Entendendo o Hoje Social Brasileiro Mediante Conhecimento do Seu Ontem Histórico: O Cordel Como Ferramenta Pedagógica no Ensino de História

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v22i42.50377

Palavras-chave:

Ensino de História, Literatura de Cordel, Ferramenta Pedagógica

Resumo

Este texto traz à luz um diálogo entre Ensino de História e Literatura de Cordel, tendo como proposta discutir o hoje social brasileiro, a partir de investigação feita ao seu ontem histórico, levando-se em conta as práticas sociais do machismo, do racismo e da homofobia. Trata-se de abordagem  qualitativa, justaposta à revisão bibliográfica exploratória. É trazido para análise o cordel, previamente construído em forma de sextilhas, e usado como ferramenta pedagógica no ensino de história, tanto em aulas na educação básica no Ensino Médio, quanto no Ensino Superior. É promovido o diálogo entre História, Sociologia e Antropologia. Percebe-se, enquanto resultado, que os discentes mostram maior interesse e participação nas aulas, em decorrência da existência de identificação com o cordel, uma vez que este se constitui como um dos elementos da cultura que vivenciam. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Ferreira Júnior, Autarquia Educacional de Serra Talhada - AESET

Pós-Doutorado em Ciências Sociais, pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais - PPGCS, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG); Doutor e Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG); Doutorando em História Social da Cultura Regional, pelo Programa de PósGraduação em História - PGH, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE); Mestre em Ensino de História, pela Universidade Regional do Cariri (URCA); Especialista em História pela Universidade de Pernambuco (UPE); Licenciado em História pela Faculdade de Formação de Professores de Serra Talhada (FAFOPST). Licenciado em Pedagogia pela Faculdade de Formação de Professores de Serra Talhada (FAFOPST). Pesquisa as relações existentes entre a memória lampiônica e a construção de identidade na região do Médio Pajeú, em Pernambuco. Estuda as ações dos produtores culturais da região, no referente ao uso dessa memória. Atua como formador de professores na redes pública municipal e estadual de ensino, junto ao Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (IAUPE). Atua como avaliador de ad hoc de projetos de extensão do IF Sertão - PE. Coordena o curso de Licenciatura em História da Faculdade de Formação de Professores de Serra Talhada (FAFOPST).

Referências

ARAUJO, Emanuel. A arte da sedução: sexualidade feminina na colônia.. In: PRIORE, Mary D. (Org). História das mulheres no Brasil. São Paulo. Contexto. 2009.

BENEDICT, Ruth. O crisântemo e a espada. São Paulo. Perspectiva. 2009.

BOURDIEU, Pierre; CHAMBOREDON, J. Claude; PASSERON, J. Claude. A profissão do sociólogo. Petrópolis, RJ: Vozes, 3ª ed. 1999.

BOURDIEU. Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis. Vozes. 2020

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História &Geografia / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro. Forense Universitária. 2007.

CUCHÉ, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru. EDUSC. 2002.

DA MATTA, Roberto. A antropologia no quadro das ciências sociais. In:______. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

DURKHEIM, Émile D. As regras do método sociológico. São Paulo. Martins Fontes. 2007.

__________________. Educação e Sociologia. Petrópolis. Vozes. 2011.

FAZENDA, Ivani C A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo. Edições Loyola. 2006.

FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. São Paulo. EDUSP. 2004.

FERREIRA JÚNIOR, José. A construção histórica da inferioridade feminina no Brasil. In: SOUZA, Liliane P. (Org) Sobre mulheres: as melhores coletâneas de 2020. Campo Grande- MS. Editora Inovar. 2020.

FOLLADOR, Kellen J. A mulher na visão do patriarcado brasileira: uma herança ocidental. Revista Fato&Versões, nº 2, v. 1. Disponível em www.catolicaonline.com.br/fatoeversoes

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro. Guanabara. 1989.

LAPLANTINE, François. O campo e a abordagem antropológicos. In: ______ Aprender Antropologia. 5ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1991.

LARAIA, Roque de B. Cultura, um conceito antropológico. Brasília. UNB. 2011.

JUSBRASIL. Entenda o projeto da cura gay. 2016. Disponível em https://examedaoab.jusbrasil.com.br/noticias/376191509/entenda-o-projeto-da-cura-gay Acesso em 05-06-2023.

MODESTO, Mônica A; SANTOS, Tatiana F. Perspectiva do ensino de história nos anos iniciais sob a égide de uma temática ambiental. 2015. Disponível em https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/viewFile/2151/446 Acesso em 29 de maio de 2023.

NASCIMENTO, Magali da C. Sobre crentes, protestantes, evangélicos e Rubem Alves. São Paulo. 2018. Disponível em https://www.cartacapital.com.br/blogs/sobre-crentes-protestantes-evangelicos-e-rubem-alves/ Acesso em 30 de maio de 2023.

PRADI, Reginaldo; SANTOS, Renan W dos. Quem tem medo da bancada evangélica? Posições sobre moralidade e política no eleitorado brasileiro, no Congresso Nacional e na Frente Parlamentar Evangélica. Tempo Social revista de sociologia da USP, v. 29, n. 2, pp. 187-213, 2017.

RECHENBERG, Fernanda. Imagens e trajetos revelados: estudo antropológico sobre fotografia, memória e a circulação das imagens junto a famílias negras em Porto Alegre, RS. Tese Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Porto Alegre – RS. 2012. Disponível em https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/77135/000894384.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em 20 de junho de 2023.

REIS, José C. História e Teoria: historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. Rio de Janeiro. FGV. 2006.

REIS, João J; GOMES, Flávio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo. Claro Enigma. 2012.

ROCHA, Everardo P Guimarães. O que é etnocentrismo. São Paulo, Brasiliense, 1984, pp 7-22.

RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da história III, formas e funções do conhecimento histórico. Brasília. Editora Universidade de Brasília. 2010.

SANTOS, Pérsio. Introdução à Sociologia. São Paulo. Atlas. 2010.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas. Autores Associados. 2019.

SCHWARTZ, Stuart B. Escravidão indígena e o início da escravidão africana. In.: SCHWARCZ, Lilia Moritz e GOMES, Flávio (Orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SILVA, Marlise V. Violência contra a mulher: quem mete a colher? São Paulo. Cortez. 1992.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília. UNB. 2010.

Downloads

Publicado

2023-12-22

Como Citar

JÚNIOR, José Ferreira. Entendendo o Hoje Social Brasileiro Mediante Conhecimento do Seu Ontem Histórico: O Cordel Como Ferramenta Pedagógica no Ensino de História. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 22, n. 42, p. 75–88, 2023. DOI: 10.26512/emtempos.v22i42.50377. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/50377. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.