Parda Liberta que Vive do Ofício de Meretriz

Gênero, raça e sexualidade em Goiás no século XIX

Autores

  • Murilo Borges Silva

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i36.31718

Palavras-chave:

Mulheres negras. Gênero. Raça. Goiás.

Resumo

Propõe-se com este estudo investigar como práticas discursivas e não discursivas, legitimadas por relações de saber e poder, produziram historicamente corpos femininos negros, em Goiás, no século XIX. Para tanto, interpela-se processos jurídicos e policiais, particularmente, queixas crime, que permitem discutir a maquinaria de construção de mulheres negras, indicando como os eixos de poder: gênero, raça e/ou condição social atravessam esse processo. O argumento que defendemos é que o processo de fabricação de mulheres negras, em diferentes materialidades discursivas, sugere as investidas do controle moral sobre uma parcela social mais pobre, efetivada, com maior aparato, a partir de fins do século XIX e início do XX. A ideia estava em controlar, subalternizar, discriminar, disciplinar e punir comportamentos e valores incompatíveis com as normas morais, sexuais e mesmo amorosas. O propósito de tal vigilância estava na construção de uma sociedade disciplinar e econômica, incidindo-se fortemente nas mulheres negras e pobres, com o objetivo de torna-las dóceis, úteis e ordeiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. Raros e rotos, restos, rastros e rostos: Os arquivos e documentos como condição de possibilidade do discurso historiográfico. ArtCultura, Uberlândia, v. 15, n. 26, p. 7-28, jan./jun. 2013.
COWLING, Camillia. Concebendo a liberdade: mulheres de cor, gênero e a abolição da escravidão nas cidades de Havana e Rio de Janeiro. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2018.
CRENSHAW, KIMBERLÉ. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Femininos, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1995.
ENGEL, Magali. Meretrizes e doutores: saber médico e prostituição no Rio de Janeiro (1840-1890). São Paulo: Brasiliense, 2004.
FIGUEIREDO, Luciano. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. Rio de Janeiro: José Olympio/Brasília: EDUNB, 1993.
FOUCAULT, Michael. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2002.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.
LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloisa (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
LIMA, Ivana Stolze. Cores, marcas e falas: sentidos da mestiçagem no Império do Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.
MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no Sudoeste escravista, Brasil Século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. Campinas: Pontes, 2009.
PALACÍN, Luiz. Os homens pardos de Goiás à procura de cidadania. In: ARRAIS, Cristiano Alencar; SANDES, Noé Freire (orgs.). A história escrita: percursos da historiografia goiana. Goiânia: Gráfica UFG, 2018.
RABELO, Danilo. Os excessos do corpo: a normatização dos comportamentos na cidade de Goiás, 1822-1889. 1997. 215 f. Dissertação (Mestrado em História) ”“ Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 1997.
RAGO, Margareth. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo, 1890-1930. São Paulo: Paz e Terra, 2008.
SAINT-HILAIRE, Auguste. Viagem à Província de Goiás. Trad. Regina Regis Junqueira. Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1975.
SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

BORGES SILVA, M. Parda Liberta que Vive do Ofício de Meretriz: Gênero, raça e sexualidade em Goiás no século XIX. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 36, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i36.31718. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/31718. Acesso em: 7 dez. 2022.