O comportamento informacional do eleitor sob a perspectiva da democracia brasileira

Autores

  • Leonardo Pereira Pinheiro de Souza Universidade Estadual Paulista, Programam de Pós-graduação em Ciencia da Informação, Marília, SP, Brasil
  • Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos Universidade Estadual Paulista, Programam de Pós-graduação em Ciencia da Informação, Marília, SP, Brasil
  • Cássia Regina Bassan de Moraes Faculdade de Tecnologia Garça, Garça, SP, Brasil
  • Marta Lígia Pomim Valentim Universidade Estadual Paulista, Departamento de Ciencia da Informação, Marília, SP, Brasil
  • Ieda Pelogia Martins Damian Universidade Estadual Paulista, Departamento de Ciencia da Informação, Marília, SP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.26512/rici.v11.n3.2018.10437

Palavras-chave:

Comportamento informacional., Democracia., Estudos de usuários., Informação Política.

Resumo

Diante dos revezes ocorridos ao longo da história da democracia brasileira e da importância de se proporcionar o empoderamento da população, pode-se afirmar que o voto é um instrumento valioso para o cidadão operar mudanças diante de uma condição de fragilidade. Nessa perspectiva, parte-se das seguintes indagações: quais são as prioridades dos eleitores? Os eleitores estão bem informados em relação aos candidatos que pleiteiam os cargos políticos? Quais são as fontes de informação mais utilizadas para conhecerem os candidatos e as propostas? Objetiva-se analisar os padrões de comportamento informacional do eleitor, elucidando os modos como este se prepara para votar mediante a busca e o uso de informação. Para tanto, realizou-se uma pesquisa de natureza quantitativa e exploratória com trezentos eleitores de todas as regiões brasileiras, por meio de questionários. Constatou-se que o comportamento informacional do eleitor é influenciado por distintos aspectos socioeconômicos. Constatou-se que, na classe social mais baixa, há uma premente necessidade de apropriação efetiva da informação para efetuar o voto consciente, enquanto que o extrato social mais alto necessita vencer o ceticismo quanto ao poder transformador do voto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Pereira Pinheiro de Souza, Universidade Estadual Paulista, Programam de Pós-graduação em Ciencia da Informação, Marília, SP, Brasil

Mestrando em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista, UNESP. Pós-graduado lato sensu em Computação, desenvolvimento de software para web pela Universidade Federal de São Carlos, UFSCar. Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela Faculdade Estadual de Tecnologia, FATEC.

Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos, Universidade Estadual Paulista, Programam de Pós-graduação em Ciencia da Informação, Marília, SP, Brasil

Mestranda em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista, UNESP. Graduada em Gestão Empresarial pela Faculdade Estadual de Tecnologia, FATEC.

Cássia Regina Bassan de Moraes, Faculdade de Tecnologia Garça, Garça, SP, Brasil

  Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, campus de Marília. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, campus de Assis. Docente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação na Unesp - Marília - SP. Atualmente exerce o cargo de Diretora da Faculdade de Tecnologia de Garça (FATEC - Garça).  Membro do Grupo de Pesquisa Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional" da FFC - Unesp - Marília.

Marta Lígia Pomim Valentim, Universidade Estadual Paulista, Departamento de Ciencia da Informação, Marília, SP, Brasil

  Pós-Doutorado pela Universidad de Salamanca, Espanha, em 2011-2012. Livre Docente em Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional pela Unesp. Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), em 2001. Mestre pela PUC-Campinas, em 1995. Docente de graduação e pós-graduação da Universidade Estadual Paulista (Unesp/Marília). Bolsista Produtividade em Pesquisa (PQ) do CNPq na área de inteligência competitiva organizacional, gestão da informação, gestão do conhecimento e cultura informacional. Líder do Grupo de Pesquisa ?Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional. Coordena o projeto de pesquisa Processos de compartilhamento e socialização do conhecimento em ambientes empresariais. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI), da Unesp, campus de Marília, gestão 2017-2021. Organizadora e autora de vários livros na área. Presidente da Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação (ABECIN), gestão 2016-2019. Exerceu o cargo de Vice-Presidente da Asociación de Educación e Investigación en Ciencia de la Información de Iberoamérica y el Caribe (EDICIC), gestão 2009-2011. Exerceu a coordenação do Grupo de Trabalho Gestão da Informação e do Conhecimento nas Organizações (GT-4), da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação (ANCIB), gestão 2009-2010. Exerceu o cargo de Presidente da Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação (ABECIN), gestão 2001-2004.

