Ensaio sobre as inter-relações entre arquitetura escolar, cibercultura e ensino de Ciências: desafios e propostas para as juventudes da Geração Y

Autores

  • Marcello Ferreira
  • Olavo Leopoldino da Silva Filho
  • Marcos Rogério Martins Costa
  • Khalil Oliveira Portugal
  • Luíza Morais Lima
  • Gabriel Pêra de Souza
  • João Vítor da Silva Rocha
  • Palton Lima Alves Universidade de Brasília
  • Henrique Minari Zanetti
  • Helena Célia de Souza Sacerdote

DOI:

https://doi.org/10.26512/rpf.v4i3.35431

Palavras-chave:

Arquitetura. Cibercultura. Ciências. Ensino.

Resumo

Há uma diversidade de recursos tecnológicos que podem contribuir para as inovações metodológicas no ensino de Ciências, mas é interessante observar o quanto é difícil a adoção de novas ideias. Tal dificuldade está presente nos processos de difusão e incorporação de inovações, mesmo que elas apresentem vantagens em relação à ideia vigente. Neste estudo, deseja-se estabelecer um confronto com o que é considerado tradicional no ensino de Ciências. Para tanto, o objetivo é investigar como a organização e a arquitetura do ambiente escolar podem favorecer a atenção e a concentração dos alunos, em uma perspectiva crítica e significativa. O arcabouço teórico deste ensaio é interdisciplinar, baseando-se nos estudos de Foucault (1999a; 1999b; 1999c), Lévy (1993), Vygotski (1988), Kaplan (1995), dentre outros. A metodologia adotada ancora-se em um estudo bibliográfico de caráter exploratório. Metodologicamente, o ensaio foi dividido em quatro partes: na primeira, discute-se a inteligência coletiva (LÉVY, 1993) e a zona de desenvolvimento proximal (VYGOTSKI, 1988); na segunda, aborda-se a articulação entre ensino de Ciências e tecnologias digitais; na terceira, trata-se da arquitetura no processo de aprendizagem; e, na quarta, lançam-se duas propostas de ambientes de aprendizagem: a sala de aula articulada e o espaço de colaboração. Como ensaio, as contribuições deste estudo estão voltadas para a exploração e a discussão de temas recentes (ADORNO, 1994), trazendo, como mote, estudos que possam lançar contribuições teóricas possíveis de ulterior aplicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor. O ensaio como forma. In: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno - Sociologia. São Paulo: Ática, 1994, p. 167-187.

ALVES, Fernanda Sales. Iluminação universal: ergonomia e design universal aplicados ao projeto lumínico em sala de aula. 116 f. 2014. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) ”“ Universidade Federal da Bahia, 2014.

ARRAIS NETO, Enéas de Araújo; RICCA, Diego Enéas Peres; SOUZA, Raphael Pires de. Arquitetura escolar: currículo ou curral? Revista LABOR, Fortaleza, v. 1, n. 16, p. 137-151, 2016.

AUSUBEL, David Paul. Educational psychology: a cognitive view. Nova York: Holt,

Rinehart and Winston, 1968.

BERGMANN, Jonathan; SANS, Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia de aprendizagem. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: LTC, 2018.

BERNARDES, Marina. Configuração arquitetônica de salas de aula como ambientes promotores do bem-estar. 188 f. 2018. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Florianópolis, 2018.

BORGES, Antonio Tarcísio. O papel do laboratório no ensino de ciências. Belo Horizonte: Colégio Técnico da UFMG, 1996.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. Prefácio. CACHAPUZ, António et al. (Orgs.). A necessária renovação do ensino das Ciências. São Paulo: Cortez, 2005, p. 9-13.

CARVALHO, Ricardo Artur; FABIARZ Jackeline Lima. A disciplina na sala de aula: arquitetura e design como afirmação de concepções de ensino e aprendizagem. Arcos Design. Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 96-113, jun. 2014.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1999a.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no College de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999b.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro: NAU, 1999c.

FOUREZ, Gérard. Crise no ensino de Ciências? Tradução de Carmem Cecília de Oliveira. Investigações em Ensino de Ciências. Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 109-123, 2003.

FONTANA, Roseli; CRUZ, Maria Nazaré da. Psicologia e trabalho pedagógico. São Paulo: Atual, 1997.

FRAGO, Antonio Viñao; ESCOLANO Augustin. Currículo, espaço e subjetividade: A arquitetura como programa. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARDNER, Howard. Inteligências múltiplas: a teoria na prática. Tradução de Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GRESSLER, Sandra Christina; GÜNTHER, Isolda de Araújo. Ambientes restauradores: definição, histórico, abordagens e pesquisas. Estudos de Psicologia, Brasília, v. 18, n. 3, p. 487-495, jul-set.2013,

JUNG, Carl Gustav et al. O homem e seus símbolos. Tradução de Maria Lúcia Pinho. 3. ed. Rio de Janeiro: Harper Collins, 2016.

KAPLAN, Rachel; KAPLAN, Stephen. The experience of nature: a psychological perspective. Nova Iorque: Cambridge University, 1989.

KAPLAN, Stephen. The restorative benefits of nature: Toward an integrative framework. Journal of Environmental Psychology, v. 1, n. 3, p. 169-182, 1995.

KAPLAN, Rachel; KAPLAN, Stephen; RYAN, Robert. With people in mind: Design and management of everyday nature. Washington: Island Press, 1998.

