Infâncias plurais e promoção de saúde mental de crianças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistainsurgncia.v9i2.47049

Palavras-chave:

Práxis psicossocial, Saúde mental de crianças e adolescentes, Brincar, Lúdico, Pandemia do COVID-19

Resumo

Este artigo de natureza teórico-conceitual visa discutir o tema da promoção de saúde mental de crianças, apresentando a relação desse campo com o brincar e as experiências culturais. A história da saúde mental de crianças e adolescentes também será tópico de discussão neste trabalho, assim como a problematização sobre as concepções de infância que embasam as práticas de cuidado. Propomos a construção de uma práxis que seja pautada em um projeto político e ético no qual as dimensões de diversidade e pluralidade sejam respeitadas; da mesma maneira, que a necessidade do brincar e das experiências culturais para a população infantojuvenil seja reconhecida. Portanto, discutimos a potência do brincar, da arte e da cultura para ser vetor de transformação subjetiva e social.

Biografia do Autor

Luiza de Fátima dos Santos de Alencastro, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Mestre em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília. Graduada em Psicologia pela Universidade de Brasília (2018). Tem experiência na área da saúde mental, das intervenções psicossociais, dos direitos humanos, do gênero e da clínica com crianças, adolescentes e adultos. Atualmente, atende em consultório particular e no Ambulatório Infantil e Adolescente do Anankê. Desenvolve pesquisa em saúde mental, infância, adolescência e intervenções psicossociais.

Silvia Renata Magalhães Lordello Borba Santos, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Psicóloga e Pedagoga pela Universidade de Brasília, com mestrado em Psicologia pela Universidade de Brasília (1997) e doutorado em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília (2013). Atualmente é docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura e da graduação em Psicologia na Universidade de Brasília. Atuou como coordenadora do Centro de Atendimento e Estudos Psicológicos (CAEP), serviço-escola de Psicologia na UnB e também foi editora associada do periódico Psicologia: Teoria e Pesquisa. É coordenadora do Laboratório de Família, Grupos e Comunidade (LABFAM), na UnB. Orienta mestrado e doutorado em temas relacionados às Intervenções Psicossociais no campo das vulnerabilidades. Os projetos de pesquisas mais recentes envolvem temáticas como sexting, violência sexual, gênero, empregabilidade de travestis e transexuais, medidas socioeducativas, políticas públicas na área de direitos humanos. Desenvolve orientações também no campo das Intervenções terapêuticas, principalmente voltadas aos adolescentes e jovens e suas famílias, na abordagem sistêmica.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo da história única. [Vídeo]. TED Conferences. 2009. Disponível em: https://www.ted.com/talks/chimamanda_ngozi_adichie_the_danger_of_a_single_story/transcript?language=pt

ALVES, Alvaro Marcel Palomo. As Teorias do Jogo Infantil de Vygotsky e Winnicott: uma análise intersubjetiva. São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Psicologia e Sociedade (Doutorado)em Psicologia da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2013.

ANHAS, Danilo de Miranda; CASTRO-SILVA, Carlos Roberto. Potência de ação da juventude em uma comunidade periférica: enfrentamentos e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 9, p. 2927-2936, 2018.

ARCHARD, David. Children- Rights & Childhood. Routledge, 1993.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

AVELLAR, Luziane Zacché. Presença, espaço e tempo: compartilhar experiência como um modo de pensar a clínica no CAPSij em uma perspectiva winnicottiana. In: FERNANDES, Amanda Dourado Souza Akahosi; TAÑO, Bruna Lidia; CID, Maria Fernanda Barbosa; MATSUKURA, Thelma Simões. (coord.). Saúde Mental de Crianças e Adolescentes e Atenção Psicossocial. São Paulo: Manole, 2021, p. 35-47.

BELTRÃO, Jane Felipe; OLIVEIRA, Assis da Costa. Desafios e tensões da proteção plural de indígenas/crianças. Tellus, v. 11, n. 20, p. 151-172, 2011.

BRAGA, Douglas. A infância como objeto da história um balanço historiográfico. Revista Angelus, v.1, n. 10, p. 15-40, 2015. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ran/article/view/123935

BRAGA, Claudia Pellegrini; D'OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas. Políticas públicas na atenção à saúde mental de crianças e adolescentes: percurso histórico e caminhos de participação. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 2, p. 401-410, 2019.