Ieda Pelogia Martins Damian, Universidade Estadual Paulista, Departamento de Ciencia da Informação, Marília, SP, Brasil

Docente da Universidade de São Paulo no curso de graduação em Ciência da Informação e Documentação do Departamento de Educação, Comunicação e Informação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras - FFCLRP/USP. Docente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação na Unesp - Marília - SP. Possui graduação em Analise de Sistemas pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1994), mestrado em Administração de Organizações pela FEA-RP/USP (2009), doutorado em Administração de Organizações pela FEA-RP/USP (2012). Áreas de concentração: gestão da informação e do conhecimento, serviços de referência e informação, redes de informação, base de dados, administração de varejo, sistemas de informação, comércio e governo eletrônico.

Referências

BOURDIEU, P. Distinction: a social critique of the judgement of taste. Cambridge (MA): Harvard University Press, 1984.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2016: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: SECOM, 2016.

CANDIOTTO, C. Neoliberalismo e democracia. Princípios, Natal, v. 19, n. 32, p. 153-179, jul./dez. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/7568/5631 Acesso em: 2 dez. 2017.

CAPURRO, R. Epistemología y ciencia de la información. Enl@ce, Maracaibo, v. 4, n. 1, p. 11-29, jan./abr. 2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=82340102 Acesso em: 29 jan. 2018.

CARVALHO, J. M. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CESARIN, H. C. Competência informacional e midiática e a formação de professores de ensino fundamental: um relato de experiência. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 13, n. esp., jan./jul. 2017. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/649/578 Acesso em: 28 jan. 2018.

COSTA, R. A cultura digital. São Paulo: Publifolha, 2002.

DERVIN, B. Sense-making theory and practice: an overview of user interests in knowledge seeking and use. Journal of Knowledge Management, v. 2, n. 2, p. 36-46, Dec. 1998. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/pdfplus/10.1108/13673279810249369 Acesso em: 18 jan. 2018.

ESLAMI, M. et al. I always assumed that I wasn't really that close to [her]: Reasoning about invisible algorithms in news feeds. In: ANNUAL ACM CONFERENCE ON HUMAN FACTORS IN COMPUTING SYSTEMS, 33. Proceedings… p. 153-162. Disponível em: http://www-personal.umich.edu/~csandvig/research/Eslami_Algorithms_CHI15.pdf Acesso em: 3 fev. 2018.

FERNANDES, N.; TANJI, T. O Brasil virou o país do fanatismo? Galileu, 6 maio 2015. Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2015/05/o-brasil-virou-o-pais-do-fanatismo.html Acesso em: 4 fev. 2018.

GONZÁLEZ-TERUEL, A. Los estudios de necesidades y usos de la información: Fundamentos y perspectivas actuales. Gijón (Asturias): Trea, 2005.

GRAGNANI, J. Como identificar os diferentes tipos de fakes e robôs que atuam nas redes. BBC Brasil, 16 dez. 2017. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-42172154 Acesso em: 28 fev. 2018.

HERN, A. How social media filter bubbles and algorithms influence the election. The Guardian, Londres, 22 maio 2017. News. Disponível em: https://www.theguardian.com/technology/2017/may/22/social-media-election-facebook-filter-bubbles Acesso em: 3 fev. 2018.

HJØRLAND, B. Epistemology and the socio-cognitive perspective in information science. Journal of The American Society for Information Science and Technology, v. 53, n. 4, p .257”“270, 2002. Disponível em: http://onlinelibrary-wiley.ez87.periodicos.capes.gov.br/doi/10.1002/asi.10042/epdf Acesso em: 25 jan. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA. Sobre o Brasil: população, quantidade de homens e mulheres. Brasília (DF): 2015. Disponível em: https://teen.ibge.gov.br/sobre-o-brasil/populacoa/quantidade-de-homens-e-mulheres.html Acesso em: 19 abr. 2018.

