Estilística tradutória, temas e gênero em “Psychology” de Mansfield e em três de suas traduções para o português brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.31214

Palavras-chave:

Estilística Tradutória. Linguística Sistêmico-Funcional. Estrutura Temática. Gênero. Contos.

Resumo

Partindo da Estilístia Tradutória (MALMKJAER, 2003, 2004), a qual é a análise estilística de textos traduzidos, em comparação ao texto fonte, para o entendimento das modificações tradutórias; e da Linguística Sistêmico-Funcional (HALLIDAY; MATTHIESSEN, 2014), a qual vê a linguagem como produtora de significado e procura entender como tal significado é construído dentro de um determinado texto, o presente artigo analisa o conto “Psychology” (MANSFIELD, 2001) e três de suas traduções para o português brasileiro feitas, respectivamente, por Julieta Cupertino (MANSFIELD, 2000), por Paola Castro Oliveira (MANSFIELD, 2015) e por Denise Bottmann (MANSFIELD, 2016). O intuito é verificar como os Temas se realizam no corpus e como as personagens se manifestam através dos Temas ideacionais participantes e ideacionais participantes elípticos. Procura-se verificar, também, como questões de gênero são apresentadas nas narrativas (SIMON, 2005). Para a realização da análise, elencamos as seguintes perguntas: a) Como se realizam os Temas no corpus?; b) Como se manifestam as personagens no âmbito dos Temas ideacionais participantes e ideacionais participantes elípticos?; e c) O que pode ser afirmado acerca de questões de gênero e de narratividade com base na classificação dos Temas ideacionais participantes e ideacionais participantes elípticos? Cumpre salientar que a investigação da estrutura temática, de questões de gênero e da narratividade não é exaustiva, mas é um bom exemplo de como esses assuntos podem ser relacionados. Os Temas foram anotados manualmente no corpus em formato eletrônico e quantificados no programa computacional WordSmith Tools (versão 4.0). Podemos concluir que a estrutura temática nos contos, em relação de tradução, não é restrita, sendo que uma ampla variedade de Temas pode ser observada. O texto fonte e os textos alvos apresentam maior número de Temas múltiplos do que de Temas simples, sendo os primeiros Temas interpessoais e/ou Temas textuais, vinculados aos Temas ideacionais. Também podemos concluir que, quando se trata de uma análise em conjunto, as personagens femininas são mais frequentes do que as personagens masculinas. No entanto, o mesmo não acontece quando se analisa apenas a personagem feminina principal e a personagem masculina principal.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Tavares Chico, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda em História pela Universidade Federal de Pelotas. Mestre em Letras (2017) pela mesma instituição. Especialista em História em Quadrinhos (2020) pelas Faculdades EST. Graduada em Letras Português/Inglês e Respectivas Literaturas (2013) pela Universidade Federal de Pelotas. Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Roberta Rego Rodrigues, Universidade Federal de Pelotas

Professora Associada da Universidade Federal de Pelotas. Doutora (2010) e Mestre (2005) em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Realizou pesquisa de pós-doutorado (2018-2019) na Universidade Federal de Minas Gerais. Universidade Federal de Pelota, Centro de Letras e Comunicação. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. 

Referências

ANDERSEN, H. C. Eventyr: Kritisk udgivet cftcr de originale Eventyrhcrfter med Variarzter ved Erik Dal og Kommerztarved Erling Nielsen. Copenhagen: Hans Reitzels Forlag, I: 1835-1842, 1963; II: 1843-1855, 1964.

BARCELLOS, C. P. Estudo de caso sobre a relação entre características dos textos traduzidos e estilo da tradução. Artefactum, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 1-12, 2016. Disponível em: http://artefactum.rafrom.com.br/index.php/artefactum/article/view/1035. Acesso em: 5 set. 2020.

BARROS, D. Gêneros gramatical, textual e social nos estudos linguísticos. Acta Scientiarum ”“ Language and Culture, Maringá, v. 32, n. 2, p.181-189, jul./dez., 2010.

BERSIANIK, L. L’Euguélionne. Montreal: La Presse, 1976.

BURKE, M. Introduction. In: BURKE, M. (org.). The Routledge handbook of stylistics. London and New York: Routledge, 2014. p. 1-7.

CARTER, R. Methodologies for stylistic analysis: Practices and pedagogies. In: McINTYRE D.; BUSSE, B. (eds). Language and style. London: Palgrave, 2010. p. 55-68.

CHAPMAN, S.; CLARK, B. Introduction: pragmatics literary stylistics. In: CHAPMAN, S.; CLARK, B. (orgs.) Pragmatic literary stylistics. London and New York: Palgrave Macmillan, 2014. p. 1-15.

DALY, Mary. Gyn/Ecology: the metaethics of radical feminism. Boston: Beacon Press, 1978.

EGGINS, S. An introduction to systemic functional linguistics. London and New York: Continuum, 2004.

FEITOSA, M. P. Developing and applying CROSF: a numeric code proposed for corpora annotation, based on Halliday’s Systemic Functional Grammar. In: INTERNATIONAL SYSTEMIC FUNCTIONAL CONGRESS, 33, 2006, São Paulo. Proceedings... São Paulo: PUC, 2006. p. 1130-1150. Disponível em: https://www.pucsp.br/isfc/proceedings/Artigos%20pdf/57cda_feitosa_1130a1150.pdf. Acesso em: 5 set. 2020.

