As identidades culturais na pós-modernidade, os regimes de historicidade moderno e presentista e a História do Tempo Presente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i39.39527

Palavras-chave:

Identidade Cultural. Regime de Historicidade. História do Tempo Presente.

Resumo

O presente artigo busca investigar o processo de descentramento das identidades culturais produzidas da modernidade até a atualidade pós-moderna, segundo a abordagem de Stuart Hall e sua relação com a forma que vemos, entendemos e estudamos nosso tempo. Com o auxílio do conceito de regime de historicidade na aproximação das experiências individuais e culturais com as experiências coletivas da história, do tempo e da sociedade na modernidade e na pós-modernidade, busco uma nova perspectiva de investigação interdisciplinar da História do Tempo Presente na aproximação com o estudo sociológico das identidades culturais. Ainda busco avaliar essas questões no presente globalizado e líquido segundo a perspectiva do filósofo Zygmunt Bauman.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1998.

BERBER, Bevernage. História, memória e violência de Estado: tempo e justiça. Serra: Editora Milfontes/ Mariana: SBTHH, 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

LUZ, V. S. As identidades culturais na pós-modernidade, os regimes de historicidade moderno e presentista e a História do Tempo Presente. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 39, 2021. DOI: 10.26512/emtempos.v1i39.39527. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/39527. Acesso em: 6 out. 2022.