Eugenia, saúde e trabalho durante a Era Vargas

Autores

  • Daniela Teles da Silva

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i33.23679

Palavras-chave:

Era Vargas. Trabalho. Saúde.

Resumo

O início do século XX trouxe consigo a necessidade de modificações em toda a estrutura social, envolvendo o setor econômico, sanitário, educacional e trabalhista. O movimento conhecido como Revolução de 1930 trouxe ao poder Getúlio Vargas, figura que marcou a transição de um modelo agrário-escravista para o urbano-industrial no país. Os caminhos percorridos por Getúlio, principalmente durante 1930 e 1945 ”“ período que comporta a Era Vargas ”“, apresentaram mudanças nas políticas públicas e sociais. Focando principalmente na questão do trabalho e da saúde, por diversas vezes vinculada aos ideais sanitaristas, eugenistas e higienistas, analisando algumas das intenções da Liga Pró-Saneamento, da Eugenia, e da Liga de Higiene Mental, o objetivo principal deste trabalho é o de compreender qual o propósito de Getúlio Vargas ao apoiar tais medidas em suas políticas, em prol do desenvolvimento da sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, Pedro Paulo Lima. Lindolfo Collor e sua proposta de conciliação entre capital e trabalho. Revista Labor, vol. 1, n. 10, 2013, p. 17-31.

BUENO, Newton Paulo. A crise política no final da Era Vargas: Uma interpretação sob a ótica da economia política neo-institucionalista. Estudos Econômicos, São Paulo, vol. 6, n. 1, jan./mar. 2006, p. 181-199.

BOLZAM, Angelina Cortelazzi. Afogados em leis: a CLT e a cultura política dos trabalhadores brasileiros. [resenha]. Cadernos de Direito, Piracicaba, vol. 14, n. 27, jul./dez. 2014, p. 207-210.

CABRAL, Pedro Henrique Ramos. Onacionalismo brasileiro na égide do Estado Getulista. Monografia em Ciência Política ”“ Instituto de Ciência Política, Universidade de Brasília. Brasília, 2016.

CAMARGO, Aspásia. Carisma e personalidade política: Vargas. Da conciliação ao maquiavelismo”. In: As Instituições brasileiras da Era Vargas. D’Araujo Maria Celina (Org.). Rio de Janeiro: UERJ; Fundação Getúlio Vargas, 1999, p. 13-54.

CAPELATO, Maria Helena. O Estado Novo: o que trouxe de novo?. In: Brasil Republicano 2: O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo.

FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (Orgs.). 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 107-143.

CARDOSO, Adalberto. Estado Novo e Corporativismo. Locus: Revista de História, Juiz de Fora, vol. 13, n. 2, 2007, p. 109-118.

D’ARAUJO, Maria Celina. O Estado Novo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

D’ARAUJO, Maria Celina. Estado, classe trabalhadora e políticas sociais. In: Brasil Republicano 2: O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (Orgs.). 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 213-239.

FONSECA, Cristina M. Oliveira. A Saúde da Criança na Política Social do Primeiro Governo Vargas. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, vol. 3, n. 2, 1993, p. 97-116.

GOMES, Angela de Castro. “Ideologia e trabalho no Estado Novo”. In: Repensando o Estado Novo. PANDOLFI, Dulci (Org.). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999, p. 53-72.

HOCHMAN, Gilberto. Reformas, instituições e políticas de saúde no Brasil (1930-1945). Educar em Revista. Curitiba, vol. 21, n. 25, 2005, p. 127-141.

KOBAYASHI, Elisabete; FARIA, Lina; COSTA, Maria Conceição da. Eugenia e Fundação Rockefeller no Brasil: a saúde como proposta de regeneração nacional. Sociologias, Porto Alegre, vol. 11, n. 22, jul./dez. 2009, p. 314-351.

MACEDO, Michelle Reis de. Trabalhadores e cidadania no Brasil: o movimento queremista e a democratização de 1945. Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2008, p. 1-134.

MARQUES, Elisa Paula. A Loucura Engarrafada: relações alcoolismo-loucura em Florianópolis nas décadas de 1930 a 1960. Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Santa Catarina - Florianópolis, 2017, p. 1-133.

MENDONÇA, Sônia Regina de. “As bases do desenvolvimento capitalista dependente da industrialização restringida à internacionalização”. In: História Geral do Brasil. LINHARES, Maria Yedda (Org.). 9ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1990, p. 327-350.

MENDONÇA, Sônia Regina de. “Parte B: Estado e sociedade: a consolidação da República oligárquica”. In: História Geral do Brasil. LINHARES, Maria Yedda (Org.). 9ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1990, p. 316-326.

MOURELLE, Thiago Cavaliere. Guerra pelo poder: a Câmara dos Deputados defronta Vargas (1934-1935). Departamento de História: Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015, p. 1-254.

