Saúde Mental na e da Militância: uma revisão de literatura

Autores

Palavras-chave:

Saúde mental, Sofrimento psíquico, Militância, Lutas sociais, Movimentos sociais

Resumo

Na presente revisão narrativa, analisamos como a academia concebe e aborda a saúde mental na e da militância, constatando contradições, desafios e potencialidades. Mesmo sendo algo incipiente e recente, encontramos trabalhos sobre saúde mental de militantes de partidos, sindicatos e movimentos sociais e populares diversos. A despeito dos limites, contradições e atravessada pelo sofrimento psíquico, a militância, ao ser constituída pela coletivização, pelo fortalecimento de vínculos políticos de cunho humanizador e emancipatório, se mostra um espaço, um processo, não só relevante, mas necessário em termos de produção de uma saúde mental mais humanizada, mais fortalecida, seja dos militantes, seja da sociedade como um todo, resultado de suas lutas.

Biografia do Autor

Luíza Guimarães Vasconcelos, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Graduanda em Psicologia, Universidade de Brasília

Marina Thuane Melo da Silva, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Mestra em Psicologia Clínica e Cultura, Universidade de Brasília (UnB). Graduada em Psicologia pelo Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB). Especialista em Saúde Mental do Adulto pela Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Mestra pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura da Universidade de Brasília (UnB).

Pedro Henrique Antunes da Costa, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Professor; Doutor em Psicologia (UFJF). Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Mestre e Doutor também em Psicologia pela UFJF. Professor do Departamento de Psicologia Clínica e do Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura da Universidade de Brasília (UnB).

Referências

ALBRECHT, Daniela. Movimentos contra os manicômios e lutas de classes no Brasil e na Itália: Um estudo sobre consciência e estratégia. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2019.

ALCÂNTARA, Vírnia Ponte, VIEIRA, Camilla Araújo Lopes; ALVES, Samara Vasconcelos. Perspectivas acerca do conceito de saúde mental: análise das produções científicas brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 27, n. 01, p. 351-361, 2022.

ALVES, Jadielma de Barros; FERNANDES, Saulo Luders; MESQUITA, Marcos Ribeiro. Produção de Subjetividade e Militância Política dos Jovens do Movimento Sem Terra no Semiárido Alagoano. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 10-29, 2021.

AMARANTE, Paulo (Ed.). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1998.

BALTAZAR, Bernadete. Os encontros e desencontros da militância e da vida cotidiana. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 20, p. 183-190, 2004.

BOULOS, Guilherme. Estudo sobre a variação de sintomas depressivos relacionada à participação coletiva em ocupações de sem-teto em São Paulo. São Paulo: Programa de Pós-Graduação (Mestrado) em Psiquiatria da Universidade de São Paulo, 2017.

COSTA, Pedro Henrique Antunes da. Marx sobre a loucura. Revista Dialectus, Fortaleza, v. 26, p. 11-31, 2022.

COSTA, Pedro Henrique Antunes da; MENDES, Kíssila Teixeira. Colonização, Guerra e Saúde Mental: Fanon, Martín-Baró e as Implicações para a Psicologia Brasileira. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 36, n. esp., e36nspe14, 2020.

COSTA, Pedro Henrique Antunes da; MENDES, Kíssila Teixeira. Saúde mental em tempos de crise e pandemia: um diálogo com Martín-Baró. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v. 13, p. 217-231, 2021.

COSTA, Pedro Henrique Antunes da; OLIVEIRA, João Gabriel Carvalho Araújo Mello de; MEDEIROS, Lalesca; FREITAS JR., Lúcio Carvalho de; SILVA, Marina Thuane Melo da; CARNEIRO, Sílvia Mendonça. Luta que cura? Saúde mental e militância na barbárie. In: Antloga, C. et al. (orgs.) Psicologia Clínica e Cultura VII. No prelo.

DEAN, Jodi. Camarada: um ensaio sobre pertencimento político. São Paulo: Boitempo, 2021.

FERNANDES, Marco. Luta, que cura!. PassaPalavra, São Paulo, 22 de maio de 2011. Disponível em: https://passapalavra.info/2011/05/98612/. Acesso em 21 out. 2023.

FERRARI, Andressa de França Alves; ODEH, Muna Muhammad. Circuito e efeitos na construção e fortalecimento do movimento de saúde mental no Distrito Federal. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Revista Brasileira de Saúde Mental, Florianópolis, v. 43, p. 29-47, 2023.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

JANATA, Natacha Eugênia. “Juventude que ousa lutar!”: trabalho, educação e militância de jovens assentados do MST. Florianópolis: Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

KEPPLER, Isabel Lopes dos Santos. Saúde e Militância: Reflexões a partir da escuta de militantes. 2011. 144f. Trabalho de conclusão de curso de graduação (Psicologia) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo, Santos, 2011.

KEPPLER, Isabel Lopes dos Santos. Quem está doente é o sistema social: notas sobre saúde mental e militância. Esquerda Online, 14 de junho de 2017. Disponível em: https://esquerdaonline.com.br/2017/06/14/opiniao-quem-ta-doente-e-o-sistema-social-notas-sobre-saude-mental-e-militancia/. Acesso em: 21 out. 2023.

MARX, Karl. Sobre o suicídio. São Paulo: Boitempo, 2006.

MARX, Karl. Sobre a questão judaica. São Paulo: Boitempo, 2010.

MELO, Hildete Pereira de. A Revista Gênero/UFF: fazendo" ciências" na militância. Revista Estudos Feministas, São Paulo, v. 21, p. 605-615, 2013.

MONTAÑO, Carlos; DURIGUETTO Maria Lúcia. Estado, classe e movimento social. São Paulo: Cortez Editora, 2014.

PORTUGAL, Clarice Moreira; MEZZA, Martin; NUNES, Monica. A clínica entre parênteses: reflexões sobre o papel da arte e da militância na vida de usuários de saúde mental. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 28, 2018.

ROSA, Leandro Amorim. Potencial terapêutico da participação em movimentos sociais: um estudo a partir de militantes do MST. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 72-83, 2017.

ROTHER, Edna Terezinha. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paul Enferm., São Paulo, v. 20, n. 2, p. v-vi, 2007.

SANTOS, Clara Barbosa de Oliveira. Sofrimento psíquico e militância: apontamentos sobre a discussão de saúde mental nos partidos políticos revolucionários. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação (Mestrado) em Educação Profissional em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz, 2022.

SANTOS, João Henrique de Sousa; SANTOS, Maíra Carolina Alves. Interseção entre movimentos sociais e política de saúde mental: revisão integrativa da produção científica no cenário brasileiro. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 419 - 433, 12 set. 2018.

TORRENTÉ, Mônica de Oliveira Nunes de; MARQUES, Tiago Pires; TORRENTÉ, Maurício de. Solidariedade, militância e saúde mental em tempos de pandemia. Interface, Botucatu, v. 27, e220136, 2023.

VINADÉ, Thaiani Farias; GUARESCHI, Pedrinho Arcides. Possibilidades militantes na liquidez contemporânea. Revista Psicologia Política, Florianópolis, v. 14, n. 7, p. 1-20, 2007.

Downloads

Publicado

27.05.2024

Como Citar

VASCONCELOS, Luíza Guimarães; SILVA, Marina Thuane Melo da; COSTA, Pedro Henrique Antunes da. Saúde Mental na e da Militância: uma revisão de literatura. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, p. 1–33, 2024. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/51283. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Em Defesa da Pesquisa

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.