TEORIAS DA APRENDIZAGEM E DA EDUCAÇÃO COMO REFERENCIAIS EM PRÁTICAS DE ENSINO: AUSUBEL E LIPMAN

Autores

  • Olavo Leopoldino da Silva Filho Universidade de Brasília
  • Marcello Ferreira Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.26512/rpf.v2i2.12315

Palavras-chave:

Teorias de Aprendizagem. Teorias da Educação. Práticas de Ensino. Produtos Educacionais.

Resumo

Os Mestrados Profissionais - especialmente aqueles na área de Ensino e, em particular, o Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física (MNPEF) - têm feito, em suas dissertações, amplo uso de referenciais teóricos que possam dar consistência aos produtos educacionais que são confeccionados como exigência para a conclusão do curso. Entretanto, de modo geral, esses referenciais teóricos raramente são considerados de maneira estrita nos próprios trabalhos, sendo, algumas vezes, até mesmo impossível divisá-los nas metodologias e nas sequências didáticas que lhes dão forma. Esse fenômeno pode estar associado ao fato de que muitos desses referenciais teóricos são calcados em Teorias de Aprendizagem, desenvolvidas no âmbito da Psicologia da Educação, estando, assim, estruturalmente muito amplos e distantes da prática de sala de aula, que são o foco dos produtos educacionais. Neste trabalho, revisamos essa questão, propondo que qualquer Teoria de Aprendizagem deve ser acompanhada de uma Teoria da Educação, de modo a fazer as necessárias conexões com a sala de aula. Como estudo de caso, é apresentada uma relação entre uma Teoria de Aprendizagem, desenvolvida por David Ausubel, e uma Teoria da Educação, desenvolvida por Mathew Lipman, mostrando suas interconexões e como uma articulação entre ambas pode gerar um referencial teórico muito mais robusto e concretizável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Olavo Leopoldino da Silva Filho, Universidade de Brasília

Instituto de Física - IFD,  - UnB - Campus Darcy Ribeiro, Asa Norte, ICC-Centro CEP 70919-970 Brasília / DF

Marcello Ferreira, Universidade de Brasília

Instituto de Física - IFD,  - UnB - Campus Darcy Ribeiro, Asa Norte, ICC-Centro CEP 70919-970 Brasília / DF

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: 2013.

CHEVALLARD, Yves. La Transposicion Didactica: Del saber sabio al saber enseñado. Argentina: La Pensée Sauvage, 1991.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: qual o sentido? São Paulo: Paulus, 2003.

FERREIRA, M.; LOGUERCIO, R. Q. Análise de Competências em Projetos Pedagógicos de Licenciatura em Física a Distância. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 16, n. 2, p. 389-419, 2016.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade II. O uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

JANTSCH, E. Vers l’interdisciplinarité et la transdisiplinarité dans l’enseignement et l’inovation. In: APOSTEL, L. et. al. (Orgs.). L’interdisciplinarité: problèmes d’enseignement et de recherche dans les universités. Rapport du Séminaraire sur l’Interdisciplinarite, Nice, 1970. Paris: Ceri/OCDE: 1973, p. 98-125.

JAPIASSÚ, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

JAPIASSÚ, H. O sonho transdisciplinar. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

KLEIN, J. T. Crossing boudaries: knowledge, disciplinarities, and interdisciplinarities. Virginia: University Press of Virginia, 1996.

KOCHELMANS, J. J. Interdisciplinarity: history, theory & pratice. Detroit: Wayne State University Press, 1990.

LATTUCA, L. R. Creating interdisciplinarity: interdisciplinary research and teaching among college and university faculty. Nashville: Vanderbilt University Press, 2001.

LENOIR, Y. Três interpretações da perspectiva interdisciplinar em educação em função de três tradições culturais distintas. Revista E-Curriculum. São Paulo, v. 1, n. 1, dez./jul. 2005-2006.

LIPMAN, M. O pensar na educação. 2. ed. Tradução de Ann Mary Figheiera Perpétuo. Petrópolis: Vozes, 1995.

LIPMAN, M; OSCANYAN, F. S.; SHARP, A. M. A Filosofia na sala de aula. 3. ed. Tradução de Ana Luiza Fernandes Falcone. São Paulo: Nova Alexandria, 2001.

MOREIRA, M.A. (1999). Aprendizagem significativa. Brasília: Editora da UnB.

MOREIRA, M. A; MASINI, E. F. A. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São a a Paulo: Moraes, 2 Edição - 2016 ”“ 4 Reimpressão, 112p. a

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. São Paulo: E. P. U., 2 Edição ampliada - 2017a, 243p.

MOREIRA, M. A. Grandes desafios para o ensino da física na educação contemporânea. Rev. Prof. Física, 1, 1 (2017b)

MOREIRA, M. A. Unidades de ensino potencialmente significativas - UEPS. Internet: http://www.if.ufrgs.br/ moreira/UEPSport.pdf (Acesso em: 03/01/2018).

MOZENA, E. R.; OSTERMANN, F. Uma revisão bibliográfica sobre a interdisciplinaridade no ensino das ciências da natureza. Revista Ensaio, v. 16, n. 2, p. 185-206, mai./ago., 2014.

PIAGET, J. L’epistemologie des relations interdisciplinaires. In: APOSTEL, L. et. al. (Orgs.). L’interdisciplinarité: problèmes d’enseignement et de recherche dans les universités. Rapport du Séminaraire sur l’Interdisciplinarite, Nice, 1970. Paris: Ceri/OCDE: 1973, p. 131-144.

POLITO, A. & COELHO, A. L. M. B., Referenciais teóricos na pesquisa em ensino de Física e o caso da teoria ausubeliana, a ser apresentado no XVII Encontro de Pesquisa em Ensino de Física ”“ 2018. Comunicação pessoal com o autor.

REPKO, A. F. Interdisciplinary research: process and theory. Los Angeles/Londres: Sage, 2008.

SOMMERMAN, A. Objeto, método e finalidade da interdisciplinaridade. In: PHILIPPI Jr., A.; FERNADES, V. (Orgs.). Práticas de interdisciplinaridade no ensino e pesquisa. Barueri: Manole, 2015.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos de sociologia compreensiva. 3. ed., v. 1. Brasília: UnB, 1994.

Downloads

Publicado

2018-08-28

Como Citar

SILVA FILHO, O. L. da; FERREIRA, M. TEORIAS DA APRENDIZAGEM E DA EDUCAÇÃO COMO REFERENCIAIS EM PRÁTICAS DE ENSINO: AUSUBEL E LIPMAN. Revista do Professor de Física, [S. l.], v. 2, n. 2, 2018. DOI: 10.26512/rpf.v2i2.12315. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rpf/article/view/12315. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>