MOURELLE, Thiago Cavaliere. Getúlio Vargas, o medo do golpe e a questão dos reajustes salariais em 1935: o sim aos militares e o não aos civis. Dimensões, Espírito Santo, vol. 34, 2015, p. 436-456.

PANDOLFI, Dulce Chaves. “Os anos 1930: as incertezas do regime”. In: Brasil Republicano 2: O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (Orgs.). 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 13-37.

PONTE, Carlos Fidelis. “O sanitarismo e os projetos de nação”. In: Na corda bamba de sombrinha:a saúde no fio da história. In: FIDELIS, Carlos; FALLEIROS, Ialê (Org.). Rio de Janeiro: Fiocruz/COC; Fiocruz/EPSJV, 2010, p. 75-78.

PONTE, Carlos Fidelis. “A liga pró-saneamento do Brasil e a criação do Ministério da educação e saúde”. In: Na corda bamba de sombrinha: a saúde no fio da história. FIDELIS, Carlos; FALLEIROS, Ialê (Org.). Rio de Janeiro: Fiocruz/COC; Fiocruz/EPSJV, 2010, p. 96-100.

PONTE, Carlos Fidelis. “Tempos de guerra: o campanhismo entra em cena”. In: Na corda bamba de sombrinha: a saúde no fio da história. In: FIDELIS, Carlos; FALLEIROS, Ialê (Org.). Rio de Janeiro: Fiocruz/COC; Fiocruz/EPSJV, 2010, p. 101-110.

PONTE, Carlos Fidelis. “Entre a saúde pública e a medicina previdenciária”. In: Na corda bamba de sombrinha: a saúde no fio da história. In: FIDELIS, Carlos; FALLEIROS, Ialê (Org.). Rio de Janeiro: Fiocruz/COC; Fiocruz/EPSJV, 2010, p. 113-120.

REIS, José Roberto Franco. “Vargas e a previdência: entre a dádiva e o direito”. In: Na corda bamba de sombrinha:a saúde no fio da história. FIDELIS, Carlos; FALLEIROS, Ialê (Org.). Rio de Janeiro: Fiocruz/COC; Fiocruz/EPSJV, 2010, p. 121-137.

RIZOTTI, Maria Luiza Amaral. Estado e Sociedade Civil na História das Políticas Sociais Brasileiras. Revista Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 22, n. 1, set. 2001, p. 39-56.ROCHA, Simone. Educação eugenica na constituição brasileira de 1934. X ANPED SUL ”“ Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, Florianópolis, 2014, p. 1-14.

ROSSI, Vanberto José. As duas faces do primeiro Governo Vargas. Revista Eletrônica do CEMOP. Sumaré, n. 1, 2012, p. 1-7.

SCHNEIDER, Eduarda Maria; MEGLHIORATTI, Fernanda Aparecida. A influência do movimento eugênico na constituição do sistema organizado de educação pública do Brasil na década de 1930. IX ANPED SUL ”“ Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 2012, p. 1-12.

SIKORA, Mafalda Ales. As políticas de imigração no Brasil nos séculos XIX e XX e o desenvolvimento de territórios: Estudo de Caso da Colônia Dom Pedro II - Campo Largo - Paraná. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Curitiba, 2014, p. 1-208.

SILVA, Fernanda Xavier da. As Constituições da Era Vargas: uma abordagem à luz do pensamento autoritário dos anos 30. Política e Sociedade, Florianópolis, vol. 9, n. 17, 2010, p. 259-288.

SOUSA, Cynthia. Pereira de. “Saúde, educação e trabalho de crianças e jovens: a política social de Getúlio Vargas”. In: Capanema: o ministro e seu ministério. GOMES, Angêla de Castro (Org.). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2000, p. 221-249.

SOUZA, Vanderlei S. de. As Idéias Eugênicas No Brasil: ciência, raça e projeto nacional no entre- guerras.Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados, vol. 6, n. 11, jan./jun. 2012, p. 1-23.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. A política biológica como projeto: a “eugenia negativa” e a construção da nacionalidade na trajetória de Renato Kehl (1917-1932). Programa de Pós-Graduação em História das Ciências da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz/ Fiocruz. Rio de Janeiro, 2006.

TEIXEIRA, Francisco Maria Pires. “Crise e Ruptura da República Velha”. In: História Concisa do Brasil. 2ª ed. São Paulo: Global, 2000, p. 241-255.

TEIXEIRA, Francisco Maria Pires. “O tempo de Vargas, 1930-1945”. In: História Concisa do Brasil. 2ª ed. São Paulo: Global, 2000, p. 267-283.

Downloads

Publicado

2019-03-15

Como Citar

DA SILVA, D. T. Eugenia, saúde e trabalho durante a Era Vargas. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 33, p. 190–213, 2019. DOI: 10.26512/emtempos.v1i33.23679. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/23679. Acesso em: 31 maio. 2023.