KOWALTOWSKI, Doris. Arquitetura escolar: o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

KÜNZLE, Maria Rosa Chaves. Os espaços escolares e a constituição de um programa antidisciplinar. Roteiro, Joaçaba, v. 32, n. 2, p. 221-244, jul.-dez. 2007.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência - O futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1993.

MACHADO, Roberto. Foucault, a ciência e o saber. 3 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

MAZUR, Eric. Peer instruction: a revolução da aprendizagem ativa. Tradução de Anatólio Laschuk. Porto Alegre: Penso, 2015.

MEDINA, Paloma Fraga; KRAWULSKI, Edite. Coworking como modalidade e espaço de trabalho: uma análise bibliométrica. Cadernos de psicologia social do trabalho, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 181-190, 2015.

MOREIRA, M. A. Pesquisa básica em educação em ciências: uma visão pessoal. In: I Congresso Iber-Americano de Educação em Ciências Experimentais - CIAECE, Anais do I CIAECE, La Serena, Chile, 1998.

MOREIRA, M. A. Uma análise crítica do ensino de Física. Estudos Avançados. São Paulo, v. 32, n. 94, p. 73-80, 2018.

MÜLLER, Maykon Gonçalves; ARAUJO, Ives Solano; VEIT, Eliane Angela. Inovação na prática docente: um estudo de caso sobre a adoção de métodos ativos no ensino de Física universitária. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. Pontevedra, v. 17, n. 1, p. 44-67, 2018. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen17/REEC_17_1_3_ex1094.pdf Acessado em: 20 mai. 2020.

NOVAK, Gregor et. al. Just-in-time teaching: blending active learning with web technology. Upper Saddle River: Prentice Hall, 1999.

OLIVEIRA, Marta Kohl. Aprendizado e desenvolvimento: um processo histórico. São Paulo: Scipione, 1997.

PALFREY, John; GASSER, Urs. Born digital: understanding the first generation of digital natives. New York, Basic book, 2008.

ROCHA-DE-OLIVEIRA, Sidinei; PICCININI, Valmiria Carolina; BITENCOURT, Betina Magalhães. Juventudes, gerações e trabalho: é possível falar em geração Y no Brasil? Organizações e Sociedade. Salvador, v.19, n. 6, p. 551-558, jul.-set., 2012.

ROSA, Cleuci Werner; ROSA, Álvaro Becker Ensino de Física: objetivos e imposições no Ensino Médio. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciencias. Pontevedra, v. 4, n. 1, p. 1-18, 2005. Disponível em: http://reec.webs.uvigo.es/volumenes/volumen4/ART2_Vol4_N1.pdf Acessado em: 20 mai. 2020.

SANTOS, Gustavo Henrique dos; ALVES, Lynn; MORET, Marcelo A. Modellus: Animações interativas mediando à aprendizagem significativa dos conceitos de Física no Ensino Médio. Revista Científica da Escola de Administração do Exército. v. 2, p. 88-108, 2006.

SANOFF, Henry et al. School building assessment methods. National Clearinghouse for Educational Facilities, p. 1-43, 2001.

SEVERIAN, Maria Rosa. Vigilância e poder na sala de aula: as influências do panóptico no ambiente de ensino de língua estrangeira. Revista EntreLínguas. Araraquara, v.3, n.1, p. 75-94, jan./jun. 2017.

SOUZA, Telmo Machado de. O uso de tablets na educação: “maravilhamento”, “embasbacamento”, possibilidade de contribuição na aprendizagem. 2015 88f. Dissertação (Mestrado em Educação) ”“ Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

SFORNI, Marta Sueli de Faria; GALUCH, Maria Terezinha Bellanda. Apropriação de instrumentos simbólicos: implicações para o desenvolvimento humano. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 1, p. 79-83, jan./abr. 2009.

SIEMENS, George. Connectivism: A Learning Theory for the Digital Age. International Journal of Instructional Technology & Distance Learning, v.2, p. 3-10, 2005.

SUNAGA, Alexandre; CARVALHO, Camila de. As tecnologias digitais no Ensino Híbrido. In: BACICH, Lilian; NETO, Adolfo Tanzi; TREVISANI, Fernando de Mello. (Orgs.) Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 67-80.

TABILE Ariete Fröhlich; JACOMETO, Marisa Claudia Durante. Fatores influenciadores no processo de aprendizagem: um estudo de caso. Revista Psicopedagogia ”“ Revista da Associação Brasileira de Psicopedagogia, São Paulo, v. 3, n. 103, p. 75-86, 2017.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4, p. 79-97, 2014.

VIEIRA, Valéria. A aprendizagem: um grande desafio para o ensino de ciências. Revista Ciências & Ideias, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. i-v, jan.-abr., 2019.

VYGOTSKI, Lev. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

XAVIER, Antonio Carlos. Letramento digital: impactos das tecnologias na aprendizagem da Geração Y. Calidoscópio. São Leopoldo, v. 9, n. 1, p. 3-14, 2011.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

FERREIRA, Marcello et al. Ensaio sobre as inter-relações entre arquitetura escolar, cibercultura e ensino de Ciências: desafios e propostas para as juventudes da Geração Y. Revista do Professor de Física, [S. l.], v. 4, n. 3, p. 1–29, 2020. DOI: 10.26512/rpf.v4i3.35431. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rpf/article/view/35431. Acesso em: 21 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>