BRASIL. Lei n.º 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 1990.

BRASIL. Lei n.º 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, DF: Diário Oficial da União. 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caminhos para uma Política de Saúde Mental Infanto-Juvenil. Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Clínica ampliada e compartilhada. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Organizadora da III CNSM. Relatório Final da III Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota técnica n.º 11/2019, de 4 de fevereiro de 2019. Brasília, DF: Diário Oficial. 2019. Disponível em: http://cetadobserva.ufba.br/sites/cetadobserva.ufba.br/files/ nota_tecnica_-_esclarecimentos_sobre_as_mudancas_da_politica_de_saude_mental.pdf.

BRASIL. Portaria Federal n.º 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece CAPS I, CAPS II, CAPS III, CAPSi II e CAPSad II. Brasília, DF: Diário Oficial da União. 2002.

BRASIL. Portaria Federal n.º 1.608, de 3 de agosto de 2004. Constitui Fórum Nacional sobre Saúde Mental de Crianças e Adolescentes. Brasília, DF: Diário Oficial da União. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção Psicossocial para Crianças e Adolescentes no SUS: tecendo redes para construir direitos. Brasília, DF, 2014.

CAMARGO, Ana Cristina Araujo Cintra Camargo. Ateliê Acaia e Clínica Extensa: uma perspectiva psicanalítica na construção de um projeto institucional. São Paulo: Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Psicologia em Psicologia da Universidade de São Paulo, 2015.

COSTA, Pedro Henrique Antunes; LORDELLO, Silvia Renata. Psicologia e a realidade brasileira: notas preliminares para uma práxis psicossocial. In: ANTLOGA, Carla; BRASIL, Katia Tarouquella; LORDELLO, Silvia Renata; NEUBERN, Mauricio; QUEIROZ, Elizabeth. (coord.). Psicologia Clínica e Cultura Contemporânea. Brasília: Technopolitik, 2019.

COUTO, Maria Cristina Ventura; DELGADO, Pedro Gabriel Godinho. Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: inclusão tardia, desafios atuais. Psicologia Clínica, v. 27, n. 1, p. 17-40, 2015.

COUTO, Maria Cristina Ventura; DELGADO, Pedro Gabriel Godinho. Presença viva da saúde mental no território: construção da rede pública ampliada de atenção para crianças e adolescentes. In: EDITH, Lauridsen-Ribeiro; LYKOUROPOULOS, Cristiana Beatrice (coord.). O CAPSi e o desafio da gestão em rede. São Paulo: Hucitec, 2016, p. 161-192.

COUTO, Maria Cristina Ventura; LIMA, R.C. Atenção Psicossocial de crianças e adolescentes: diálogos em tempos sombrios. In: EMERICH, Bruno Emerich; ONOCKO-CAMPOS, Rosana. (coord.). Saúdeloucura 10: tessituras da clínica: itinerários da reforma psiquiátrica. São Paulo: Hucitec, 2019, p. 167-187.

CRUZ, Maria Cristina Meirelles Toledo. Para uma Educação da Sensibilidade: a experiência da Casa Redonda Centro de Estudos. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes (Mestrado) em Artes da Universidade de São Paulo, 2005.

CRUZ, Maria Nazaré da. Imaginário, imaginação e relações sociais: reflexões sobre a imaginação como sistema psicológico. Caderno Cedes, v. 35, p. 361-374, 2015.

CRUZ, Nelson Falcão Oliveira; GOLÇALVES, Renata Weber; DELGADO, Pedro Gabriel Godinho. Retrocesso da Reforma Psiquiátrica: o desmonte da política nacional de saúde mental brasileira de 2016 a 2019. Trabalho, Educação e Saúde, v. 18, n. 3, 2020.

CZERESNIA, Dina. O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção / The concept of health and the difference between prevention and promotion. In: Czeresnia, Dina; Freitas, Carlos Machado de. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003.

DELGADO, Pedro Gabriel Godinho. Reforma psiquiátrica: estratégias para resistir ao desmonte. Trabalho, Educação e Saúde, v. 17, n. 2, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00212.

