O ensino dos pretéritos a aprendizes brasileiros de espanhol como língua estrangeira sob o viés da tradução funcionalista

Autores

  • Valdecy de Oliveira Pontes Universidade Federal do Ceará
  • Denísia Kênia Feliciano Duarte Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v7i1.12569

Palavras-chave:

Tradução Funcionalista, Pretérito Perfeito, Variação Linguística, Ensino de Espanhol

Resumo

No contexto de tradução e ensino de línguas estrangeiras, alguns estudos têm tido resultados positivos ao unir atividades de tradução com a prática de sequências didáticas (SD) com gêneros textuais autênticos (BARRIENTOS, 2014; DEMÉTRIO, 2014; LAIÑO, 2014; PEREIRA, 2016; PONTES, BRASIL E PEREIRA, 2016; DUARTE, 2017). Neste artigo, objetivamos analisar as contribuições do uso da tradução funcionalista no ensino do Pretérito Perfeito Simples (PPS) e do Pretérito Perfeito Composto (PPC) para aprendizes brasileiros de língua espanhola. Portanto, examinamos os condicionamentos linguísticos e extralinguísticos nos usos desses tempos verbais em espanhol e em português, considerando o fenômeno de variação linguística; e verificamos como o uso da tradução pode contribuir para o ensino da variação linguística dos PPS e PPC do espanhol. Baseamo-nos em fundamentos teóricos da Tradução Funcionalista (NORD, 1994,2009, 2012), Tradução e Sociolinguística (BOLAÑOS-CUELLAR, 2000; MAYORAL, 1998), elaboração de SD (CRISTÓVÃO, 2010; BARROS, 2012) e pesquisas sobre a variação nas formas dos pretéritos do espanhol e português (PONTES (2009), OLIVEIRA (2007, 2010), BARBOSA (2008), DIAS (2004), etc. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdecy de Oliveira Pontes, Universidade Federal do Ceará

Professor do Departamento de Letras Estrangeiras e dos Programas de Pós-graduação em Linguística (PPGL) e Estudos da Tradução (POET) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Pós-doutor em Estudos da Tradução (2014) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Doutor (2012) em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e mestre em Linguística Aplicada (2009) pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Graduado em Letras ”“ Português e Espanhol (2006) pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza, Ceará, Brasil.

Denísia Kênia Feliciano Duarte, Universidade Federal do Ceará

Mestre em Estudos da Tradução (2016) pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução na Universidade Federal do Ceará (POET/UFC). Graduada em Letras-Espanhol (2014) pela mesma universidade. Fortaleza, Santa Ceará, Brasil.

Referências

ALCAÃNE, Azucena. 2007. ¿Son compatibles los cambios inducidos por contacto y las tendencias internas al sistema?. Madrid, 18 de julio. Data de consulta, 1 de julio de 2015. http://web.uam.es/personal_pdi/filoyletras/alcaine/Homenaje%20zimmermann.pdf

ALEZA IZQUIERDO, Milagros e ENGUITA UTRILLA, José María. La lengua española en América: normas y usos actuales. Valencia. 2010.

BARBOSA, Juliana Bertucci. Os tempos do pretérito no português brasileiro: perfeito simples e perfeito composto. Araquara, SP: UNESP, 2003. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, 2003.

BARBOSA, Juliana Bertucci. Tenho feito/fiz a tese: uma proposta de caracterização do pretérito perfeito no português. Tese de doutorado, Araquara, SP: UNESP, 2008. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista, 2008.

BARRIENTOS, B.R.R. Os quadrinhos da Mateina no ensino de espanhol língua estrangeira: Ã luz da tradução funcionalista. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) ”“ Centro de Comunicação e Expressão. Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, 2014.

BARROS, Eliana Merlin Deganutti. Gestos de ensinar e de aprender géneros textuais: a sequência didática como instrumento de avaliação. Londrina, PR: UEL, 2012. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Universidade Estadual de Londrina, 2012.

BELLO, Andrés. Análisis ideológico de los tiempos de la conjugación. In: Obra Literaria. Caracas: Ayacucho, 1979, p. 415-459.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemu na escola, e agora? sociolinguística & educação. São Paulo: Parábola, 2006.