FIRTH, J. R. A synopsis of linguistic theory 1930”“1955. Studies in linguistic analysis. Philological Society, 1957, p. 1”“32.

FRIO, F. S. Estrutura temática em “O Conto da Ilha Desconhecida” e “The Tale of the Unknown Island”, de José Saramago. Polissema, São Mamede de Infesta, n. 14, p. 173-192, 2014. Disponível em; https://parc.ipp.pt/index.php/Polissema/article/view/3045. Acesso em: 5 set. 2020.

FRIO, F. S. Estrutura temática no corpus paralelo de tradução: As intermitências da morte/Death with interruptions. 2016. 159f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) ”“ Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2016.

GOUVEIA, C. A. M.; BARBARA, L. Marked or unmarked, that is not the question. The question is: Where is the Theme? Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 46, p. 155-177, 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/desterro/article/view/7399. Acesso em: 5 set. 2020.

HALLIDAY, M. A. K. Categories of the theory of grammar. WORD v. 17 (3), p. 241”“92, 1961.

HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. 2nd. ed. London: Edward Arnold, 1994.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. M. I. M. Halliday’s introduction to functional grammar. 4. ed. London and New York: Routledge, 2014.

HJELMSLEV, L. Prolegomena to a theory of language. Madison: University of Wisconsin Press, 1961.

JAKOBSON, R. Aspectos linguísticos da tradução. In: JAKOBSON, R Linguística e comunicação. São Paulo: Editora Cultrix, 2007. p. 63-72.

LAURETIS, T de. A Tecnologia do gênero. Traduzido por: H. B. Holanda. In: HOLLANDA, H. B. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco. 1994. p. 206-241.

MALMKJAER, K. Translational stylistics: Dulcken‘s translations of Hans Christian Andersen. Language and Literature, v. 13 (1), p. 13-24, 2004.

MALMKJAER, K. What happened to God and the angels: an exercise in translational stylistics. Target, Amsterdam, v. 15, p. 37-58, 2003.

MANSFIELD, K. Psicologia. In: MANSFIELD, K. Felicidade e outros contos. Traduzido por: Julieta Cupertino. Rio de Janeiro: Revan, 2000. Tradução de: Collected stories.

MANSFIELD, K. Psicologia. In: MANSFIELD, K. Os melhores contos de Katherine Mansfield. Traduzido por: Denise Bottmann. Porto Alegre: L&PM Editores, 2016. Tradução de: Collected stories.

MANSFIELD, K. Psicologia. Traduzido por: Paola Castro Oliveira. Mafuá, Florianópolis, n. 24, p. 12-20, 2015. Tradução de: Psychology.

MANSFIELD, K. Psychology. In: MANSFIELD, K. The collected stories. London and New York: Penguin, 2001 [1920].

MARTIN, J. Meaning matters: a short history of Systemic Functional Linguistics. WORD, v. 62, n. 1, p. 35-68, 2016.

MARTIN, J. R.; ROSE, D. Working with discourse: meaning beyond the clause. London and New York: Continuum, 2007.

PAGANO, A. Organização temática e tradução. In: PAGANO, A.; MAGALHÃES, C.; ALVES, F. (orgs.) Competência em Tradução: cognição e discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. p. 247-299.

PYM, A. Explorando as teorias da tradução. Traduzido por: Rodrigo Borges de Faveri, Claudia Borges de Faveri e Juliana Steil. São Paulo: Perspectiva, 2017. Tradução de: Exploring translation theories.

RAVELLI, L. Getting started with functional analysis of texts. In: UNSWORTH, L. (org.) Researching language in schools and communities: functional linguistics perspectives. London: Cassel, 2000. p. 27-64.

RIBEIRO, L. Crítica feminista, arqueologia e descolonialidade. Revista de Arqueologia, Pelotas, v. 30, p. 210-234, 2017. Disponível em: https://revista.sabnet.org/index.php/SAB/article/view/517. Acesso em: 5 set. 2020.

SARAMAGO, J. O Conto da Ilha Desconhecida. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SARAMAGO, J. The Tale of the Unknown Island. Traduzido por: Margaret Jull Costa. London: Harcourt, 1999. Tradução de: O Conto da Ilha Desconhecida.

SIMON, S. Gender in translation: cultural identity and the politics of transformation. London and New York: Routledge, 2005.

SPIVAK, G. The politics of translation. In: VENUTI, L. The translation studies reader. New York: Routledge, 2012. p. 312-330.

SHORT, M. Exploring the language of poems, plays and prose. London: Longman, 1996.

THOMPSON, G. Introducing functional grammar. 3 ed. London and New York: Routledge, 2014.

Downloads

Publicado

31-10-2020

Como Citar

CHICO, Márcia Tavares; REGO RODRIGUES, Roberta. Estilística tradutória, temas e gênero em “Psychology” de Mansfield e em três de suas traduções para o português brasileiro. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 9, n. 5, p. 167–191, 2020. DOI: 10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.31214. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/31214. Acesso em: 27 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.