-graduação. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/CES0101.pdf

Clot, Y. (2007). A função psicológica do trabalho. A. Sobral (Trad.). Editora Vozes.

Clot, Y. (2010). O diálogo em desenvolvimento: Bakhtin no trabalho. In L. Paula, & G. Stafuzza (Orgs.), Círculo de Bakhtin: diálogos (in)possíveis, (pp. 175-198). Mercado das Letras.

Delamotte, E. (2002). Criação e trabalho: um mapeamento de análise identitária. In M. C. Souza-e-Silva, & D. Faïta (Orgs.), Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França, (pp. 95-107). Cortez.

Faïta, D. (2005). Gêneros da atividade e estilos de conduzir um trem. In D. Faïta (Ed.), M. B. França, M. G. C. di Fanti, & A. A. M. Vieira (Trads.), Análise dialógica da atividade profissional, (pp. 55-97). Imprinta Express.

Gile, D. (2009). Interpreting studies: a critical view from within. MonTI. Monografías de Traducción e Interpretación, núm. 1, 2009, pp. 135-155 Universitat de València Alicante, España.

Martins, V. R. O., & Nascimento, V. (2015). Da formação comunitária à formação universitária (e vice e versa): novo perfil dos tradutores e intérpretes de língua de sinais no contexto brasileiro. Cadernos de Tradução, 35(2), 78-112.

Moura-Vieira, M. A. (2012). A atividade e o discurso na clínica médica: uma análise dialógica do trabalho médico. CreateSpace Independent Publishing Platform.

Nascimento, M. V. B. (2016). Formação de intérpretes de libras e língua portuguesa: encontros de sujeitos, discursos e saberes. [Tese Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo].

Nascimento, V. (2014). Dimensão ergo-dialógica do trabalho do tradutor intérprete de Libras/Português: dramáticas do uso de si e debate de normas no ato interpretativo. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 14(4), 1121-1150.

Nascimento, V. (2017). Janelas de libras e gêneros do discurso: apontamentos para a formação e atuação de tradutores de língua de sinais. Trabalhos de Linguística Aplicada, 56(2), 461-492.

Nascimento, V. (2018). O eu-para-mim de intérpretes de língua de sinais experientes em formação. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, 13(3), 104-122.

Nascimento, V.; & Nogueira, T. C. (2019). Tradução audiovisual e o direito à cultura: o caso da comunidade surda. PERcursos Linguísticos, 9(21), 105-132.

Pöchhacker, F. (2004). Introducing Interpreting Studies. Routledge.

Pöchhacker, F. (2009). Issues in Interpreting Studies. In J. Munday (Ed.), The Routledge Companion to Translation Studies, (pp. 128-140). Routledge.

Pöchhacker, F. (2010). Conexões fundamentais: afinidade e convergência nos estudos da interpretação. M. Queiroz (Trad.), Scientia Traductions, (7), 61-75

Pretti, Dino. (org.) (2003). Interação na fala e na escrita. São Paulo: Humanitas.

Quadros, R. M., & Segala, R. R. (2015). Tradução intermodal, intersemiótica e interlinguística de textos escritos em português para a libras oral. Cadernos de Tradução, 35(2), 354-386.

Rodrigues, C. H.; Quadros, R. M. (2015). Diferenças e linguagens: a visibilidade dos ganhos surdos na atualidade. Revista Teias, 16(40), 72-88.

Rodrigues, C. H. (2018). Interpretação simultânea intermodal: sobreposição, performance corporal-visual e direcionalidade inversa. Revista da ANPOLL, 1(44), 111-129.

Schwartz, Y., & Durrive, L. (2007). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. J. Brito, M. Athayde (Trads.). EdUFF.

Schwartz, Y. (2010). A experiência é formadora? Educação & Realidade, 35(1), 35-48.

Schwartz, Y. (2011). Manifesto por um ergoengajamento. In P. F. Bendassolli, & L. A. P. Soboll (Orgs.), Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade, (pp. 132-166). Editora Atlas.

Segala, R. R. (2010). Tradução intermodal e intersemiótica/interlinguística: português escrito para a língua de sinais. [Dissertação Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina].

Sobral, A. (2008). Ético e estético: na vida, na arte e na pesquisa em Ciências Humanas. In B. Brait (Org.), Bakhtin: conceitos-chave, (4ª ed., pp. 103-122). Contexto.

Sobral, A., & Giacomelli, K. (2015). A concepção dialógica e os dois planos da linguagem e da constituição do sujeito: algumas considerações. Nonada, (24), 204-223.

Souza-e-Silva, M. C. (2008). Atividade de linguagem, atividade de trabalho: encontro de múltiplos saberes. Revista Intercâmbio, XVIII, 1-21.

Vieira, M. A., & Faïta, D. (2003). Quando os outros olham outros de si mesmo: reflexões metodológicas sobre a autoconfrontação cruzada. Polifonia, (7), 27-65.

Volóchinov, V. (2017). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. S. Grillo, & E. V. Américo (Eds., Trads.). Editora 34.

Wadensjö, C. (1998). Interpreting as interaction. Pearson Education.

Downloads

Publicado

13-05-2021

Como Citar

NASCIMENTO, Marcus Vinicius Batista. Alteridades, discursos e saberes na formação de intérpretes de Libras-Português experientes. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 10, n. 2, p. 01–26, 2021. DOI: 10.26512/belasinfieis.v10.n2.2021.28504. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/28504. Acesso em: 23 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.