BRONCKART, J. P. Restrições e liberdades textuais, inserção social e cidadania. Anpoll, 19, p. 231-256, 2001.

CASTRO, Francisco. Uso de la gramática española (elemental). Madrid, Edelsa, 1996.

CONCHA, Moreno; ERES FERNÁNDEZ, Gretel. Gramática contrastiva español-portugués para hablantes brasileños. Madrid: SGEL, 2007.

COSTA-HÜBES, T. C; SIMIONI, C. A. Sequência didática: uma proposta metodológica curricular de trabalho com os gêneros discursivos/textuais. In: BARROS, E. M. D; RIOS-REGISTRO, E. S (org.). Experiências com sequências didáticas de gêneros textuais. Campinas, SP: Pontes editores, 2014.

CRISTOVÃO, Vera. “Sequências didáticas para o ensino de línguas”. In: DIAS, R.; Cristovão, V. (Org.). O livro didático de língua estrangeira: múltiplas perspectivas. Campinas: Mercado de Letras, 2010, p. 305-344.

DIAS, Luzia. Schalkoski. Uma leitura semântico-pragmática da oposição Pretérito Simple/Pretérito Compuesto no espanhol da América. Curitiba, PR: UFPR, 2004. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, 2004.

DOLZ, J.; PASQUIER, A.; BRONCKART, J-P. L’acquisition des discours: emergence d’une compétence ou apprentissage de capacités langagières? Études de Linguistique Appliquée, 102:23-37. 1993.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Genres et progression en expression orale et écrite: éléments de réflexions à propos d’une experience romande. Enjeux, 37/38, 1996, p.49-75.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: ROJO, R.; CORDEIRO, G.S. (Trad. e Org.) Gêneros orais e escritos na escola. Mercado de Letras: Campinas, SP, 2004.

DONNI DE MIRANDE, Nélida. El sistema verbal en el español de Argentina: rasgos de unidad y de diferenciación dialectal. Revista de filología hispánica. 72: 655-670. 1992.

DUARTE, Denísia Kênia Feliciano. O ensino dos pretéritos em espanhol para brasileiros a partir de contos: a tradução da variação linguística como estratégia didática. 241p. Dissertação (mestrado) ”“ Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Fortaleza, 2017.

ENGEL, Guido I. Pesquisa-ação. Revista Educar, Curitiba. Nº. 16. Editora da UFPR, 2000.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas S.A, 2010

GUTIÉRREZ ARAUS, Maria Luz (org.). Formas temporales del pasado en indicativo. Madrid: Arco/Libros, 1997.

HARRIS, M. 1982. Studies in Romance Verb. London: Croom Helm, 1982.

JARA YUPANQUI, Margarita. El perfecto en el español de Lima: Variación y cambio en situación de contacto linguístico. Peru: Fondo editorial. 2013.

LAIÑO, M. J. A tradução pedagógica como estratégia à produção escrita em LE a partir do gênero publicidade. 2014. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) ”“ Centro de Comunicação e Expressão. Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, 2014.

MARCO europeu comum de referência para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Porto, Edições ASA, 2001. Disponível em: <http://www.uc.pt/fluc/cl/diplomas/qecr/> Acesso em: 26.01.17.

MATTE BON, Francisco. Gramática comunicativa del español: de la lengua a la idea. Tomo I. Barcelona: Edelsa Disal, 1995a.

MATTE BON, Francisco. Gramática comunicativa del español: de la idea a la lengua. Tomo II. Barcelona: Edelsa Disal, 1995b.

MAYORAL, Roberto. La traducción de la variación lingüística. Universidad de Granada: Granada, 1998.

NASCIMENTO, Elvira; SAITO, Cláudia. Texto, discurso e gênero. In: SANTOS, A. R.; RITTER, L. C. (Org). O trabalho com a escrita no ensino fundamental. Maringá: EDUEM, p. 11-40, 2005.

NORD, Christiane. Text Analysis in Translation: theory, methodology and didactic application of a model of translation-oriented text analysis. Amsterdam; Atlanta: Rodopi, 1991.