FERREIRA, Amanda Oliveira. As Brincadeiras na Escola Como uma Ação de Promoção de Saúde Mental de Crianças e Adolescentes. Rio de Janeiro: Programa de Mestrado Profissional em Atenção Psicossocial (Mestrado) no Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2020.

FALEIROS, Vicente de Paula. Infância e Processo Político no Brasil. In: RIZZINI, Irena; PILOTTI, Francisco. (coord.). A arte de governar crianças: A história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. Cortez, 2009, p. 33-96.

GODOY, Luciana Bertini. Uma veste para os nossos sonhos: o lugar da cultura no pensamento de Winnicott. In: FERREIRA, Afrânio de Matos. (coord.). Espaço Potencial Winnicott - diversidade e interlocução. Landy Editora, 2007, 98-117.

HEYWOOD, Collin. As transformações nas concepções de infância. In: HEYWOOD, Collin. (coord.). Uma história da infância: da Idade Média à época contemporânea no Ocidente. Artmed, 2004.

LIMA, Elizabeth Maria Freire Araujo; PÉLBART, Peter Pál. Arte, clínica e loucura: um território em mutação. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, v. 14, n. 3, p. 709-735, 2007.

MAGALHÃES, Maria Cecília Camargo; OLIVEIRA, Wellington de. Vygotsky e Bakhtin/Volochinov: dialogia e alteridade. Bakhtiniana, v. 1, n. 5, p. 103-115, 2011.

MINATEL, Martha Morais; CID, Maria Fernanda; FERNANDES, Amanda Dourado Souza Akahosi; MORATO, Giovana Garcia. Promoção da saúde mental de crianças e adolescentes na pandemia da Covid-19: um relato de experiência. In: FERNANDES, Amanda Dourado Souza Akahosi; TAÑO, Bruna Lidia; CID, Maria Fernanda Barbosa; MATSUKURA, Thelma Simões (coord.). Saúde Mental de Crianças e Adolescentes e Atenção Psicossocial. São Paulo: Manole, 2021, p. 269-287.

MOZZER, Geisa Nunes de Sousa; BORGES, Fabrícia Teixeira. A Criatividade Infantil na Perspectiva de Lev Vigotski. Revista Inter Ação, v. 33, n. 2, p. 297-316, 2008.

NOGUEIRA, Renato. O Caráter Social e Histórico da Infância [Vídeo]. YouTube. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=bNov1JfJ7fw&t=48s.

NOGUERA, Renato; ALVES, Luciana. Infâncias Diante do Racismo: teses para um bom combate. Educação & Realidade, v. 44, n. 2, 2019.

NUNES, Míghuian Danae Ferreira. Sociologia da infância, raça e etnografia: intersecções possíveis para o estudo das infâncias brasileiras. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, n. 2, p. 413-440, 2015. http://dx.doi.org/10.14244/198271991115

OLIVEIRA, Fabiana; TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos. Cultura da Infância: brincar, desenho e pensamento. In: ABROMOWICZ, Anete. (coord.). O plural da infância: aportes da sociologia. São Carlos: EdUFSCar, 2010, p. 39-55.

OMS. Declaração de Alma Ata. In: Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, 1978.

PEDROZA, Regina Sucupira. Aprendizagem e subjetividade: uma construção a partir do brincar. Revista do Departamento de Psicologia – UFF, 2005.

PEREIRA, Vilmar. Infância, Subjetividade e Pluralidade no Contexto do Pensamento Pós-metafísico. Educação & Realidade, v. 34, n. 1, p. 211-226, 2009.

PEREZ, José Roberto Rus; PASSONE, Eric Ferdinando. Políticas Sociais de Atendimento às Crianças e aos Adolescentes no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 140, p. 649-673, 2010.

QVORTRUP, Jeans. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 2, p. 631-644, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v36n2/a14v36n2.p

QVORTRUP, Jeans. Nove teses sobre a "infância como um fenômeno social". PROPOSIÇÕES, v. 22, n. 1, p. 199-211, 2011.

