O jogo Mancala como estratégia pedagógica Etnomatemática

relato de uma experiência numa turma de 2º ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual “Professor Elídio Duque no município de Salinas-MG.

Autores

  • Adriana Lúcia Brandão Diogenes Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
  • Graziele Santos Ferreira Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - Campus Salinas https://orcid.org/0000-0002-6863-2894

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i36.31727

Palavras-chave:

Etnomatemática. Educação étnico-racial. Mancala-Kalah

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo fazer uma abordagem entre as características étnico-raciais com os conceitos matemáticos, procurando iniciar uma modificação do pensamento eurocêntrico no contexto escolar onde esse trabalho foi realizado bem como olhar para a ciência matemática para além de números e cálculos. Desse modo, buscou-se fazer um paralelo entre os conceitos matemáticos e a questão étnico-racial, demanda necessária em função da implementação da Lei 10.639/03. Foi elaborado um relato de experiência pedagógica utilizado como instrumento de avaliação interdisciplinar para conclusão do 2º período do curso de Pedagogia do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG) ”“ Campus Salinas. A pesquisa teve uma abordagem descritivo-qualitativa a partir de pesquisa-ação, fundamentada em pressupostos da Etnomatemática e a utilização do jogo Mancala ”“ Kalah. O referencial teórico esteve amparado, principalmente, por Grando (2004), Munanga (2005), D’Ambrósio (1986; 1998; 2005; 2011; 2012) e pela legislação brasileira como a Constituição Federal de 1988. Concluiu-se que é possível a implementação da Lei 10.639/03 nas aulas de Matemática com atividades que favoreçam a reflexão e discussão dos valores e conhecimentos africanos e afro-brasileiros, apoiadas numa postura crítica, superando a fragmentação disciplinar e reconhecendo a importância de uma educação Etnomatemática que tem como uma das finalidades valorizar a matemática praticada por diferentes povos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRANSDSFORD, J. D.; BROWN, A. L.; COCKING, R. R. (Org.). Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência e escola. São Paulo: SENAC, 2007.

BRASIL, Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Nº 10.639, de 09 de Janeiro de 2003: "História e Cultura Afro-Brasileira". Disponível em: <.http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 25 set. 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 09 out. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394/96, art 1 e 2. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em: 25 set. 2019.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília, DF: MEC, 2004

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CÂMARA, A.Z. O Cabelo de Cora. Rio de Janeiro:Pallas,2015.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

______________. Da realidade à ação - reflexões sobre educação e matemática. São Paulo, SUMMUS/UNICAMP 1986.

______________. Etnomatemática: Arte ou técnica de explicar e conhecer; São Paulo-SP; Editora Ática; 4ª. Ed., 1998.

______________. Educação para uma sociedade em transição. 2. ed. Natal: EDUFRN, 2011.

______________.Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas, SP: Papirus, 2012.

FIORENTINI, D. ; LORENZATO,S. Investigação em educação matemática - percursos teóricos e metodológicos.3.ed ver Campinas.SP.2012.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

_________. Política e Educação. Rio de Janeiro: Ed Cortez, 1995.

GIL, C. MANTVANI,R.(Trad.) Por que somos de cores diferentes? Brasil: Girafinha, 2006.

GRANDO, Regina Célia. O jogo e a matemática no contexto da sala de aula. São Paulo: Paulus, 2004.

INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS. Projeto Pedagógico: Curso de Pedagogia. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Salinas,2018.

LEITÃO,M. Flávia e bolo de chocolate. Rio de Janeiro: Rocco Primeiros Leitores,2015.

HOOKS, B.; RIZZI,N. (Trad.).Meu crespo é de rainha. São Paulo:Boitatá,2018.

MUNIZ, C. A. Brincar e jogar: enlaces teóricos e metodológicos no campo da educação matemática. Autêntica: Belo Horizonte, 2010.

MINAS GERAIS. Matriz De Referência Proalfa. Disponível em: http://www.simave.caedufjf.net/wp-content/uploads/2014/07/PROALFA-RP-LP-ALFA-WEB1.pdf Acesso em: 11/11/2019.

MUNANGA, K. (org.) Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

OLIVEIRA, A. L. de. A Bonequinha Preta. Belo Horizonte:Lê,2004.

OLIVEIRA, C. de C. Saberes e fazeres etnicomatemáticos de matriz africana. Rio de Janeiro,2012.

RAMOS, L. Sinto o que sinto: e a incrível história de Asta e Jaser.São Paulo: Carochinha,2019.

RIBEIR0, Rosani. Jogo: Mancala Kalah. Pro Letramento Matemática: Programa de Formação Continuada de Professores das Séries Iniciais de Ensino Fundamental. Poços de Caldas,2008.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 18. ed. Campinas: Autores Associados, 2009.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

BRANDÃO DIOGENES, A. L.; SANTOS FERREIRA, G. O jogo Mancala como estratégia pedagógica Etnomatemática: relato de uma experiência numa turma de 2º ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual “Professor Elídio Duque no município de Salinas-MG. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 36, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i36.31727. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/31727. Acesso em: 7 dez. 2022.