NORD, Christiane. Traduciendo funciones. In: Hurtado Albir, A. [ed.]: Estudis sobre la traducció Castelló 1993. Castellón: Universidad Jaume I, p. 97-112. 1994.

NORD, Chistiane. El funcionalismo en la enseñanza de traducción. Mutatis Mutandis. v. 2, n. 2. 2009. p. 209 ”“ 243. Disponível em: <http://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/mutatismutandis/article/view/2397>. Acessado em: 03 mar. 2015.

NORD, Christiane. Texto Base - Texto Meta: Un modelo funcional de análisis pretraslativo. Universitat Jaume I: Servei de Comunicació i Publicacions, 2010.

NORD, Christiane. Texto Base - Texto Meta: Um modelo funcional de análise pretradutório. Traduzido por Cristiane Nord. Castelló de la Plana: Publicacions de la Universitat Jaume I, Espanha, 2012. Título original: Texto Base - Texto Meta: Un modelo funcional de análisis pretraslativo.

OLIVEIRA, Leandra Cristina. Estágio da gramaticalização do pretérito perfeito composto do espanhol escrito de sente capitais hispano-falantes. Florianópolis, SC: UFSC, 2010. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, 2010.

PAIXÃO, F.T. O valor aspectual veiculado ao pretérito perfeito composto do espanhol na variante mexicana. 2011. Dissertação (Mestrado em Letras Neolatinas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2011.

PENNY, Ralph. Variación y cambio en español. Madrid: Gredos. 2004.

PEREIRA, Livya Lea de Oliveira.A tradução de textos teatrais como recurso didático para o ensino da variação linguística no uso das formas de tratamento em espanhol a aprendizes brasileiros. 315p. Dissertação (mestrado) ”“ Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Fortaleza, 2016.

PONTES, V. O.; PEREIRA, L.L.O; BRASIL, J.O. Os fatores extralinguísticos no uso do voseo argentino: uma proposta didática a partir da tradução de tiras cômicas. Revista Língua e Letras, v. 17, nº 35, p. 59-80, 2016.

PONTES, Valdecy Oliveira. Abordagem das categorias verbais de tempo, aspecto e modalidade por livros didáticos de língua portuguesa e de língua espanhola: uma análise contrastiva. Fortaleza, CE: Fa7, 2009. Originalmente apresentada como monografia, Faculdade 7 de setembro, 2009.

PONTES, Valdecy Oliveira. A tradução da variação linguística e o ensino de língua estrangeira: da teoria à prática docente. Caderno de Letras da UFF: Dossiê de Tradução, Florianópoles, 48, p. 223-237, 2014.

RABARDEL, Pierre. Les Hommes et les technologies: une approche cognitive des instruments contemporains. Paris: Université de Paris 8, 1995.

REISS, Katharina; Vermeer, Hans. Fundamentos para una Teoría Funcional de la Traducción. Tradução Santa García Reina e Celia Martín de Léon. Edição Akal. 1996.

RULFO, Juan. Diles que no me maten! In: El llano en llamas. Madrid: Editorial Planeta, 2007.

SANTOS, C. F. Variação e mudança linguística dos pretéritos simples e composto, uma perspectiva sociolinguística e discursiva: amostras de Madrid, Cidade do México e Buenos Aires. 259f. 2009. Dissertação (Mestrado em Linguística) ”“ Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2009

TRAVAGLIA, Neuza Gonçalves. Tradução retextualização: a tradução numa perspectiva

textual. 2. ed. Uberlândia: EDUFU, 2013.

VIDAL DE BATTINI, Berta. E. El español de la Argentina: Estudio destinado a los maestros de las escuelas primarias. Buenos Aires: Consejo Nacional de Educación. 1964.

Downloads

Publicado

31-07-2018

Como Citar

PONTES, Valdecy de Oliveira; DUARTE, Denísia Kênia Feliciano. O ensino dos pretéritos a aprendizes brasileiros de espanhol como língua estrangeira sob o viés da tradução funcionalista. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 7, n. 1, p. 201–227, 2018. DOI: 10.26512/belasinfieis.v7i1.12569. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/12569. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.