RACINE, Nicole; MCARTHUR, Brae Anne; COOKE, Jessica; EIRICH, Rachel; ZHU, Jenney; MADIGAN, Sheri. Global Prevalence of Depressive and Anxiety Symptoms in Children and Adolescents During COVID-19 A Meta-analysis. JAMA Pediatrics, 2021.

REDE NOSSA SÃO PAULO Mapa da Desigualdade. 2021. Disponível em: https://static.poder360.com.br/2021/10/mapa-desigualdade-covid-sp.pdf

RESENDE, Tania Inessa Resende. Eis me aqui: A Convivência como Dispositivo de Cuidado no Campo da Saúde Mental. Brasília: Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura (Doutorado) em Psicologia da Universidade de Brasília, 2015.

RIBAS, Paula Ribas. Política de Atendimento às Crianças e Adolescentes no Município de Guarapuava/PR e a Participação das Organizações da Sociedade Civil. RESO: Revista de Estudos Sociais, v. 2, n. 1, p. 03-20, 2019.

RIZZINI, Irene; PILOTTI, Francisco. A arte de governar crianças: A história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. Cortez, 2009.

SAFRA, Gilberto. O brincar. In: SAFRA, G. (coord.). Desvelando a memória do humano: o brincar, o narrar, o corpo, o sagrado, o silêncio. São Paulo: Sobornost, 2006, p. 12-20.

SAFRA, Gilberto. Introdução: alguns princípios fundamentais subjacentes à clínica winnicottiana. In: SAFRA, G. A presença de Winnicott no viver criativo: diversidade e interlocução. São Paulo: Editora ZY, 2009.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; GOUVÊA, Maria Cristina Soares (coord.). Estudos da infância: educação e práticas sociais. Vozes, 2008, p. 17-39.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Visibilidade Social e Estudo da Infância. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; VASCONCELLOS, Vera Maria Santos (coord.). Infância (In)visível. Junqueira & Martin, 2007.

SARMENTO, Manuel Jacinto; PINTO, Manuel. As crianças e a infância: Definindo conceitos, delimitando o campo. In: PINTO, Manuel; SARMENTO, Manuel Jacinto. (coord.). As crianças: Contextos e identidades. Centro de Estudos da Criança, 1997, p. 9-30. Disponível em: https://pactuando.files.wordpress.com/2013/08/sarmento-manuel-10.pdf

SELAU, B.L.; KOVALESKI, D.F.; PAIM, M.B. Analisando a promoção à saúde de crianças e adolescentes em vulnerabilidade em uma organização da sociedade civil em Florianópolis-SC. Physis: Revista de Saúde Coletivo, v. 31, n. 3, p. 1-20, 2021. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312021310313

TAÑOS, Bruna Lima; MATSUKURA, Thelma Simões. Saúde mental infantojuvenil e desafios do campo: reflexões a partir do percurso histórico. Cad. Ter. Ocup., v. 23, n. 2, p. 439-447, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAR0479

TEIXEIRA, Melissa Ribeiro; FERREIRA, Amanda Oliveira; COUTO, Maria Cristina Ventura Couto. Atenção psicossocial e promoção de saúde mental nas escolas. In: FERNANDES, Amanda Dourado Souza Akahosi; TAÑO, Bruna Lidia; CID, Maria Fernanda Barbosa; MATSUKURA, Thelma Simões. (coord.). Saúde Mental de Crianças e Adolescentes e Atenção Psicossocial. São Paulo: Manole, 2021, p. 35-47.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais, p. 23-36, 2008.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Imaginação e criação na infância. São Paulo: Ática, 2009.

WINNICOTT, Donald Woods. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1971/1975.

WINNICOTT, Donald Woods. Explorações Psicanalíticas. Porto Alegre: Artmed, 1994.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Promoting Mental Health: concepts, emerging, evidence, practice: report of the World Health Organization. Melbourne, 2005.

Downloads

Publicado

31.07.2023

Como Citar

DOS SANTOS DE ALENCASTRO, Luiza de Fátima; MAGALHÃES LORDELLO BORBA SANTOS, Silvia Renata. Infâncias plurais e promoção de saúde mental de crianças. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 9, n. 2, p. 141–166, 2023. DOI: 10.26512/revistainsurgncia.v9i2.47049. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/47049. Acesso em: 14 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.