O MODELO CENTRAL DE PRÁTICA JURÍDICA NO BRASIL

ELEMENTOS PARA UMA REVISÃO CRÍTICA

Autores

  • Hugo Belarmino de Morais UFPB

DOI:

https://doi.org/10.26512/insurgencia.v5i1.26675

Palavras-chave:

prática jurídica, interdisplinaridade, educação jurídica

Resumo

Argumenta-se neste trabalho a existência de um “modelo central de prática jurídica” ligado ao paradigma tradicional que, basicamente, a) não incentiva a formação inter e transdisciplinar para que o próprio saber jurídico seja submetido a uma apreciação crítica e problematizadora; e b) não articula saberes e conhecimentos técnicos com a realidade prática, mesmo naqueles componentes curriculares mais vinculadas às atividades clássicas do campo profissional, como a advocacia e a magistratura. Ou seja, a formação jurídica tradicional e seu modelo de prática não ajuda a formar nem “teóricos” nem “práticos” do direito. Tais obstáculos não impedem a busca de soluções institucionais no campo da prática jurídica, fato que tem sido praticamente negligenciado pelas teorias críticas do direito e da educação jurídica. Defende-se, pois, uma maior ousadia e criatividade na criação e estruturação de Núcleos de Práticas Jurídicas (NPJ’s), substituindo o modelo tradicional ligado aos escritórios-modelo e/ou serviços de assistência jurídica gratuita, a fim de interligar entre ensino, pesquisa empírica, extensão e prática, com consequências positivas e transformadoras para a formação dos estudantes.

Referências

LYRA FILHO, Roberto. O Direito que se ensina errado. Brasília: Centro Acadêmico de Direito da UnB, 1980.

LOPES DOS SANTOS, André Luiz. Ensino Jurídico. Uma abordagem político-educacional. Campinas: Edunicamp, 2002.

MIAILLE, Michel. Introdução crítica ao direito. Lisboa: Editorial Estampa, 2005, p. 63-84.

MORAIS, Hugo Belarmino. A dialética entre a educação jurídica e a educação do campo: A experiência da turma "Evandro Lins e Silva" da UFG derrubando as cercas do saber jurídico. 2011. 225 f. Pós-graduação (Mestrado) ”“ Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.. Disponível em: <http://www.ccj.ufpb.br/pos/wp-content/uploads/2013/07/Hugo-Belarmino-Educa%C3%A7%C3%A3o-Jur%C3%ADdica-e-Educa%C3%A7%C3%A3o-do-Campo.pdf>

PLASTINO, Carlos Alberto. Apresentação. In: JEAMMAUD, Antoine et al. Crítica do Direito e do Estado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

PÔRTO, Inês da Fonseca. Ensino jurídico, diálogos com a imaginação: construção do projeto didático no ensino jurídico. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris Editor, 2000.

VERONESE, A. O papel da pesquisa empírica na formação do profissional de direito. Revista da OAB/RJ. Rio de Janeiro, v. 27, p. 171-218, jan-jul. 2008.

WARAT, Luiz Alberto; CUNHA, Rosa Maria Cardoso da. Ensino e saber jurídico. Rio de Janeiro: Eldorado Tijuca, 1977.

Downloads

Publicado

24.12.2019

Como Citar

DE MORAIS, Hugo Belarmino. O MODELO CENTRAL DE PRÁTICA JURÍDICA NO BRASIL: ELEMENTOS PARA UMA REVISÃO CRÍTICA. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 5, n. 1, p. 542–561, 2019. DOI: 10.26512/insurgencia.v5i1.26675. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/26675. Acesso em: 30 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.