Há espaço para a redução de danos em políticas antidrogas?

Autores

  • Pedro Henrique Antunes da Costa UnB/Professor

DOI:

https://doi.org/10.26512/insurgncia.v7i1.32487

Palavras-chave:

Drogas, Redução de Danos, Políticas, Assistência, Movimentos Sociais

Resumo

O artigo objetiva responder a pergunta-título: Há espaço para a Redução de Danos nas atuais Políticas Antidrogas brasileiras? Para isso, conjuga uma parte documental, analisando como a Redução de Danos (RD) comparece nas “novas” Política sobre Drogas (Decreto 9.761/2019) e Lei de Drogas (Lei 13.840/2019), e uma revisão sobre o histórico e desenvolvimento da RD no Brasil. Como um movimento social e uma racionalidade orientadora do cuidado na área, não serão as limitações impostas pelas políticas que suprimirão a importância da RD. Com as recentes mudanças, ela se torna ainda mais necessária - mesmo que mais obstaculizada. Concebê-la como sinônimo de Estado e políticas ou dependente deles, é descaracterizá-la, juntamente de sua origem, história, potencial e sentido na realidade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Tarcisio Matos de. “Redução de danos: um novo paradigma?” In: ALMEIDA, Alba Riva; NERY FILHO, Antonio; MACRAE, Edward; TAVARES, Luiz Alberto; FERREIRA, Olga Sá (Orgs.). Drogas: tempos, lugares e olhares sobre o seu consumo. Salvador: EDUFBA; CETAD/UFBA, 2004. p. 87-98.

BRASIL. Ministério da Saúde. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

BRASIL. Lei 13.840, de 05 de junho de 2019. Altera a Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006, para dispor sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas e as condições de atenção aos usuários ou dependentes de drogas e para tratar do financiamento das políticas sobre drogas. Brasília: Presidência da República, 2019a.

BRASIL. Decreto 9.761, de 11 de abril de 2019. Aprova a Política Nacional sobre Drogas. Brasília: Presidência da República, 2019b.

BRITES, Cristina Maria. Ética e uso de drogas ”“ uma contribuição da ontologia social para o campo da saúde pública e da redução de danos. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

CASTRO, Laís. A Redução de Danos à luz do materialismo histórico. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2018.

CORREIA, Ludmila Cerqueira; MARTINS, Laércio; REQUIÃO, Maurício. “À beira do abismo e ao encontro do absurdo: Considerações sociojurídicas sobre a Nota Técnica n. 11/2019 do Ministério da Saúde”. In: Revista Jurídica (FURB), vol. 23, nº. 50, e7918, 2019.

GOMES, Thaísa Borges; VECCHIA, Marcelo Dalla. “Estratégias de redução de danos no uso prejudicial de álcool e outras drogas: revisão de literatura”. In: Ciência e saúde coletiva, vol. 23, n. 7, p. 2327-2338, 2018.

LIMA, Aluísio Ferreira de; OLIVEIRA, Pedro Renan Santos de; LIMA, Stephanie Caroline Ferreira de. “Saúde mental e Redução de Danos na atenção primária: concepções e ações”. In: Psicologia em Estudo, vol. 24, e44697, 2019.

LIMA, Rossano Cabral. “O avanço da Contrarreforma Psiquiátrica no Brasil”. In: Physis, vol. 29, n. 1, e290101, 2019.

MACHADO, Letícia Vier; BOARINI, Maria Lúcia. “Políticas sobre drogas no Brasil: a estratégia de redução de danos”. In: Psicologia: Ciência e Profissão, vol. 33, n. 3, p. 580”“593, 2013.

MACIEL, Marjorie Ester; VARGAS, Divane de. “Redução de danos: uma alternativa ao fracasso no combate à s drogas”. In: Cogitare Enferm., vol. 20, n. 1, p. 207-10, 2014.

MORERA, Jaime Alonso Caravaca; PADILHA, Maria Itayra Coelho de Souza; ZEFERINO, Maria Terezinha. “Políticas e estratégias de Redução de Danos para usuários de drogas”. In: Revista Baiana de Enfermagem, vol. 29, n. 1, p. 76-85, 2015

PASSOS, Eduardo Henrique; SOUZA, Tadeu Paula. “Redução de danos e saúde pública: construções alternativas à política global de "guerra à s drogas"”. In: Psicologia e Sociedade, vol. 23, n. 1, p. 154-162, 2011.

PETUCO, Dênis Roberto da Silva. “Redução de danos: Das técnicas à ética do cuidado”. In: RAMMINGER, Tatiana, SILVA, Martinho. (Orgs.). Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede Unida, 2014. p. 133-148.

QUEIROZ, Isabela Saraiva de. “Os programas de redução de danos como espaços de exercício da cidadania dos usuários de drogas”. In: Psicologia: Ciência e profissão, vol. 21, n. 4, p. 2-15, 2001.

RIBEIRO, Carla. Redução de Danos e seus princípios: uma revisão sistemática na saúde coletiva. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2015.

ROSA, Pablo Ornelas. Drogas e a governamentalidade neoliberal: Uma genealogia da redução de danos. Florianópolis: Editora Insular, 2014.

SANTOS, Vilmar Ezequiel dos; SOARES, Cássia Baldini; CAMPOS, Célia Maria Sivalli. “Redução de danos: análise das concepções que orientam as práticas no Brasil”. In: Physis, vol. 20, n. 3, p. 995-1015, 2010.

SANTOS, Valcleiton Bispo; MIRANDA, Marlene. “Projetos/Programas de Redução de Danos no Brasil”. In: Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, vol. 5, n. 1, p. 106-118, 2016.

SILVEIRA, Ricardo Wagner Machado da. “Redução de danos e acompanhamento terapêutico: aproximações possíveis”. In: Rev. NUFEN, v. 8, n. 1, p. 110-128, 2016.

Downloads

Publicado

31-01-2021

Como Citar

Costa, P. H. A. da. (2021). Há espaço para a redução de danos em políticas antidrogas?. InSURgência: Revista De Direitos E Movimentos Sociais, 7(1), 226–242. https://doi.org/10.26512/insurgncia.v7i1.32487

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)