INSTITUTO DATAFOLHA. Intenção de voto para presidente. 1998. Disponível em: http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2013/05/02/intvoto_pres_25091998.pdf>. Acesso em: 8 fev. 2018.

INSTITUTO DATAFOLHA. Ciro, 20%, divide segundo lugar com Serra, 19%; Lula mantém liderança, com 37%, 2002. Disponível em: http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2013/05/02/intvoto_pres_30082002.pdf Acesso em: 8 fev. 2018.

INSTITUTO DATAFOLHA. Antes do debate, Lula tem 53% dos votos válidos. 2006. Disponível em: http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2013/05/02/intvoto_pres_27092006.pdf Acesso em: 8 fev. 2018.

INSTITUTO DATAFOLHA. Na véspera da eleição, Dilma tem 50% dos votos válidos. 2010. Diponível em: http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2013/05/02/intvoto_pres_02102010.pdf Acesso em: 8 fev. 2018.

INSTITUTO DATAFOLHA. Aécio está tecnicamente empatado com Marina; Dilma Rousseff lidera. 2014. Disponível em: http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2014/10/03/intencao_de_voto_presidente_2.pdf Acesso em: 8 fev. 2018.

MACHADO, A. J. P. A democracia representativa no Brasil: problemas e questionamentos. Estação científica, Amapá, v. 6, n. 1, jan./abr.2016. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/estacao/article/view/1935 Acesso em: 25 jan. 2018.

MAINWARING, S.; BRINKS, D.; PÉREZ-LIÑAN, A. Classificando Regimes Políticos na América Latina. Dados, v. 44, n. 4, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v44n4/a01v44n4.pdf Acesso em: 25 jan. 2017.

MURRAY, K. B. A test of services marketing theory: Consumer information acquisition activities. Journal of Marketing, v. 55, n. 1, p. 10-25, Jan. 1991. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/pdf/1252200.pdf Acesso em: 21 jan. 2018.

PEDRO, R. M. L. R. A inclusão do outro na sociedade digital: reflexões sobre inclusão e alteridade. In: González de Gómez, M. N.; Lima, C. R. M (Org.). Informação e democracia: a reflexão contemporânea da ética e da política. Brasília: IBICT, 2011.

PÓVOA, M. Anatomia da Internet: investigações estratégicas sobre o universo digital. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2000.

SAVOLAINEN, R. Everyday life information seeking: Approaching information seeking in the context of “way of life”. Library & Information Science Research, v. 17, n. 3, p. 259-294, 1995. Disponível em: https://doi.org/10.1016/0740-8188(95)90048-9 Acesso em: 8 fev. 2018.

SAVOLAINEN, R. Everyday life information seeking. In: FISHER, K. R.; ERDELEZ, S.; MCKECHINE, L. (Orgs.). Theories of information behavior. Medford (NJ): Information Today, 2005. p. 143-148.

SHALDERS, A. Direita ou esquerda? Análise de votações indica posição de partidos brasileiros no espectro ideológico. BBC Brasil, São Paulo, 11 set. 2017. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-41058120 Acesso em: 04 fev. 2018.

SCHUMPETER, J.A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1984.

SORJ, B. Brasil@povo.com: a luta contra a desigualdade na Sociedade da Informação. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SPINK, A.; CASE, D. O. Looking for information. 3. ed. Bingley: Emerald: 2012.

WILSON, T. D. Information behavior: An interdisciplinary perspective. Information Processing & Management, v. 33, n. 4, p. 551-572, 1997. Disponível em: https://ac.els-cdn.com.ez87.periodicos.capes.gov.br/S0306457397000289/1-s2.0-S0306457397000289-main.pdf?_tid=95a8e586-aaa8-11e7-b18b-00000aacb362&acdnat=1507302850_ebc01fb5a82326bb32becbeb51215c9b Acesso em: 1 out. 2017.

Downloads

Publicado

2018-07-20

Como Citar

Souza, L. P. P. de, Santos, B. R. P. dos, Moraes, C. R. B. de, Valentim, M. L. P., & Damian, I. P. M. (2018). O comportamento informacional do eleitor sob a perspectiva da democracia brasileira. Revista Ibero-Americana De Ciência Da Informação, 11(3), 707–728. https://doi.org/10.26512/rici.v11.n3.2018.10437

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)